BEBÊS NÃO DEVEM TOMAR SUCO DE FRUTAS ANTES DE 1 ANO

 

Academia Americana de Pediatria publicou em 2017 novas diretrizes em relação ao consumo de sucos por crianças que ainda não completaram um ano de vida.

Segundo a entidade, sucos de frutas in natura e industrializados não oferecem benefícios nutricionais para os bebês e devem ser evitados, por conta do alto índice de açúcar e calorias vazias que colaboram para aumentar as taxas de obesidade e problemas dentários.

A fruta em forma de suco acaba perdendo as fibras e alguns nutrientes no processo de preparo, o que, entre outros problemas, causa menos saciedade ao bebê. O leite materno ainda é o alimento mais recomendado para este período. A entrada de frutas in natura deve ser estimulada somente após os sexto mês de vida.

A ingestão dos sucos deve ocorrer de maneira gradual e limitada, e não deve ultrapassar os 120 ml diários para crianças de 1 a 3 anos de idade, 175 ml para crianças de 4 a 6 anos e a 250 ml para a faixa de 7 aos 18 anos, sempre dentro da ingestão diária recomendada de 2 a 2 ½ porções de frutas por dia.


Fonte :Drauzio Varela

SORRISO INVOLUNTÁRIO: POR QUE TEMOS VONTADE DE DAR RISADA EM MOMENTOS IMPRÓPRIOS?

Quem nunca passou por uma situação inusitada em que era proibido dar risada, mas involuntariamente, ficou com mais vontade de soltar aquele sorriso? Pois bem, tenho certeza que se identificou. Você sabe por que o sorriso involuntário acontece?

Hoje mostraremos porque temos vontade de rir em momento impróprios e também vamos compartilhar dicas de como reagir em situações deste tipo.

Por que o sorriso involuntário acontece?

Primeiro, é interessante entendermos por que nosso corpo age dessa forma. Somos seres sociais, o riso uni as pessoas, seja qual for a situação.

Usamos o sorriso como uma forma de criar laços afetivos. É natural associarmos pessoas que vivem sorrindo, como alguém feliz e sociável.

Por isso, mesmo em momentos impróprios, aparecem as famosas risadas involuntárias.

Sorrir quando se está triste

Fazemos isso para amenizar uma situação e demonstrar aos outros que estamos bem. O riso libera endorfina, ou seja, faz com que a gente fique mais relaxado e diminui dores físicas e psicológicas.

Não é incomum ver pessoas contando piadas em velórios ou acidentes. Nesses casos, usamos o sorriso como uma forma de defesa natural, ele serve como uma descarga de emoções.

Posso sorrir em foto oficial?

Uma dúvida bem comum que existe na cabeça de muita gente, é se podemos sorrir em fotos oficiais, ou seja, em fotografias de RG, CNH, Carteira de estudante, entre outros. Com o passar dos anos, se criou diversos mitos sobre o assunto, mas não existe nenhuma lei que impeça alguém de sorrir em situações deste tipo. Portanto, solte o sorriso e aproveite a ocasião.

Vale destacar que em contrapartida, expressões irônicas, de menosprezo ou raivas são proibidas na hora do flash, porque dificultam o reconhecimento da pessoa.

Seu sorriso está em dia?

Agora, você já sabe que na hora da foto em documentos oficiais não há nada que te proíba de mostrar os dentes. Mas você está feliz com o seu sorriso? Tem algo nele que gostaria de melhorar?

Sabia que existe uma maneira de conquistar um sorriso ainda mais bonito, sem influenciar em sua aparência ou estilo de vida?

Os alinhadores transparentes Invisalign existem para te acompanhar em todos as ocasiões. Esse tratamento ortodôntico consiste em melhorar seu alinhamento dentário de uma forma em que sua rotina não precise mudar.

Com os alinhadores Invisalign, você vai sorrir mais. Os bons momentos serão registrados sem que se preocupe com a estética.

Na hora da foto, apenas o seu sorriso será notado. Agora você tem mais um motivo para dar risada. Agende uma consulta e tire suas dúvidas.( 11 )3726-8905

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO AO RECÉM-NASCIDO

Ao nascimento, todas as partes do corpo do recém-nascido precisam ser examinadas pela equipe neonatal da maternidade, inclusive a boca, que é fundamental ao lactente para sugar, deglutir e realizar o aleitamento materno.

Os movimentos realizados pelo lactente durante o aleitamento
materno fazem com que todas as estruturas orais, como lábios, língua, bochechas, articulações temporo-mandibulares, ossos e músculos, se desenvolvam e se fortaleçam harmonicamente, permitindo uma ação sincronizada das funções vitais de sugar, deglutir e respirar pelo nariz, que irão influenciar o futuro encaixe dos dentes de leite.

Então, logo que possível, deve ser realizado um exame mais detalhado por um especialista nesta área, odontopediatra, a fim de promover a saúde oral e favorecer a qualidade de vida do lactente.
A cavidade oral do recém-nascido tem algumas características próprias.
Algumas alterações podem ser consideradas normais da fase, e se
modificam ou desaparecem ao longo do tempo. Entretanto, algumas destas alterações podem precisar de intervenção odontológica, como: cistos,tumores, lesões em tecidos moles causados por bactérias, fungos e vírus.
Os freios da boca também precisam ser avaliados. Existem os freios dos lábios (superior e inferior) e o freio da língua. O freio da língua, quando é encurtado (anquiloglossia), pode interferir nos seus movimentos e dificultar as funções de sugar e engolir, atrapalhando o lactente a realizar o adequado aleitamento materno e futuramente de mastigar e falar. Por isso, em algumas vezes poderá haver a necessidade da intervenção cirúrgica neste freio. Caso haja a presença de dentes na boca no recém-nascido, deve ser realizada uma radiografia odontológica para a decisão se este dente pode ser mantido na boca ou se deve ser removido. Caso o dente seja removido, assim que possível, o odontopediatra deve atuar para
retomar a estética e função do dente extraído.
No exame odontológico no recém-nascido são iniciadas ações educativas e preventivas de promoção da saúde oral, além do monitoramento dos arcos dentários e do crescimento e desenvolvimento orofacial, favorecendo a saúde, função e a estética do sorriso. Alguns bebês podem necessitar da ação conjunta do odontopediatra com profissionais de outras áreas –
pediatra, otorrinolaringologista, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e nutricionista– para uma correta avaliação, intervenção e sucesso das ações preventivas.
Dicas odontológicas para os pais do recém-nascido:
1. Aleitamento materno exclusivo: o leite materno é o alimento ideal
para a nutrição e conforto emocional do bebê. Este momento deve ser tranquilo e aconchegante para mãe e bebê, devendo o bebê ficar o mais sentado possível. Durante a amamentação no peito o bebê realiza um exercício físico oral que estimula toda a musculatura da boca. Assim, é muito importante que o bebê realize o esforço da sucção. Além disso, para poder se alimentar adequadamente, é preciso que haja um vedamento labial na aréola mamária, que promove a pressão necessária para a saída do leite e obriga o bebê a respirar pelo nariz. Este movimento de pressão e ordenha promove o exercício da respiração nasal, posicionamento correto da língua e estímulo de crescimento para a correta posição das arcadas dentárias.
2. Evitar o uso de chupetas e mamadeiras: o melhor é o aleitamento
materno, caso não seja possível, peça orientação ao médico pediatra e ao odontopediatra.
3. Higiene da boca sem dentes: não há necessidade de limpar a boca do recém-nascido, porque o próprio leite materno protegerá toda a cavidade oral.
4. Cuidados para evitar quedas e traumas envolvendo a boca: medidas preventivas simples, como ensinar familiares e cuidadores a
segurarem o bebê de maneira firme e delicada; não permitir que crianças segurem o bebê sem a ajuda de um adulto; certificar-se da qualidade e segurança de berços, trocadores e banheiras; evitar tapetes ou utilizar antiderrapantes podem fazer toda a diferença.
5. Consultas preventivas regulares ao odontopediatra: converse com o odontopediatra sobre qual o momento ideal para a próxima consulta do seu bebê. Visitar o odontopediatria regularmente, da fase de lactação à adolescência é fundamental para manter a saúde oral.
Dra. Dóris Rocha Ruiz
Membro do Grupo de Saúde Oral da Sociedade de Pediatria de São Paulo
Fonte: Pediatra orienta – Sociedade de Pediatria de São Paulo

Quanto de açúcar uma criança pode comer por dia ?

A recomendação da Organização Mundial de Saúde é de que o consumo diário de açúcar deve corresponder a no máximo 10% das calorias ingeridas em uma dieta saudável.
Por exemplo, a Associação Americana do Coração recomenda que uma criança do sexo feminino, sedentária, com idade entre 4 e 8 anos precisa consumir 1.200 calorias diariamente. Logo, segundo a OMS, no máximo 120 dessas calorias deveriam ser consumidas sob a forma de açúcar extrínseco. O que isso significa? Uma caixinha de Nescau tem 200ml e 193 calorias; 2 bolachas recheadas de chocolate contém 140 calorias; 1 lata de coca-cola corresponde a 137 calorias. Dá para perceber que, com facilidade, se ultrapassa o limite diário de açúcar nessa idade, não é?
http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=4783%3Aoms-recomenda-que-os-paises-reduzam-o-consumo-de-acucar-entre-adultos-e-criancas&Itemid=821


http://www.heart.org/HEARTORG/GettingHealthy/Dietary-Recommendations-for-Healthy-Children_UCM_303886_Article.jsp

 Crescer sorrindo

 

Os 1.000 dias entre a gravidez de uma mulher e o 2º aniversário de sua criança oferecem uma janela de oportunidade única para construir futuros mais saudáveis ​​e mais prósperos.

A nutrição certa durante esta janela de 1.000 dias tem um impacto profundo na capacidade de uma criança crescer, aprender e prosperar – e um efeito duradouro na saúde e prosperidade de um país.

A nutrição durante a gravidez e nos primeiros anos da vida de uma criança fornece a construção essencial para o desenvolvimento do cérebro, crescimento saudável e um sistema imunológico forte. De fato, um crescente corpo de evidências científicas mostra que os fundamentos da saúde vital de uma pessoa – incluindo sua predisposição à obesidade e certas doenças crônicas – são largamente estabelecidos durante essa janela de 1.000 dias.

É por isso que é fundamental que mulheres e crianças tenham a nutrição certa durante esse período. A desnutrição no início da vida pode causar danos irreversíveis ao desenvolvimento do cérebro das crianças e ao seu crescimento físico, levando a uma diminuição da capacidade de aprender, a um desempenho mais pobre na escola, a uma maior susceptibilidade a infecções e doenças e a uma vida de potencial de perda de ganho. Pode até colocá-los em risco aumentado de desenvolver doenças como doenças cardíacas, diabetes e certos tipos de câncer mais tarde na vida.

Se possível alimente seu bebê exclusivamente com  leite materno durante os seus primeiros seis meses .

A amamentação exclusiva proporciona aos bebês a nutrição perfeita e tudo o que eles precisam para um crescimento saudável e desenvolvimento cerebral

A amamentação exclusiva protege as crianças contra infecções respiratórias, doenças diarreicas e outras doenças que ameaçam a vida

A amamentação exclusiva protege contra a obesidade e doenças  como diabetes

 Para saber mais visite http://www.thousanddays.org/

 

A maneira previsível e confortável de ter um sorriso bonito

Você está pensando em endireitar os dentes, mas tem receio do desconforto? Com as inovadoras tecnologias SmartForce e SmartTrack, o Sistema Invisalign endireita seus dentes de forma previsível e mais confortável.

O que é Invisalign ?

Invisalign é uma maneira invisível de alinhar os dentes sem aparelho de metal. Invisalign usa uma série de alinhadores transparentes e removíveis para gradualmente alinhar seus dentes, sem metal ou fio.

Quais são as principais vantagens do Invisalign ?

Invisalign é transparente. Você endireita seus dentes sem ninguém perceber. Invisalign é removível. Diferentemente de aparelhos fixos, você pode comer e beber o que quiser durante o tratamento.
Invisalign é confortável. Não existem fios ou metais que possam causar irritação em sua boca, e sem fios os metais significa você gastar menos tempo na cadeira do seu ortodontista para ajustes. Invisalign permite que você visualize seu próprio plano de tratamento antes de iniciar seu caso. Você poderá visualizar como seus dentes ficarão alinhados quando seu tratamento estiver completo.

Quer saber mais? Agende uma consulta conosco e tire suas dúvidas.

Tel :11 3726-8905

Febre amarela: acabe com a dúvida sobre a vacina padrão e a fracionada

Imagem relacionada

O crescimento de casos de febre amarela no país têm deixado os pais em alerta e, caso você esteja em área de risco, é preciso estar bem orientado com relação à vacinação. Principalmente aos riscos de efeitos adversos, aos critérios para a vacina e aos cuidados caso a dose seja fracionada.

Pensando nisso e na responsabilidade dos pais e dos especialistas, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) preparou um documento detalhado por meio dos Departamentos Científicos de Infectologia e de Imunizações, onde você pode se orientar.

Dose fracionada

Antes de tudo, é importante lembrar que ainda existem lacunas importantes em relação ao uso de doses fracionadas da vacina de febre amarela como a duração de proteção oferecida; torna imune apenas populações específicas e tem efeitos colaterais.

Recomendado por:

São essas populações específicas que podem tomar a vacina. Crianças a partir de 2 anos de idade podem tomar desde que não apresentem condições clínicas especiais. Para as menores, é indicada a dose padrão. O mesmo vale para o caso de crianças que forem fazer uma viagem internacional para um país que exija o Certificado Internacional de Vacinação.

A campanha de vacinação com a dose fracionada vai acontecer entre o fim de janeiro e o início de março em determinados municípios dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia.  Para aumentar ainda mais a segurança de pacientes e familiares, a Sociedade Brasileira de Pediatra destaca alguns pontos que devem ser observados na hora de receber a dose no posto de saúde.

Interferência: é importante prestar atenção nas diferentes vacinas que você e seu filho tomam ao mesmo tempo ou em um curto período. De acordo com os pediatras, para evitar interferência na proteção das vacinas, a para febre amarela não deve ser administrada simultaneamente com a tríplice viral (contra sarampo, rubéola e caxumba) ou tetra viral (contra sarampo, rubéola, caxumba e varicela) em crianças menores de 2 anos de idade. A orientação é que tenha pelo menos um intervalo de 30 dias depois. As demais vacinas do calendário podem ser administradas no mesmo dia que a vacina febre amarela.

Medicações: Alguns grupos não devem ser imunizados contra a febre amarela como, por exemplo, as crianças com menos de seis meses de idade; e o das pessoas que fazem uso de medicações anti-metabólicas ou medicamentos modificadores do curso da doença (Infliximabe, Etanercepte, Golimumabe, Certolizumabe, Abatacept, Belimumabe, Ustequinumabe, Natalizumabe, Canaquinumabe, Tocilizumabe, Ritoximabe e outros terminados com MOMAB, XIMAB, ZUMAB ou UMAB). A regra também se aplica para os transplantados de órgãos sólidos e pessoas com doença oncológica em quimioterapia e ou radioterapia.

No caso das mães moradoras de área com transmissão ativa da febre amarela e que estiverem amamentando criança menor de 6 meses de idade, pode ser administrada uma dose fracionada. No entanto, a amamentação deve ser suspensa por 10 dias após a vacinação. Mulheres que moram em áreas sem transmissão ativa não precisam tomar a vacina.

Reações: crianças, adolescentes e adultos com história de reação alérgica grave ao ovo e a gelatina, podem receber a vacina após avaliação médica e em ambiente com condições de atendimento de urgência/emergência. Mulheres em idade fértil vacinadas devem evitar a gravidez até 30 dias após a vacinação.

Mas não precisa de pânico! Segundo a SBP, a vacina de febre amarela é, de maneira geral, bem tolerada. Segundo os especialistas, a partir do terceiro ou quarto dia da vacinação, 2% a 5% dos vacinados têm sinais como febre, dor de cabeça, dores musculares, entre outros sintomas.

Fonte: Revista Pais e Filhos

Nota esclarecimento: entrevista de Bela Gil realizada em seu canal no YouTube

Nota esclarecimento: entrevista de Bela Gil realizada em seu canal no YouTube

bella_gilRecentemente, a apresentadora Bela Gil realizou uma entrevista em seu canal no YouTube com um profissional da área de saúde sobre o tema “Higiene bucal nas Crianças”. Lamentamos que o profissional entrevistado tenha usado sua autoridade médica para emitir opiniões pessoais sobre o assunto sem base no melhor conhecimento científico atualmente disponível.
Assim, julgamos pertinente esclarecer que:

1- A cárie dentária é um importante problema de saúde pública, atingindo cerca de 3 bilhões de pessoas no planeta. No Brasil, mais da metade das crianças com 5 anos de idade possui cárie, sendo que 80% das lesões permanecem sem tratamento. A cárie não tratada interfere negativamente com a qualidade de vida das crianças e das suas famílias causando prejuízos à alimentação, ao sono, à fala e às interações sociais, entre outros problemas.

2- Água fluoretada é uma medida de saúde pública recomendada pela Organização Mundial da Saúde que é utilizada não só no Brasil, mas em muitos países, como Austrália, Estados Unidos, Irlanda, Nova Zelândia, entre outros, tendo em vista sua eficácia contra a cárie dentária, sem nenhum risco para a saúde geral da população, e a sua ótima relação custo-benefício.

3- Dentifrício fluoretado tem sido recomendado por órgãos governamentais, associações profissionais e diversas instituições de saúde em todo o mundo porque seu uso para prevenir e controlar a cárie dentária, tanto na dentição decídua como na dentição permanente , está fortemente baseado em evidência de estudos clínicos controlados. Em acréscimo, o uso de dentifrício fluoretado não impõe risco à saúde geral.

4- Fluorose dentária é o único efeito sistêmico decorrente do uso de água de abastecimento público e/ou dentifrício fluoretado  porém, quando ocorre, não implica em comprometimento da qualidade de vida das pessoas afetadas .+ Vale destacar também que, sendo uma alteração de ordem sistêmica, a fluorose afeta todos os dentes que estão se formando durante o período em que ocorreu a ingestão e a absorção do flúor. Logo, é um equívoco atribuir uma mancha isolada em um dente ao consumo de água fluoretada conforme foi mencionado pela entrevistadora no programa.

Considerando que a cárie dentária é um problema de saúde evitável que ainda compromete negativamente a vida de milhões de crianças no Brasil, especialmente aquelas socialmente mais vulneráveis, cremos ser imprescindível utilizar responsavelmente os meios de comunicação, inclusive as redes sociais, para disseminar informação embasada em evidências científicas sobre as medidas efetivas, atualmente disponíveis, de controle da doença.

A Associação Brasileira de Odontopediatria se coloca à disposição da sociedade para, sempre que necessário, prestar esclarecimentos sobre esse e outros temas relacionados à saúde bucal de crianças e adolescentes.

  1. Kassebaum NJ, Bernabe E, Dahiya M, Bhandari B, Murray CJ, Marcenes W. Global burden of untreated caries: A systematic review and metaregression. J Dent Res 2015.
  2. BRASIL Ministério da Saúde. Coordenação Geral de Saúde Bucal. SB Brasil 2010. Pesquisa Nacional de Saúde Bucal – Principais Resultados. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
  3. Feldens CA, Ardenghi TM, Dos Santos Dullius AI, Vargas-Ferreira F, Hernandez PAG, Kramer PF. Clarifying the impact of untreated and treated dental caries on oral health-related quality of life among adolescents. Caries Res 2016;50: 414-21.
  4. Kramer PF, Feldens CA, Ferreira SH, Bervian J, Rodrigues PH, Peres MA. Exploring the impact of oral diseases and disorders on quality of life of preschool children. Community Dent Oral Epidemiol 2013;41: 327-35.
  5. Moore D, Poynton M, Broadbent JM, Thomson WM. The costs and benefits of water fluoridation in NZ. BMC Oral Health 2017;17: 134.
  6. Rugg-Gunn AJ, Spencer AJ, Whelton HP, Jones C, Beal JF, Castle P, et al. Critique of the review of ‘water fluoridation for the prevention of dental caries’ published by the Cochrane Collaboration in 2015. Br Dent J 2016;220: 335-40.
  7. Iheozor-Ejiofor Z, Worthington HV, Walsh T, O’Malley L, Clarkson JE, Macey R, et al. Water fluoridation for the prevention of dental caries. Cochrane Database Syst Rev 2015;6: CD010856.
  8. Rugg-Gunn AJ, Do L. Effectiveness of water fluoridation in caries prevention. Community Dent Oral Epidemiol 2012;40 Suppl 2: 55-64.
  9. Wright JT, Hanson N, Ristic H, Whall CW, Estrich CG, Zentz RR. Fluoride toothpaste efficacy and safety in children younger than 6 years: A systematic review. J Am Dent Assoc 2014;145: 182-9.
  10. Santos APP, Oliveira BH, Nadanovsky P. Effects of low and standard fluoride toothpastes on caries and fluorosis: Systematic review and meta-analysis. Caries Res 2013;47: 382-90.
  11. dos Santos AP, Nadanovsky P, de Oliveira BH. A systematic review and meta-analysis of the effects of fluoride toothpastes on the prevention of dental caries in the primary dentition of preschool children. Community Dent Oral Epidemiol 2013;41: 1-12.
  12. Walsh T, Worthington HV, Glenny AM, Appelbe P, Marinho VC, Shi X. Fluoride toothpastes of different concentrations for preventing dental caries in children and adolescents. Cochrane Database Syst Rev 2010: CD007868.
  13. Marinho VC, Higgins JP, Sheiham A, Logan S. Fluoride toothpastes for preventing dental caries in children and adolescents. Cochrane Database Syst Rev 2003: CD002278.
  14. Onoriobe U, Rozier RG, Cantrell J, King RS. Effects of enamel fluorosis and dental caries on quality of life. J Dent Res 2014;93: 972-9.
  15. Moimaz SA, Saliba O, Marques LB, Garbin CA, Saliba NA. Dental fluorosis and its influence on children’s life. Braz Oral Res 2015;29.

Os dentes do bebê e da criança: tudo o que você precisa saber Entenda mais sobre o assunto e prepare-se para o que está por vir

Todo mundo deseja ver o filho feliz e sorrindo. Mas não basta ser bonito – o sorriso também deve ser saudável.

Cuidar da dentição da criança desde o início da vida é fundamental para que ela cresça com dentes fortes. CRESCER entrevistou dois especialistas em saúde bucal infantil: o odontopediatra Gabriel Politano, do Ateliê Oral Kids (SP) e Karla Mayra Rezende, diretora da Associação Brasileira de Odontopediatria (ABO). A seguir, te contamos tudo sobre o assunto.

Os primeiros dentes do bebê

Não existe idade certa, mas eles começam a surgir entre os 6 e 14 meses de vida. Os primeiros costumam ser os frontais de baixo. Em situações muito raras, o primeiro dente aparece ainda no primeiro mês de vida ou até já está na boca do bebê ao nascer. É o chamado dente neonatal. Caso aconteça com seu filho, é importante consultar um odontopediatra para avaliar se está tudo bem, se ele tem raiz e se não existe nenhum tipo de alteração.

Higiene bucal antes dos dentes

Enquanto o bebê não tem nenhum dente, as bactérias que causam a cárie são engolidas, sem danos à saúde bucal. Porém, quando nasce o primeiro dente, elas encontram uma superfície para se apoiar e, assim, a cárie pode surgir. Para evitar que isso aconteça, é importantíssimo fazer a higiene bucal adequada. Use uma escova pequena, macia e adequada para a idade (a embalagem traz a indicação etária). A pasta deve ter flúor, mas o ideal é colocar uma quantidade bem pequena: uma porção do tamanho de um grão de arroz cru é suficiente para os bebês. Para crianças maiores, que já sabem cuspir, use um pouco mais, como um grão de ervilha. Troque a escova a cada três meses mais ou menos.  Recomenda-se que os pais façam de duas a três escovações diárias nos filhos, sempre após as principais refeições (café da manhã, almoço e jantar). Caso consuma algo muito rico em açúcar entre as refeições (o que deve ser evitado), também é bom escovar depois. Para estimular a boa higiene bucal, dê o exemplo escovando seus dentes na frente da criança e explique sempre a importância da limpeza para evitar o surgimento de cáries. Utilizar livros infantis que abordam o assunto de forma lúdica pode ajudar. Deixar a criança escolher na compra da escova costuma funcionar também.

Dentição completa 

Na grande maioria dos casos, entre 2 anos e meio e 3 anos, todos os dentes de leite da criança já terão nascido. São dez superiores e mais dez inferiores.

Troca de dentes

É por volta dos 5 ou 6 anos de vida que tem início a troca dos de leite pelos permanentes.  Os primeiros são os de baixo, da frente. Os dentes costumam amolecer até que caiam sozinhos ou fiquem “por um fio”, bastando uma leve puxadinha para soltar. Porém, em alguns casos raros, quando ele fica mole por muito tempo e não quer saber de cair, pode ser necessária a ajuda de um odontopediatra. A troca completa dura até os 12 anos da criança.

Dentes permanentes

Com cerca de 12 anos, quando terminam todas as trocas, a criança deve ter 28 dentes. Aí, falta aparecer apenas os cisos – que, em alguns casos, não nascem ou não existem. Caso venham a surgir, é só por volta dos 18 anos.

Uso de fio dental

O uso ou não do fio dental depende da proximidade entre os dentes: quando são bem grudadinhos, é melhor utilizar (um vez por dia é suficiente). Caso sejam afastados, não precisa passar.

A importância da alimentação

Você sabia que a saúde bucal não depende apenas dos bons hábitos de higiene? Para dentes bonitos, é fundamental cuidar da alimentação de seu filho. Tudo começa com uma dieta balanceada, rica em verduras, frutas e legumes. O consumo de itens ricos em açúcar, como balas, chocolates e refrigerantes, deve ser evitado ao máximo. Quando a criança ingere muitos doces e não faz a escovação correta, aumenta a chance de surgirem cáries.

Consultas com o dentista

O odontopediatra deve ser consultado quando nasce o primeiro dentinho do bebê. Na ocasião, o profissional irá orientar a família sobre escovação. Não há regra para o retorno das consultas – isso dependerá da saúde bucal de cada paciente. Por exemplo, para uma criança com boa escovação e sem cáries, uma visita anual ao dentista é suficiente. Se ela tiver cáries, precisará voltar com mais frequência, de acordo com cada caso.

FONTES CONSULTADAS: Gabriel Politano, odontopediatra do Ateliê Oral Kids (SP) e Karla Mayra Rezende, diretora da Associação Brasileira de Odontopediatria (ABO).

Odontologia Especializada

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas