“Escovação nas escolas e creches deve ser mantida em todo o estado”, defende Conselho

 

04criancamorder

04/02/2015

Conselho discorda de decisão de interromper a escovação dos dentes nas escolas públicas ou privadas e reforça que é possível realizá-la com o apoio de professores e funcionários usando o mínimo consumo de água

Por meio de ofício dirigido hoje ao prefeito Fernando Haddad e também para as secretarias de Saúde e Educação da prefeitura, o CROSP está solicitando às autoridades, inclusive do Estado, que todas as escolas e creches, próprias e conveniadas, sejam adequadamente orientadas sobre eventual interrupção da escovação de dentes decorrente de problemas de abastecimento de água.

A atitude isolada, que parte de alguns diretores de escolas, tem sido apontada como reflexo ao decreto que estabelece redução do consumo de água em 20% nas escolas, pelo menos no município de São Paulo. Contudo, o mesmo comportamento pode ser verificado, inclusive em organizações particulares, em outros pontos do estado. O CROSP adverte a população e os profissionais de saúde bucal sobre os riscos envolvidos nesta atitude.

“É preciso ter clareza da possibilidade de se realizar a escovação dos dentes com o apoio de professores e funcionários usando o mínimo consumo de água”, explica o Secretário do CROSP, Dr. Marco Manfredini.“A escovação dental supervisionada é uma exigência da política nacional de saúde bucal desde 2004”, completa.

O secretário do Conselho argumenta ainda que as ações de escovação dental supervisionadas são um importante meio para obtenção coletiva de flúor. Além da inquestionável importância de se levar flúor à cavidade bucal e a consolidação do hábito de escovação, Manfredini ele aponta o declínio nos índices de cárie proveniente dos dentifrícios fluoretados. “Eles foram amplamente distribuídos na água desde 1989, assegurando uma importante conquista da sociedade brasileira”.

Para ler o ofício enviado ao prefeito na íntegra, clique aqui.

Fonte: CRO-SP