Abrir garrafas com os dentes Esse é um hábito prejudicial, que pode levar à fratura dos dentes. O resultado pode ser uma simples restauração, mas também a necessidade de um implante, dependendo do nível do estrago causado no dente.

03habitos

Hábito é a disposição de agir constantemente de certo modo, adquirida pela frequente repetição de um ato. Assim, sem perceber, o palito já está nos dentes depois do almoço, a tampa da caneta foi mordida durante a tarde, e, na falta de abridor de garrafas, usam-se os dentes. Todos esses costumes corriqueiros são extremamente prejudiciais para a saúde bucal e devem ser evitados. Para quem não acredita, o cirurgião-dentista Rogério Pavan explica quais as consequências destas manias aparentemente inofensivas.

Palitar os dentes
Embora a etiqueta diga o contrário, acho interessante o uso do palito de dente para a remoção de resíduos alimentares após uma refeição. No entanto, o problema surge quando a maioria das pessoas utiliza o palito de forma errada. É comum as pessoas enfiarem o palito entre os dentes, fazendo um tipo de alavanca. Isso acaba comprimindo a papila gengival, o que predispõe a retração óssea e da gengiva, além da possibilidade de criar mobilidade nos dentes. O uso, quando feito, deve ser delicado. O palito deve ser passado suavemente sobre os tecidos, a fim de remover resíduos superficiais. Limpar entre os dentes é papel do fio dental e não do palito.

Morder tampa de caneta
Morder tampas de caneta, ou qualquer outro objeto, leva a erosão dos dentes. As pessoas têm o hábito de morder sempre na mesma região e, com isso, pode ocorrer um desgaste irregular dos dentes. Além disso, a utilização da boca fora do seu contexto normal pode gerar distúrbios articulares, resultando em dores na região do ouvido que, em médio prazo, podem trazer um desequilíbrio para coluna vertebral. Frequentemente atendo pessoas com dores nas costas causadas por desvios na articulação da boca.

Abrir garrafas com os dentes
Esse é um hábito prejudicial, que pode levar à fratura dos dentes. O resultado pode ser uma simples restauração, mas também a necessidade de um implante, dependendo do nível do estrago causado no dente.

Roer as unhas
Essa é a mesma situação que o morder da tampa da caneta. Neste caso, temos ainda mais um agravante. Embaixo das unhas há muito acumulo de resíduos e de bactérias. Além de estragar os dentes e as unhas, esse hábito pode trazer infecções para o organismo.

Tomar café e vinho
Substâncias corantes podem pigmentar a superfície do esmalte dos dentes, em especial se eles apresentarem alguma irregularidade, pois pequenas partículas podem ficar retidas e se transformar em manchas. Outra situação muito comum ocorre na borda de restaurações de resinas, onde microscopicamente temos um degrau que favorece o surgimento de manchas. É importante salientar que o café é pior, não por sua cor, mas por sua temperatura. O dente sempre reage ao quente e também ao frio, aumentando a camada de dentina que na sua essência é amarelada. Portanto, uma grande quantidade de café e chá, além de bebidas muitos quentes ou muito geladas, deixam os dentes mais amarelados.

Usar água oxigenada ou bicarbonato para clarear os dentes
Para clarear os dentes, a água oxigenada deve estar em uma concentração muito elevada. Nesta situação, ela passa a ser erosiva para os tecidos gengivais, o que pode gerar ulcerações ou mesmo retração gengival. O uso do bicarbonato pode tornar a superfície dos dentes ainda mais rugosa, aumentando a retenção da placa bacteriana. Inicialmente o dente irá clarear, mas com o passar do tempo terá muito mais facilidade de ficar manchado e escuro. Existem técnicas específicas que devem ser utilizadas apenas por um dentista. Mais uma vez digo: não vale o risco.

Morder balas duras
No caso das balas, o risco está na fratura. Não é pelo fato de os dentes serem muito resistentes que devemos abusar da sua força mordendo balas duras, gelo ou ossos de galinha, por exemplo. Em muitas situações, os dentes se quebram por ‘apertamento’ ou bruxismo. Morder coisas duras aumenta as chances de perder os dentes precocemente. Nossos dentes são ferramentas maravilhosas que não servem apenas para mastigar ou morder as coisas. O tempo estimado de mastigação fica em torno de duas horas por dia. No restante do tempo, os dentes são os pilares que mantém o espaço adequado para a língua, a fim de proporcionar uma melhor eficiência respiratória. Fraturas ou perdas dentárias podem gerar disfunções importantes. Além disso, existe uma relação muito íntima entre os dentes e a postura da coluna vertebral. Uma simples restauração inadequada ou um dente quebrado pode, em longo prazo, trazer desequilíbrios para todo o corpo.

Via Terra

Mobilidade dental

Mobilidade natural, “fisiológica”

Os dentes naturais apresentam uma pequena mobilidade, isto é, quando os dentes estão em função, eles sofrem uma movimentação dentro do seu alvéolo que é considerada normal (fisiológica). Essa mobilidade é conferida pelo ligamento periodontal que, a grosso modo, são fibras que unem o dente ao alvéolo (osso ao redor do dente).

Mobilidade causada por acidentes

Quando o dente sofre uma pancada (traumatismo), o ligamento periodontal, que é composto por fibras, é então estirado ou comprinúdo. A conseqüência disso é um aumento da mobilidade do dente. Quanto maior o trauma, maior será a mobilidade desse dente. Normalmente, a cura é espontânea e, em casos mais severos, é necessário fixar o dente traumatizado temporariamente.

Mobilidade causada por doença periodontal

A doença periodontal provoca a reabsorção do osso alveolar que circunda o dente e também a destruição do ligamento periodontal. Essa destruição, causada por bactéria, é gradual, lenta e indolor e, como conseqüência, provoca um aumento progressivo da mobilidade dental, que agora já não é mais considerada fisiológica. Há a necessidade de tratamento, que consiste inicialmente em fazer raspagem da placa bacteriana aderida à superfície radicular.
Mobilidade dental

Mobilidade relacionada à articulação dentária

Quando um dente estiver mal posicionado, pode interferir na mordida (relacionamento dos dentes superiores e inferiores). Como conseqüência, esse dente receberá uma carga excessiva, a qual poderá causar um aumento da mobilidade. Há necessidade de ajuste para distribuir forças mastigatórias entre todos os dentes.

Mobilidade relacionada com prótese e restauração

Os dentes não se encontram isolados na boca, eles fazem parte de uma engrenagem. Os dentes superiores se relacionam com os inferiores em várias posições e de uma forma dinâmica (oclusão). Quando se realiza uma prótese ou uma restauração, esta deverá respeitar a oclusão se não, poderemos ter o que se chama “contacto prematuro”. Esse contacto interferente poderá causar mobilidade dental, pois haverá um aumento de carga sobre esse dente restaurado. Para a correção, deverão ser realizados ajustes nesses trabalhos ou, ainda, a sua substituição.

Mobilidade causada por pulpites (Inflamação da polpa dentária)

Essa inflamação, que ocorre dentro do canal, pode provocar também uma inflamação das fibras periodontais que circundam a raiz do dente afetado. Em decorrência disso, temos uma maior mobilidade e esta pode ser acompanhada de um descolamento (extrusão) dando a sensação de dente “crescido”.

Após o tratamento endodôntico (canal), a inflamação desaparece e o dente volta a seu lugar e a ter a mobilidade natural (fisiológica).

Mobilidade causada por tratamento ortodôntico (correção de dentes mal posicionados)

Para a correção da má posição de um dente, é necessário aplicar uma determinada força nele, fazendo a movimentação do dente. Isso é feito através de aparelhos ortodônticos fixos ou móveis. Entretanto, esse tratamento provoca um aumento na mobilidade do dente, principalmente logo após a ativação (apertamento) do aparelho. Depois de 48 horas, a mobilidade excessiva volta a níveis normais.
Via APCD

Piercing bucal

Piercing bucal

1. O que é o piercing bucal?

Contemporaneamente, o piercing é um tipo de adorno que pode ser “colocado” na cavidade bucal, como em qualquer outra parte do corpo, usualmente, nas orelhas, nariz, região peri-umbilical (umbigo), genitálias masculina e feminina. Historicamente, foram usados por diversos povos, por motivos culturais, sociais ou religiosos. Atualmente são mais utilizados pelo público adolescente.

2. Como é realizada a colocação na cavidade bucal?

É necessária a perfuração dos tecidos para sua instalação, normalmente sem anestesia local. Infelizmente, a colocação dos piercings é uma prática realizada por “técnicos”, que são proibidos por lei de administrar anestesia local e, normalmente, desconhecem sobre anatomia, fisiologia e patologia da cavidade bucal.

3. Quais são os locais freqüentes de aplicação na cavidade bucal?

Podem ser aplicados na língua, lábios e bochechas, sendo raramente colocados nos freios labiais

4. Quais são as complicações e riscos decorrentes dessa prática?

Infelizmente, há várias complicações que podem ocorrer pela colocação do piercing na cavidade bucal, dentre elas a retração gengival , fratura e desgaste dos dentes (quando em contato com a gengiva e o dente), inflamação e infecção da mucosa, dor, formação de cálculos salivares (tártaros), mau hálito, excesso de salivação, dificuldade na deglutição (ato de engolir) e fonação (ato de falar), risco de hemorragia, formação de corrente galvânica quando em contato com outros metais das restaurações dentárias (espécie de “choque” produzido pela criação de corrente elétrica), alergia aos materiais utilizados aspiração da peça. Na literatura médica e odontológica, há relatos de colapso hipotensivo por hemorragia (crise de pressão baixa) e angina de Ludwig (inchaço provocado por infecção aguda na região da garganta, que pode conduzir ao óbito).

5. Quais são os cuidados necessários com o piercing na cavidade bucal?

É necessário fazer a remoção do piercing para a limpeza manual diária com detergente e álcool (após dois meses da colocação). Em casos de dor, inflamação ou infecção é recomendada a consulta ao cirurgião-dentista. Quando houver necessidade, por alterações durante a fonação, a visita ao profissional fonoaudiólogo pode auxiliar.

6. Caso o paciente não aceite a remoção do piercing…

Em vista de muitas possíveis complicações e riscos causados pela utilização do piercing, o cirurgião-dentista desempenha um papel preventivo, conduzindo à remoção do adorno. Caso o paciente relute na remoção, ele deve ser orientado com relação aos cuidados necessários com a manutenção, como foi esclarecido na questão anterior.

Fonte APCD

Estudo revela a fórmula do sorriso perfeito-Tamanho dos lábios e dos dentes influencia no sorriso perfeito

Estudo revela a fórmula do sorriso perfeito-Tamanho dos lábios e dos dentes influencia no sorriso perfeito

Um estudo de uma universidade americana avaliou proporções de tamanho, a cor e o formato dos dentes, lábios e gengivas, além da estrutura da face, para criar a fórmula do sorriso perfeito.

Para atingir a perfeição, por exemplo, o sorriso deve ter pelo menos metade da largura da face; as metades direita e esquerda dos lábios (imaginando-os cortados por uma linha vertical no meio) devem ser simétricas e eles devem ser igualmente carnudos.

Os dentes também devem ser alinhados à linha imaginária vertical que divide o rosto ao meio, e os incisivos superiores devem ser o traço mais dominante do sorriso – os dentes de baixo não podem aparecer muito quando a pessoa sorri.

Intitulado Smile Design, o estudo da Escola de Odontologia da Loma Linda University, na Califórnia, também atribui importância à gengiva que fica à mostra no sorriso – além de aparecer pouco, ela deve ter de um tom de rosa pálido – e a outros detalhes.

Bonito por natureza

Segundo Nicholas Davis, autor do estudo, a definição do que seria o sorriso perfeito se baseia em princípios “estabelecidos por meio de dados coletados de pacientes, modelos de diagnóstico, pesquisa odontológica, medições científicas e conceitos artísticos básicos de beleza” e “levam em conta a harmonia entre a estética facial e a composição dentária”.

No entanto, Davis disse que a maioria dos sorrisos bonitos e naturais não são necessariamente simétricos e uniformes.
“Os sorrisos naturais mantêm uma beleza intrínseca natural não pela perfeição, mas pela beleza sutil da imperfeição”, afirma.

A pesquisa observa ainda a importância do diagnóstico e do planejamento em casos estéticos para atingir o sorriso adequado para cada paciente.

“Esses fatores podem ajudar a encontrar o sorriso que melhor ressalta as feições naturais da paciente e ainda beneficiam a saúde oral”, diz o estudo, publicado na revista científica Dental Clinics of North America.

Referências: BBC Brasil