Diabete – Cuidados

3 cuidados bucais que o paciente diabético deve ter

Por TePe

diabets2

Uma boa higienização bucal traz benefícios e ajuda na prevenção de doenças, enquanto que uma limpeza bucal malfeita pode trazer infecções, mau hálito, gengivite e outras diversas complicações que pioram a qualidade de vida de qualquer pessoa. Por isso, a atenção à escovação e à limpeza da boca é essencial para todos.

Essa regra deve ser ainda mais especial para os diabéticos, já que a doença pode causar infecções na boca. Por isso, o diabético deve redobrar a atenção com sua limpeza bucal e com sua dieta, além de cumprir as recomendações do médico — e do odontologista também.

Reunimos aqui 3 cuidados que você deve ter para não deixar a diabete prejudicar a saúde da sua boca. Confira!

Faça uma limpeza bucal impecável

Boa parte das doenças bucais ocorre devido a restos de alimentos que não são retirados durante a escovação. Esses resíduos permitem que as bactérias se multipliquem e causem mau hálito, cáries, inflamações e, em casos graves, doenças como úlceras ou periodontite, que afeta a gengiva de maneira severa, causando perda óssea.

Nos diabéticos, todas essas consequências são agravadas pelo maior tempo que o corpo leva para terminar a cicatrização. Além disso, as doenças gengivais podem agravar o nível glicêmico, o que prejudica qualquer tratamento contra a diabete. E, conforme se agrava a situação da saúde bucal, fica mais difícil manter uma dieta equilibrada, devido à dificuldade na mastigação. Em consequência, esse problema pode levar ao desequilíbrio do nível de glicose no organismo.

Além da recomendação geral para escovar os dentes ao menos quatro vezes por dia, o diabético deve fazer a higiene bucal imediatamente após as refeições.. Lembrando ainda que é fundamental passar o fio ou fita dentais. Faça uma limpeza criteriosa e constante, principalmente.

Atenção aos maus hábitos

O hábito de fumar é prejudicial ao diabético: o fumo traz consequências negativas para qualquer pessoa, mas agrava ainda mais a situação dos diabéticos. Os fumantes têm mais chances de adquirir inflamações entre outros problemas. Portanto, se você tem esse hábito, é hora de repensá-lo, dando prioridade à sua saúde. Para quem usa aparelho ou próteses é indicado que  redobrem as atenções para a limpeza e conservação dessas peças, para que não acumulem resíduos.

Seu dentista deve estar ciente de tudo

Ninguém melhor do que seu cirurgião dentista e seu endocrinologista para te darem as melhores orientações. Sendo assim, o seu dentista deve ser avisado de todos os medicamentos, tratamentos e alterações em sua dieta. Afinal, a saúde bucal está relacionada ao  controle da diabetes e vice-versa. Ciente de todo o tratamento feito para controlar a doença, o dentista pode recomendar os medicamentos e condutas mais indicados para o seu caso. Procedimentos invasivos, como extrações, deverão ser feitos com atenção redobrada e orientados no pré e pós cirúrgico por seu c.dentista.

Mantenha sua higiene bucal em dia e visite seu dentista regularmente.

 

Implantes e a peri-implantite

Peri-implantite, saiba o que é e como prevenir

periimplantite
Os implantes dentários têm se tornado cirurgias muito populares no Brasil e no mundo – e por um bom motivo. Ter um sorriso bonito é sinônimo de autoestima elevada e bem-estar. Basta apenas uma pequena imperfeição para que a gente coloque a mão no rosto ao sorrir ou evite comer em locais públicos. Criados para substituir um dente (ou muitos deles), os implantes recuperam a saúde oral, corrigem a mastigação .Servem para suportar uma ou um grupo de coroas dentárias que se assemelham a dentes naturais. Tem função de atuar como a raiz de um dente perdido ou ausente. Servem de âncora ou suporte de próteses dentárias completas, coroas unitárias ou um grupo de coroas e dentadura. Na ortodontia são utilizados como ponto de ancoragem para o movimento do dente Mas, como todos os procedimentos possuem riscos, é preciso tomar alguns cuidados para evitar processos inflamatórios, como a peri-implantite, que afeta os tecidos circundantes ao implante. A doença está relacionada à perda do suporte ósseo, sangramento e/ou supuração.

O que é a Peri-implantite?

Você sabia que essa infecção é a maior causa da perda dos implantes? As bactérias que determinam a inflamação podem estar presentes durante a cirurgia ou na falta de uma higiene bucal adequada, estimulando o aparecimento de uma infecção meses ou até anos após a realização do procedimento. Sendo uma doença periodontal, ela ocasiona a perda óssea e, em alguns dos casos, o implante deve ser removido. A seguir, separamos algumas dicas básicas para auxiliar você na prevenção.

Você deve ficar de olho

Os principais sinais são:

  • Aumento progressivo da profundidade de sondagem;
  • Formação de pus na região do implante;
  • Sangramento ao realizar a sondagem;
  • Gengiva com aparência de tecido inflamado (sangrando, com inchaço, placa bacteriana e alteração de cor).

Como prevenir

Pacientes com diabetes, que abusam do cigarro, com gengivas finas e com má higiene bucal estão no grupo de risco para desenvolver o processo inflamatório. Além disso, quem tem osteoporose e bruxismo também está suscetível à doença. Para evitar que esse incômodo apareça, na hora de realizar o procedimento, procure profissionais  que possuam a técnica cirúrgica adequada para realizar o implante. Além disso, o controle periodontal deve ser feito de forma correta, principalmente para evitar o contato de lesões com a superfície do implante. É importante fazer sempre uma boa escovação, removendo as placas e resíduos de alimentos, bem como utilizar a escova interdental, uma boa escova específica para implantes e limpar a área com frequência.

Tratamento

Se a peri-implantite não estiver em um estágio muito avançado, em que é necessário retirar o implante, o tratamento é simples: o especialista realizará a limpeza e descontaminação do local e aplicará antissépticos. Lembre-se: manter uma boa escovação e a higiene bucal correta é a melhor maneira de prevenir qualquer incômodo ou doença nos dentes e na gengiva. As cáries que estão próximas ao implante exercem grande influência e contribuem para o aparecimento da peri-implantite. Muitas pessoas costumam achar que os implantes podem ser a solução definitiva para periodontites não tratadas. Mas o tratamento periodontal deve continuar, principalmente com a presença dos implantes. O segredo para lidar com essa e outras doenças é a prevenção, o diagnóstico precoce e sempre procurar um profissional especializado, que indicará as melhores formas de manter o local limpo

TePe

Odontologia -O Futuro já chegou

O futuro já chegou na Odontologia

Alternativa para Apnéia do sono

 

Novo dispositivo para implante pode ajudar pacientes com apneia do sono

by Dental Tribune International

PITTSBURGH, EUA: Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas (CPAP- Continuous positive airway pressure) é comumente utilizada para tratar apneia obstrutiva do sono (AOS). Entretanto, o principal problema com esta terapia é o desconforto. Um time internacional de pesquisadores investigou a eficiência de um novo dispositivo para implante que pode ser uma alternativa para pacientes de AOS que não conseguem usar CPAP devido a desconforto ou outros problemas.

O estudo envolveu 126 participantes masculinos (com 22 anos de idade ou mais) que sofrem de AOS moderada à severa, e que tiveram dificuldade em aderir ou aceitar a terapia CPAP. Todos os pacientes passaram por cirurgia em diversos institutos médicos da Bélgica, Alemanha, França, Holanda ou EUA para implante do dispositivo para terapia de estímulo das vias aéreas superiores, que estimula o nervo da língua durante o sono, assim dilatando e estabilizando as vias aéreas e melhorando o controle da respiração.

Doze meses após o implante do dispositivo, descobriu-se que os pacientes experimentavam de 68 a 70% menos episódios de apneia do sono por hora, baixando de 29 para 9 eventos por hora. Além disso, houve a redução dos efeitos da apneia do sono, e os pacientes relataram melhora na qualidade de vida.