Cigarro causa gengivite ?

Cigarro causa gengivite ?

A nicotina presente no cigarro diminui a função de algumas células de defesa do corpo, favorecendo o crescimento de bactérias, explica o dentista Fábio Munhoz. “Além disso, dificulta o transporte de oxigênio, prejudicando a reparação dos tecidos gengivais.” Para o também dentista Hugo Roberto Lewgoy, fumo, tabaco, cigarro, cachimbo e charuto podem ser considerados verdadeiros venenos para a boca. “O hábito de fumar predispõe o organismo a um número enorme de substâncias nocivas. E, mesmo quando o hábito é interrompido, os efeitos para os tecidos orais permanecem por um longo período. Com a queima do fumo e seus derivados, são liberadas cerca de cinco mil substâncias químicas, entre elas acetona, amônia, arsênio, benzopireno, fósforo, formol, metais pesados, monóxido de carbono, naftalina, nicotina, níquel, nitrosaminas e solventes que causam resultados negativos e cancerígenos comprovados. Entre outros malefícios, tais substâncias prejudicam muito as gengivas, pois as tornam mais susceptíveis aos processos infecto-inflamatórios. Prejuízos ainda maiores ocorrem quando existe uma combinação do fumo com higiene oral deficiente. Nestes casos, as consequências são ainda mais graves, com aparecimento de doenças periodontais de diferentes níveis, como as que atingem as gengivas e as estruturas de suporte dos dentes, como osso e ligamento periodontal.
Tratamentos odontológicos também podem ser comprometidos se a pessoa fuma.Nos fumantes que receberam implantes odontológicos e enxertos ósseos, existe uma maior chance de insucesso dos tratamentos justamente pela maior possibilidade de infecções secundárias e diminuição da resposta imunológica do organismo, o que acaba comprometendo a capacidade de osseointegração. “Muitos estudos têm demonstrado que o fumo pode ser um dos mais importantes fatores de risco de desenvolvimento, progressão e manutenção de gengivites e periodontites. Em decorrência destas doenças orais, os dentes apresentam exposição radicular (devido à perda óssea resultante da infecção periodontal), mobilidade, sangramento, resposta cicatricial e regenerativa lenta (no caso de necessidade de cirurgias orais), aparecimento de feridas na boca, presença de secreção purulenta (pela maior susceptibilidade às infecções) e dor. Algo também muito comum no fumante é a existência de halitose e xerostomia (boca seca) pela diminuição ou inibição da secreção salivar. A diminuição do paladar e olfato são outros fantasmas”, enfatiza o cirurgião-dentista Hugo Lewgoy
Via uol saúde