Diabettes Mellitus e a Odontologia

Segundo Eduardo Saba-Chujfi, professor e doutor em odontologia, em seu artigo “As doenças periodontais e o diabetes melittus” publicado na Revista da APCD, a definição histórica das palavras “diabetes” e “mellitus” está relacionada ao fato de que na antiguidade, quando as pessoas urinavam na rua, a urina dos indivíduos com diabetes ficava repleta de formigas por ser adocicada.
“A palavra ‘diabetes’ vem do grego e pode ter inúmeros significados, tais como: sifão, passar por, fluir por, manter as pernas afastadas perdendo líquido, perda de líquido com as pernas afastadas e urinar com as pernas afastadas. ‘Mellitus’ em latim significa açucarado, adocicado, doce ou melado”, explica o Dr. Eduardo.
O desconhecimento dos problemas inerentes ao diabetes ainda limita o campo de atuação de alguns profissionais da área de saúde, por entenderem que estariam causando complicações futuras. Em geral, acreditava-se erroneamente que os pacientes com diabetes teriam propensão a hemorragias pós-operatórias.
Hoje, sabe-se que se os pacientes tiverem um mau controle dos índices glicêmicos, o risco de infeccção é maior e há um retardamento na cicatrização se a pessoa com diabetes tiver algum tipo de lesão. Isso se deve ao alto nível tóxico da glicose que passa diretamente nos vasos sanguíneos, acabando por lesá-los de forma irreversível. Por esse motivo, em todo tratamento cirúrgico odontológico deve-se prescrever a antibioticoterapia, ou seja, há necessidade de medicação para que o tratamento tenha um excelente resultado. É fundamental saber que a doença não contraindica o tratamento periodontal clínico ou cirúrgico, nem mesmo o tratamento com implantes dentários, desde que se controle o perfil glicêmico dos pacientes.
Em pesquisas recentes comprovou-se que o diabetes mal controlado agrava e modifica as doenças periodontais. Por outro lado, também é correto afirmar que as doenças periodontais agravam e modificam as taxas glicêmicas das pessoas com diabetes. Além disso, se os níveis de glicose no sangue não forem bem controlados, outras doenças bucais poderão aparecer, como boca seca, candidíase, aftas, ulcerações e maior propensão a cáries dentárias.
Adotar uma medida preventiva simples como uma adequada higiene bucal com a utilização de escova apropriada e o uso do fio dental – sempre orientados por um profissional –, pode evitar que a placa bacteriana acumulada cause sangramento gengival (sinal de doença periodontal).
Via Dra Eliana Pirolo – Accu Chek
Finalmente, para o sucesso do tratamento, deverá haver bom senso por parte do profissional de saúde e do paciente. Assim, serão obtidos resultados satisfatórios tanto do ponto de vista estético como funcional.