‘Lente de contato’ para dente corrige imperfeições e evita desgaste

'Lente de contato' para dente corrige imperfeições e evita desgaste

Técnica da moda pode encobrir manchas leves, lascas e fraturas.
Porcelana superfina também aumenta o tamanho de dentes separados.

lentes-de-contato-dentais-3

Lentes de contato para dentes têm até 0,4 mm e
podem corrigir irregularidades (Foto: Divulgação)
Dentistas têm usado “lentes de contato” superfinas feitas de porcelana para corrigir imperfeições, manchas leves, lascas e fraturas de pacientes. A principal vantagem desse método que pode durar até 20 anos, é evitar o desgaste do esmalte natural da pessoa, ao contrário do que fazem as facetas comuns.
Segundo o especialista Mauro Piragibe Junior, consultor científico da Associação Brasileira de Odontologia, a técnica existe há alguns anos, mas agora virou moda.
A lente tem entre 0,2 mm e 0,4 mm de espessura, enquanto as facetas normais têm pelo menos 1 mm. Pode se beneficiar também quem quiser aumentar o tamanho dos dentes, se forem separados – o espaço entre eles é chamado de diastema.

“Se o dente for torto, dá para corrigir o posicionamento e alinhá-lo com o do lado. E é possível usar a lente em um dente só ou vários, mas em geral isso é feito aos pares, normalmente dos dentes da frente (incisivos) até no máximo o primeiro pré-molar”, explica Piragibe Junior. Assim, de dois em dois, fica mais fácil obter um bom resultado de cor e aparência, sem diferenças entre um dente homólogo e outro.
Cada lente é colocada após a confecção de um molde e a aprovação do paciente. O material é aplicado em uma única sessão: o profissional primeiro passa um ácido no dente, para torná-lo poroso, depois põe um cimento adesivo e um produto químico chamado silano, composto de silício e hidrogênio, que cola esse cimento na porcelana.

Técnica é geralmente feita aos pares, para ter
melhor resultado de cor e visual
O especialista Milton Junior, que trabalha com lentes de contato há quatro anos, destaca que, em uma raspagem convencional, ainda existe o risco de atingir a dentina, segunda camada do dente, onde há terminações nervosas que podem causar dor ou sensibilidade. Por essa razão, no método convencional, o paciente precisa ser anestesiado – o que não ocorre com a lente.
De acordo com os dentistas, esse método é contraindicado para quem range os dentes, tem o hábito de roer as unhas ou morder objetos como pontas de caneta. Nesses casos, as facetas mais grossas são melhores.
A manutenção da lente de contato é feita no próprio consultório, nas consultas de rotina. De acordo com Piragibe Junior, o ideal é voltar ao especialista a cada seis meses no começo, e depois aumentar esse intervalo para um ano.
“Além disso, não é necessário evitar o consumo de determinados alimentos ou bebidas. A porcelana tem propriedades muito parecidas com as do esmalte do dente, e pode ser até mais resistente que ele”, diz o especialista.

Leia também:

Você sabe o que é lente de contato dental?Venha conhecer


Bem Estar

Como manter uma boa higiene bucal

Como manter uma boa higiene bucal

Manter uma boa higiene bucal ajuda a prevenir o mau hálito e outros problemas causados pela proliferação de bactérias na cavidade oral, como o tártaro, cáries e gengivite.

Cuidar da higiene bucal previne o mau hálito, cáries, gengivite e a formação de tártaro
Cuidar da higiene bucal previne o mau hálito, cáries, gengivite e a formação de tártaro

Manter uma boa higiene bucal é extremamente importante em todas as idades. Os cuidados com a boca, gengiva e, em especial, com os dentes previnem o mau hálito e alguns outros problemas bucais, como a cárie, tártaro e gengivite, que em geral são causados pela proliferação descontrolada de bactérias na cavidade oral.

A alimentação aliada a outros fatores propicia a instalação e multiplicação de bactérias na boca. Por isso, devemos ter muita atenção com a nossa higiene bucal, limpando a boca, gengiva, língua e dentes adequadamente.

Quando pensamos em higiene bucal, normalmente, nos vem à mente escovar os dentes apenas, mas cuidar da nossa saúde bucal vai além disso. O consumo de qualquer tipo de alimento contribui para a proliferação de bactérias dentro da boca, então os resíduos alimentares precisam sempre ser retirados após as refeições. Isso deve ser feito em todas as fases da vida, inclusive ainda quando bebê, mesmo que a criança não tenha dentes.

A ideia de que a limpeza bucal deve ser feita somente a partir do nascimento do primeiro dente é um grande erro cometido, infelizmente, por muitas mães. É recomendado passar na gengiva do bebê uma fralda ou gaze limpa e úmida após a mamada, de modo a retirar os resíduos do leite. Existe ainda a possibilidade de utilizar um instrumento muito comum para esse fim, a dedeira de silicone. Esse ato, além de combater a proliferação de bactérias na boca, prepara a gengiva para o nascimento do primeiro dente.

Outro erro bastante comum entre a população é o de achar que a primeira ida ao dentista deve ocorrer apenas quando a criança já tiver sua dentição formada. Isso é errado, pois toda fase da vida necessita de cuidados específicos na higienização bucal; dessa forma, é importante que a criança vá ao dentista o quanto antes. Assim, os pais aprenderão corretamente todas as ações necessárias para uma boa higiene bucal do filho. Além do mais, o dentista é o profissional responsável por analisar a saúde bucal do paciente e prever situações de risco, como a cárie, tártaro e gengivite, além de mostrar como esses males podem ser evitados e cuidados, caso ocorram.

A partir do nascimento dos dentes de leite, deve ser iniciada uma rotina diária de higienização bucal que envolve escovar os dentes e passar fio dental. O uso de antisséptico bucal (enxaguante bucal) pode complementar a limpeza oral, mas não é um item obrigatório e deve ser usado em casos específicos e com recomendação de um odontólogo, pois o seu uso indiscriminado pode aumentar os riscos de câncer de boca e de faringe, como foi constado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP).

A escovação dentária é uma das principais etapas da rotina de higienização bucal. Devemos escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia, mas o mais indicado é escovarmos sempre após qualquer refeição, para evitarmos o acúmulo de comida na boca, prevenindo, assim, a criação de um ambiente favorável à proliferação de bactérias. No caso dos pequenos, é recomendado o uso de uma escova de dente adaptada para crianças e com cerdas macias. Nessa faixa etária, é importante o acompanhamento dos pais durante a escovação para ensinar a criança a escovar os dentes corretamente, até que ela tenha autonomia de fazê-lo sozinha.

Os dentistas costumam recomendar que a escovação seja feita por pelo menos dois minutos, realizando movimentos circulares e por todas as partes dos dentes. É importante também escovar os dentes com um creme dental que contenha sais de flúor – fluoreto, porém na quantidade adequada para cada idade. O uso de pastas com alta concentração de fluoreto por crianças menores de 7 anos de idade pode causar uma doença chamada fluorose dental.

Outro aspecto importante é o cuidado com a escova e a sua substituição. Após escovar os dentes, devemos agitá-la, de modo a deixá-la o mais seca possível e guardá-la em pé, o que contribui para que ela seque melhor. Devemos trocar nossas escovas a cada três meses, pois, ao longo do tempo, as cerdas começam a se deformar, tornando a escovação menos eficaz. Além disso, as escovas são meios muito favoráveis à proliferação de fungos, bactérias e outros micro-organismos, então seu uso por muito tempo favorece que esses seres se multipliquem.

Não devemos nos esquecer de que devemos escovar não só os dentes, mas também a língua. A superfície rugosa da língua propicia a instalação de bactérias e restos de comida em sua superfície, podendo influenciar o surgimento de problemas infecciosos e o desenvolvimento de mau hálito. Os dentistas recomendam que a língua seja limpa de uma a duas vezes por dia. Não é necessário o uso de creme dental, basta escová-la com a própria escova de dente ou com limpadores ou raspadores de língua.

O uso do fio dental é extremamente importante para completar a higienização dentária. A escovação dentária, sozinha, não é suficiente para a remoção da placa bacteriana ou dos resíduos alimentares onde as cerdas da escova não alcançam. O fio dental deve ser usado pelo menos uma vez por dia, de preferência antes da última escovação.

Por Flávia Figueiredo
Graduada em Biologia

A importância do Flúor

20130904-192927.jpg

O que é Flúor?O flúor é um mineral natural encontrado em toda a crosta terrestre e largamente distribuído pela natureza. Alguns alimentos contêm flúor, assim como a água fornecida por algumas empresas de serviço público. O flúor é geralmente adicionado à água potável para ajudar a reduzir a incidência de cáries nos dentes. Na década de 30, pesquisadores encontraram pessoas que cresceram bebendo água naturalmente fluoretadas. Desde então, os estudos têm mostrado repetidamente que quando o flúor é adicionado ao suprimento de água da comunidade, a incidência de cárie diminui. A Associação Brasileira de Odontologia, a Organização Mundial de Saúde e o Ministério da Saúde, dentre muitas outras organizações têm endossado o uso de flúor nos suprimentos de água, devido ao seu efeito preventivo contra a cárie. Como o flúor atua?O flúor ajuda a prevenir as cáries de duas maneiras distintas: – O flúor se concentra nos ossos em crescimento e nos dentes em desenvolvimento das crianças, ajudando a endurecer o esmalte dos dentes de leite e permanentes que ainda não nasceram.- O flúor ajuda a endurecer o esmalte dos dentes permanentes que já se formaram.- O flúor trabalha durante os processos de desmineralização e remineralização que ocorrem naturalmente em sua boca. Sua saliva contém ácidos que causam a desmineralização nos dentes. Estes ácidos são liberados após a alimentação. Em outros momentos – quando sua saliva está menos ácida – ocorre justamente o oposto, a reposição do cálcio e do fósforo que mantém seus dentes resistentes. Este processo é chamado de remineralização. Quando o flúor está presente durante a remineralização, os minerais depositados são mais duros do que seriam sem o flúor, ajudando a fortalecer seus dentes e a prevenir a dissolução durante a próxima fase de desmineralização. Como saber se estou recebendo quantidade suficiente de flúor?Se a água que você bebe contiver flúor, então somente a escovação regular utilizando um creme dental com flúor será suficiente para adultos e crianças com dentes saudáveis, com um baixo risco de cáries. Se a água de sua comunidade não for fluoretada, nem contiver uma quantidade suficiente de flúor natural (uma parte em um milhão é considerada ideal), então seu dentista ou pediatra deve receitar suplementos de flúor para suas crianças tomarem diariamente. Seu dentista ou pediatra poderá dizer a quantidade correta de flúor para sua família, por isso não deixe de pedir sua orientação. Se a água que você consome vier de uma rede pública de abastecimento, você poderá saber se ela contém flúor ligando para a empresa de água local. Se a sua água vier de um poço particular, você poderá analisá-la em um laboratório de teste ambiental independente e que ofereça este tipo de serviço.
Conteúdo oferecido por: © 2012 Colgate-Palmolive

Sapinho é problema comum em bebês ;Entenda

20130904-174637.jpg

Uma mancha branca aparece no céu da boca dos bebês e as mães esfregam, esfregam, mas ela não sai. O que parece ser um resquício de leite é confundido por muitos pais e responsáveis, que não imaginam se tratar de uma infecção, causada pelo fungo Candida albicans, popularmente chamada de “sapinho”.

Este tipo de infecção ocorre geralmente na cavidade oral, perineal (região das fraldas) e dobras da pele, que caracteristicamente são regiões quentes, escuras e úmidas. “Em bebês abaixo de um ano, o sapinho pode ocorrer por uma imaturidade do sistema imunológico do bebê. Em outras situações pode ser desencadeado por alguns fatores como infecções, uso de antibióticos ou corticoides”, explica a infectopediatra da Sociedade Brasileira de Pediatria, Cristina Rodrigues da Cruz.

Segundo ela, os pais devem alertar somente quando o sapinho ocorre com muita frequência, ou é de difícil tratamento. “Esse fungo faz parte da flora habitual do homem e os bebês adquirem pelo contato íntimo com seus familiares, especialmente a mãe”, salienta. Na maioria das vezes, o contágio se dá pelas mãos contaminadas das pessoas que manuseiam as crianças, ou ainda por objetos infectados com o fungo, como chupetas e mamadeiras.

Por isso, a especialista aponta que, para a prevenção é necessária a lavagem frequente das mãos, higienização e fervura adequada de mamadeiras e chupetas após cada uso, além da troca frequente de fraldas.

Outra situação que pode justificar o sapinho é o fato de que cada vez mais as crianças entram em escolas e creches precocemente, quando ainda têm um sistema imunológico imaturo, o que pode facilitar o desenvolvimento de infecções. “Além disso, nem sempre nessas situações, os cuidados com relação à limpeza das mãos, da cavidade oral do bebê e dos utensílios, como mamadeiras e chupetas, podem ser feitos da maneira ideal”, salienta Cristina.

Adicionalmente, os bebês têm o habito de levar objetos à boca, e muitas vezes esses objetos estão contaminados por bactérias ou fungos, o que pode contribuir para o desenvolvimento de infecções.

O tratamento é feito com medicamentos antifúngicos, como a nistatina ou o miconazol, em formulação adequada para o local da lesão (boca ou região de fraldas). Quanto às lesões das áreas de fralda, além do uso do antifúngico, deve-se trocar as fraldas com maior frequência para reduzir a umidade, proceder à limpeza da região com cuidado para não lesar mais a pele, evitando utilizar lenços umedecidos.

Alertas
Como os pais podem identificar o sapinho
– Se ocorre na cavidade oral, tem aparência semelhante a resto de leite que não sai, podendo ficar aderido na língua, gengiva, parte interna das bochechas e até nos lábios.
– Quando ocorre na região das fraldas, a pele fica avermelhada e com pequenas pápulas (“bolinhas”) de coloração vermelha.

Em geral o sapinho não traz desconforto para as crianças, mas se a lesão for muito extensa pode causar dor e recusa alimentar. As mães que amamentam devem observar se existem lesões nas mamas, que também precisarão ser tratadas.