Halitose e ronco podem prejudicar relacionamento, mas têm cura

O mau hálito e a sinfonia noturna podem chegar a extremos de terminar um namoro, mas os dois problemas têm cura, basta admitir e aceitar o tratamento

Especialistas dizem que muitos homens só procuram tratamento motivados por suas parceiras que ameaçam terminar o relacionamento

Foto: solominvikto / Shutterstock

Quando as pessoas casam ou passam a morar juntas diversas intimidades são compartilhadas. Porém, é na hora de dormir agarradinho ou beijar que essas intimidades podem trazer à tona alguns problemas sérios,como o ronco e a percepção do mau hálito.

O grande problema do ronco, além de incomodar a pessoa que dorme ao lado, é que ele pode ser o indicador de problemas mais sérios. “Estamos acostumados a achar que roncar é algo normal, na verdade roncar é comum, mas não normal. E ele pode indicar que a pessoa tem, por exemplo, a Síndrome da Apnéia Obstrutiva do Sono. Nesse caso, é preciso procurar tratamento o mais rápido possível”, diz Thiago C Fróes, mestre e doutorando em Prótese Dentária da FOUSP.

Segundo Thiago, apesar de o ronco ser um mau mais recorrente em homens com sobrepeso, são as mulheres que vão aos consultórios “empurrando” seus maridos. “E muitas vezes o roncador nega que ronca e a esposa é obrigada a filmar com o celular e expor o vídeo durante a consulta para constrangê-los e muitas vezes convencê-lo de que precisa de tratamento”.

A partir do diagnóstico as opções de tratamentos são as mais variadas. “Podemos incentivar a mudança de hábitos antes de dormir, utilizar aparelhos intra-orais durante o sono, aplicar botox na região do palato mole, fazer fonoterapia para fortalecer a musculatura da orofaringe entre outras. Além disso, ter hábitos alimentares saudáveis, fazer exercícios físicos regularmente e se manter no peso ideal são pontos importantes para o sucesso de qualquer terapia”, diz Thiago.

Quando o ronco reina durante toda a madrugada, nem quem ronca, nem quem está dormindo ao lado consegue descansar de verdade, o que pode acarretar uma série de problemas de saúde e de relacionamento.

Para entender melhor as causas, as conseqüências e as verdades sobre o ronco, Sergio José Nunes, cirurgião-dentista especializado em ronco e apneia, tira as principais dúvidas sobre o tema.

Quais são as principais causas do ronco? 
A principal causa do ronco em adultos é a obesidade ou sobrepeso. Porém, não são só os obesos que roncam. Pessoas com peso normal também podem roncar ou ter apneia (pequenas pausas na respiração durante o sono) por causa do formato da cavidade oral. Boca muito estreita ou mandíbula menor que o comum podem levar ao ronco por obrigar a língua a ficar na posição errada.

Outro agravante para o aparecimento do ronco é a idade. A medida em que envelhecemos, há uma grande perda de tonicidade muscular, o que gera flacidez na garganta e prejudica a passagem correta do ar.  Além disso, o consumo de álcool ou remédios, hipertrofia das amídalas, desvio de septo e sedentarismo também predispõem as pessoas a roncarem.

Quais os principais sintomas diurnos que o ronco causa?
O ronco acompanhado de apneia do sono torna o descanso precário e com isso a sonolência diurna é quase uma constante. Uma vez sonolento, as conseqüências são: irritabilidade, mau humor, baixa produtividade e alto risco ao volante.

 

Qual a melhor forma de tratar o ronco? 
A melhor opção de tratamento é a prevenção. Hoje em dia, sabemos que se o cirurgião-dentista souber interpretar os sintomas com antecedência, o ronco, assim como a apneia do sono e o bruxismo, pode ser devidamente identificado e prevenido, evitando seus desdobramentos. Para os casos de apneia do sono leve a moderada e ronco, o cirurgião-dentista pode orientar o uso de placas de avanço mandibular durante a noite, resolvendo os problemas na maioria dos casos.

É verdade que quem ronca tem mais chances de ter um ataque cardíaco ou um AVC?
Sim. Inúmeros trabalhos mostram que o ronco acompanhado da apneia do sono predispõe esses indivíduos a estarem mais sujeitos a doenças como: ataque cardíaco, AVC, hipertensão e diabetes, além de apresentarem uma respiração inadequada e menos oxigenação sanguínea.

Que tipo de ronco é o mais preocupante?
Os decorrentes da apneia do sono, pois nesses casos as vias aéreas superiores se encontram bloqueadas, ou parcialmente bloqueadas, o que prejudica a respiração noturna. O principal problema deste tipo de ronco é que ele dificulta a chegada de oxigênio no cérebro.

Crianças também roncam?
Crianças não só roncam como também sofrem com apneia. Adenoides e amígdalas inflamadas são as principais causas de ronco nessa idade.

Qual a incidência de pessoas que sofrem de apneia do sono e, consequentemente, roncam?
Hoje sabemos que um terço da população adulta mundial sofre de ronco causado por apneia.

Mau Hálito
“O mau hálito pode causar isolamento social e até depressão quando não tratado, fazendo com que a pessoa sequer consiga começar um relacionamento afetivo com alguém”.

Porém, quando esse problema aparece depois de algum tempo, é importante que a parceira seja a primeira a conversar sobre o assunto. “É fundamental que haja conversa entre o casal. E, apesar de a halitose atingir cerca de 30% da população brasileira, ela tem cura. E às vezes essa cura é mais simples do que as pessoas imaginam”

Para quem gosta de tecnologia , dicas de Aplicativos para sua saúde bucal.

Brush Timer
O aplicativo faz uma contagem regressiva de dois minutos simulando quanto tempo o usuário deve gastar para limpar cada dente. Além disso, fica disponível uma agenda que indica os dias em que o dente foi escovado e quantas vezes, com um espaço para comentários. Pode ajudar na hora de relatar algum problema para o dentista.

Smartkids: O site tem jogos educativos exclusivos para saúde bucal. Com quiz, forca e outras brincadeiras ligadas a assuntos como cárie, maneira adequada de escovar os dentes, entre outros

Dream Watcher
Um aplicativo para quem já ouviu falar que ronca, mas não acredita. Ele grava o sono durante a noite para que o usuário saiba se sofre do mal e possa, inclusive, mostrar as amostras de gravação para o dentista. A ferramenta também disponibiliza um despertador duplo que da primeira vez emite um som baixo e que aumenta gradualmente. Caso este falhe, o segundo alerta será mais alto. O app também ajuda na hora de dormir, com músicas relaxantes.

Smartkids
O site Smartkids (http://www.smartkids.com.br/jogos-educativos/higiene-bucal.html) tem jogos educativos exclusivos para saúde bucal. Com quiz, forca e outras brincadeiras ligadas a assuntos como cárie, maneira adequada de escovar os dentes, entre outros.

Conheça um APP gratuito para ajudar a cuidar da saúde de sua boca.

Captura de tela do iPhone 2Brush DJ
O objetivo aqui é tornar o momento de escovar os dentes mais divertido. O Brush DJ acessa sua biblioteca de música e escolhe aleatoriamente uma delas para tocar durante dois minutos, tempo médio para uma boa escovação. O aplicativo ainda tem lembretes para a hora da higiene bucal, passar fio dental, visitar o dentista e trocar a escova.

 

Captura de tela do iPhone 1

Câncer bucal e HPV

Estudo canadense descobre o aumento de câncer bucal associado ao HPV

Post a commentby Dental Tribune International

CALGARY, Alberta, Canadá: As descobertas de um novo estudo mostraram que a incidência de cânceres associados ao papilomavírus humano (HPV), especialmente o câncer de orofaringe, aumentou nos últimos anos na província de Alberta, Canadá. Entre outros aspectos, os pesquisadores descobriram que o aumento na incidência de câncer de orofaringe nos homens foi maior entre jovens.

Com o objetivo de identificar pacientes com câncer de orofaringe e outros tipos de câncer associados ao HPV, os pesquisadores da Universidade de Calgary analisaram o Registro de Câncer Alberta, um registro de todos os cânceres diagnosticados na província entre janeiro de 1975 e dezembro de 2009.

Eles descobriram que 8.120 cânceres associados ao HPV foram diagnosticados em Alberta no período de 35 anos. O câncer de orofaringe contabilizou 18% dos casos. Embora o maior número de casos tenha ocorrido no grupo de 55-74 anos, o maior aumento percentual de câncer de orofaringe ocorreu em pacientes mais jovens com idade inferior a 45 anos. Para esse tipo de câncer, o aumento da incidência nos homens foi o dobro do que nas mulheres.

“O aumento é preocupante porque não há programas de prevenção para a detecção inicial destes cânceres”, disse a Dra. Lorraine Shack, autora líder e professora assistente adjunta do Departamento de Oncologia da Universidade. “Para obter um maior impacto na prevenção dos cânceres associados ao HPV, programas de vacinação devem ser considerados tanto para o sexo masculino quanto para o feminino, como está sendo feito atualmente em Alberta.

Atualmente, o programa de vacinação pública contra HPV em Alberta oferece vacinas apenas para as meninas do sexto ano do Ensino Fundamental, porém o programa será estendido aos meninos da mesma idade (assim como para os meninos do nono ano por quatro anos após o início do programa) a partir deste mês.

Tendências similares em incidências de cânceres bucais relacionados ao HPV foram confirmadas por diversos estudos. Por exemplo, um estudo estadunidense publicado em novembro do ano passado mostrou que as taxas desse tipo de câncer aumentou significativamente no mundo entre 1983 e 2002. Nos homens e em particular os com idade inferior a 60 anos, a incidência de câncer de orofaringe foi a que mais aumentou.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer dos EUA, as infecções de HPV são comumente transmitidas sexualmente no país. Mais da metade das pessoas ativas sexualmente são infectadas com um ou mais tipos de HPV em algum momento da vida.

O estudo, intitulado “Tendências na Incidência de Câncer Cervical e Não Cervical associado ao Papilomavírus Humano em Alberta, Canadá: Um Estudo de Base Populacional” (Trends in the Incidence of Human Papillomavirus–Related Noncervical and Cervical Cancers in Alberta, Canada: A Population-Based Study), foi publicado em 22 de julho na revista CMAJ Open.

Quais as causas do mau hálito ?

Halitose

Mais conhecida por mau hálito, a halitose é muito comum na população. As causas são diversas, mas sabe-se que 80-90% dos casos têm origem bucal.

Causas de origem bucal

As bactérias presentes na boca são capazes de produzir compostos com odor desagradável. Se a higiene oral for feita de forma incorreta, essas bactérias se proliferam descontroladamente e produzem grandes quantidades desses compostos, gerando o mau hálito. Esses compostos têm em comum a presença do enxofre, que é o componente responsável pelo odor desagradável. A língua também merece destaque, pois quando não a higienizamos corretamente ocorre o acúmulo de resíduos e células mortas, isso resulta em uma placa branca-amarelada no dorso da língua. Essa placa é conhecida como saburra lingual, que é um meio ideal para a proliferação bacteriana capazes de produzir compostos sulfurados. As doenças das gengivas (gengivite e periodontite) também são associadas à higiene deficiente e, portanto, geram o mau hálito. Produtos corretos e higienização adequada podem ser grandes aliados na prevenção da halitose.

Causas com origem nas vias aéreas

As amídalas, por ter uma superfície com reentrâncias, favorecem o acúmulo de cáseos amigdalianos, que são acúmulos de restos mal cheirosos. Os cáseos amigdalianos podem ser expelidos durante a fala, tosse ou espirros.

Outras causas

Existem outras origens da halitose como diabetes, problemas no pulmão, intestino ou rins, fumo, deficiência de vitamina A e D e pouca produção de saliva. Alguns medicamentos para depressão, emagrecimento e pressão alta, podem levar a alterações na saliva que favorecem o aparecimento da halitose.

Sabe-se, contudo, que a halitose não tem como causa problemas no estômago, o que muitos profissionais erroneamente ainda acreditam.

Halitose temporária

Pacientes com inflamação das amídalas e sinusopatias podem ter halitose temporária que não deve persistir após a cura da inflamação. A halitose também pode aparecer em pacientes respiradores bucais, pois a boca fica constantemente seca devido à passagem excessiva de ar e a saliva fica mais grossa o que favorece o aparecimento de odor desagradável.

Halitose matinal

É importante salientar que é absolutamente normal o mau hálito matinal. Durante a noite nosso metabolismo muda e há uma diminuição drástica da produção de saliva e da motricidade lingual. Esses dois fatores favorecem a proliferação bacteriana, já que a língua e a saliva têm também como função a auto-limpeza da cavidade oral. Além disso, nosso corpo entra em hipoglicemia, o que gera odor cetônico na boca. Todos esses fatores resultam no característico odor desagradável pela manhã, que deverá desaparecer com a correta higienização, isso é, escovação adequada e uso do fio dental. Caso isso não ocorra, o paciente deve procurar um profissional credenciado CETH.

Pacientes hospitalizados

Normalmente a halitose não traz nenhum prejuízo para a saúde das pessoas saudáveis, porém em pacientes pós-cirúrgicos ou internados em Unidades Intensivas ou Semi Intensivas normalmente ocorre maior acúmulo de bactérias na cavidade bucal uma vez que a higienização se torna dificultada. O quadro de higiene oral precária e a debilidade da saúde do paciente favorecem as infecções pulmonares e hospitalares causadas por bactérias de origem bucal, o que pode prolongar ainda mais o tempo de internação. O uso de enxaguante específico especialmente desenvolvido para esta situação pode diminuir a quantidade de bactérias patogênicas e tornar a recuperação do paciente mais rápida.

Fonte:CETH


Para Prevenir a Halitose, você deve:
1) Escovar corretamente os dentes 3 vezes ao dia para
remover a placa dental e evitar cárie.
2) Usar corretamente o fio dental 2 vezes ao dia para
remover a placa interdental e evitar doença periodontal.
3) Limpar a língua 1 a 2 vezes ao dia para prevenir a
formação da placa bacteriana lingual ou saburra.
4) Aumentar o fluxo salivar pela mastigação de produtos
duros ou o uso de alimentos ácidos.
5) Diminuir a descamação excessiva da mucosa da boca
evitando morder os lábios e bochechas, evitando respirar
pela boca.
6) Observar se costuma ter com freqüência dor de garganta
ou cáseos.
7) Observar se costuma ter descamação aparentemente
sem motivo em certas partes do corpo.
8) Observar se costuma ter com freqüência o intestino preso
ou diarréia.
9) Verificar se não sofre de diabetes, uremia, se costuma
tomar algum remédio de odor carregado.
10) Verificar se costuma usar alimentos de odor carregado
(principalmente alho e cebola crus em excesso).
11) Observar que não deve fazer uso indiscriminado de
medicamentos controlados ou com efeito colateral
xerostômico.
12) Observar que não de vê ficar mais de 4 horas em jejum,
sem comer nada.
Outras causas de halitose você não vai ter
condições de reconhecer e portanto deve procurar um
profissional habilitado para este tipo de tratamento.

Somos credenciados da CETH – centro de excelência em Halitose

Fonte : Cartilha de Halitose – Dra OLINDA TÁRZIA – Conahaol

Remédios e mau hálito em idosos

 Antidepressivos e anti-hipertensivos prejudicam a salivação e podem causar cáries, saburra lingual, boca seca e ardência.
O Mau hálito em idosos é comum e, embora não seja considerado uma doença, pode ser um alerta para muitas questões envolvendo a saúde de quem está envelhecendo. Por isso, preocupada em garantir que a terceira idade tenha uma sobrevida com qualidade, a Associação Brasileira de Halitose (ABHA), fez uma pesquisa com 252 idosos em todo o País.

A pesquisa indicou que a principal causa da halitose nesta população é o consumo alto de medicamentos, atribuídos às doenças crônicas que aumentam com idade avançada. Entre os entrevistados, 60% afirmaram consumir mais de um medicamento por dia e 82% tomam pelo menos um. Muitos desses remédios, como antidepressivos e anti-hipertensivos, prejudicam a salivação e podem causar cáries, saburra lingual, boca seca e ardência.

A boca seca, relatada por 70% dos entrevistados, é um dos principais causadores do mau hálito, pois reduz a capacidade de auto-limpeza bucal, favorecendo a ação das bactérias. Por sua vez, essas bactérias acumuladas criam uma camada esbranquiçada sobre a língua, a chamada saburra lingual, que produz compostos mal cheirosos.

O ronco, outro item bastante citado pelos entrevistados (70%), também contribui para o aparecimento da saburra lingual, pois causa uma grande descamação da mucosa bucal.

Para evitar a halitose
Existem cuidados especiais, além de apenas escovar os dentes e passar o fio dental, que os idosos podem ter para que o mau hálito não faça parte do seu dia-a-dia. Fazer a limpeza diária da língua com limpadores próprios para remover a saburra, limpar as próteses e mantê-las bem polidas evitam o acúmulo de bactérias.
O consumo alto de medicamentos, atribuídos às doenças crônicas que aumentam com idade avançada, são a maior causa de mau hálito em idosos
“Consumir bastante líquidos, mastigar bem para estimular a salivação, evitar fumo e bebidas alcoólicas, além de ter uma dieta rica em fibras, são algumas práticas que evitam o mau hálito”, diz Maria Cecília Aguiar, especialista em Odontogeriatria, coordenadora da pesquisa e vice-presidente da Associação Brasileira de Halitose (ABHA).

Círculo vicioso
A halitose não tratada pode comprometer, e muito, a qualidade de vida dos idosos, chegando a levá-los à depressão. “O mau hálito prejudica as relações interpessoais, afeta a autoestima e a confiança de quem sofre do problema. Além disso, o mau hálito pode indicar que há algo errado com a saúde geral, podendo sinalizar, inclusive, problemas graves como o câncer”, afirma a dentista.

É aí que se forma o círculo vicioso, já que, como mostrou a pesquisa, muitos medicamentos usados para o tratamento da depressão têm como efeito colateral a redução da salivação, uma das principais causa do mau hálito. Outro ponto é que, quando as glândulas produtoras da saliva passam a ter um funcionamento inadequado, ficando envelhecidas, ocorre a senilidade de glândulas salivares. “Porém, esse não é um processo natural do envelhecimento saudável, é uma consequência do envelhecimento associado a doenças”, diz Maria Cecília.

 Matéria retirada do Portal Terra Saúde | Disponível em http://bit.ly/1rJ4d82   e Clínica Hálito Center

Ronco e Apnéia

 O que é o Ronco ?

O Ronco ocorre devido a obstrução parcial das vias respiratórias superiores à passagem de ar durante o sono. Ao dormir ocorre uma diminuição do tônus muscular da faringe ocorrendo estreitamento dessa região. Vários fatores podem dificultar ainda mais essa passagem do ar contribuindo com o surgimento do ronco: obesidade, envelhecimento, obstruções nasais, alterações nos ossos da face, entre outras.

O ronco pode ser o sinal de uma doença que tem graves consequências ao organismo. Além disso, o ronco pode trazer a insônia do cônjuge e sérios problemas de relacionamento. Novas pesquisas têm demonstrado que o ronco alto pode levar a maior formação de placas de gordura nos vasos sanguíneos do pescoço aumentando a chance de ocorrer isquemias cerebrais. Outros estudos mostraram risco aumentado do desenvolvimento de diabetes, mesmo sem a presença de apnéia do sono.

O que é Apnéia do Sono ?

Apnéia significa “parada da respiração”. Apnéia do sono é o distúrbio no qual o indivíduo sofre breves e repetidas interrupções da respiração (apnéias) enquanto dorme. As apnéias são causadas por obstruções transitórias da passagem do ar pela garganta de pelo menos 10 segundos de duração. Quando ocorrem apnéias com frequência maior que 5x/hora no sono dizemos que o indivíduo é portador de apnéia do sono.

Estima-se que cerca de 4% das mulheres e 9% dos homens adultos sofram de apnéia do sono, sendo que sua prevalência é maior entre os obesos e maiores de 35 anos.

Curiosamente, apesar de possuir alta prevalência na população, apenas recentemente a medicina reconheceu, através de estudos científicos, os riscos trazidos por esta doença e a importância do seu diagnóstico. Deste modo, sabe-se que cerca de 90% dos indivíduos que possuem apnéia do sono ainda não possuem o diagnóstico ou sequer foram alertados pelo seu médico para a possibilidade de sofrerem desta doença.

Consequências

Esta síndrome pode trazer graves consequências ao coração e vasos sanguíneos aumentando a incidência de infarto do miocárdio, AVC (“derrame”), hipertensão arterial, arritmias e insuficiência cardíaca. Além disso traz prejuízos à qualidade do sono levando à sintomas de sonolência diurna, déficit de memória e aprendizado, impotência sexual, cefaléia, acidentes de trânsito e de trabalho, entre muitos outros.

Fonte : Dr Marco  Antônio do Halito Center -São Mateus /Espírito Santo