Dentista das antigas: Tiradentes fazia prótese com dentes presos por arames

 21 de abril, é o dia de Tiradentes. Mas, embora tenha ganhado notoriedade na história do País como um importante soldado que participou da Inconfidência Mineira e foi enforcado por lutar pela independência do Brasil, Joaquim José da Silva Xavier também se destacou como dentista em uma época que exercer essa função não era fácil.

Famoso por fazer extrações com alicate e fazer próteses prendendo dentes com arame, Joaquim José da Silva Xavier também usava plantas para tratar dentes

Tiradentes ganhou gosto por cuidar da boca das pessoas porque, órfão muito cedo, foi criado por seu padrinho que era dentista e lhe ensinou o ofício. Aliás, seus parentes tiveram grande influência na forma como ele levava sua profissão. “Tiradentes fazia uso de plantas no tratamento dentário. Isso porque ele era primo de primeiro grau de José Mariano da Conceição Velloso, importante botânico da época que estudava a flora fluminense”, diz Rui Mourão, diretor do Museu da Inconfidência de Ouro Preto.

Segundo Mourão, a extração dental era a prática mais comum daquela época. No museu é possível encontrar um boticão (instrumentos antigo cirúrgico) igual ao que Tiradentes usava para extrair os dentes de seus pacientes. “A Sociedade Brasileira de Odontologia o considera o exemplar mais antigo que existe”, diz o diretor.

No entanto, essas extrações, se comparadas com as técnicas de hoje, eram amadoras e até feitas com alguns requintes de tortura. “Isso porque não havia exames para identificar os problemas e tudo era resolvido com a extração do elemento causador do problema, sem anestesia e às vezes até com as próprias mãos”, diz Paulo Bueno, diretor e curador há 11 anos do IMOSP (Instituto Museu e Biblioteca de Odontologia de São Paulo).

 Foto: Museu da Inconfidência - Ouro Preto/MG / Divulgação
O boticão era o instrumento usado na época para fazer extrações dentárias

Foto: Museu da Inconfidência – Ouro Preto/MG / Divulgação

Origem do nome Tiradentes
No século XVII, não havia no Brasil uma lei que regulamentasse a prática da Odontologia. Por isso, eram os barbeiros que costumavam fazer esse trabalho. “Os médicos não queriam colocar as mãos na boca das pessoas. Aí acabou sobrando para os barbeiros se aventurarem nesse ramo, uma vez que eles já eram conhecidos por cuidar da cabeça cortando a barba e cabelo”, diz Paulo.

Só que a partir de 1631, a Coroa Portuguesa passou a multar as pessoas que tiravam os dentes sem licença, obrigando quem quisesse exercer essa função a passar por uma avaliação com um especialista chamado “cirurgião-mor”.

Foi aí que surgiram os “tira-dentes”. Joaquim José da Silva Xavier destacou-se entre os demais por saber tirar e colocar os dentes, além das suas habilidades protéticas.  “Tiradentes fabricava dentes com ossos de animais e os implantava de uma forma bem mais simples do que as atuais. O dente que seria colocado na boca era preso aos próximos com arame”, diz Rui.

Apesar de exercer a profissão de dentista tão bem, Tiradentes morreu antes que ela fosse oficialmente denominada dessa forma. Joaquim José da Silva Xavier foi enforcado e esquartejado em 1792, mas só há registros escritos da palavra dentista, como denominação de profissionais legalizados que cuidavam dos dentes, a partir de 1800.

Terra

Chá de camomila para acalmar

 

Chá de camomila para acalmarO chá de camomila tem várias qualidades que vão além do sabor agradável. Ele pode proporcionar momentos de relaxamento e prazer e também possui propriedades funcionais importantes, chamadas de compostos fenólicos, com destaque para o flavonóide apigenina e quercetina.O flavonóide apigenina, mais predominante na Matricaria recutita ou Chamomilla recutita (camomila), é responsável pela coloração da planta, que apresenta efeito calmante e relaxante.

Para tal efeito, basta preparar uma infusão de água fervente junto com a erva seca e deixar abafando por pelo menos 10 minutos. Recomenda-se a ingestão de 2 a 3 xícaras ao dia, entre as refeições.

Do ponto de vista nutricional, a correção de hábitos alimentares e a reeducação alimentar têm excelente sinergia com o uso dos chás. É importante ressaltar que, por tratar-se de uma erva com efeito terapêutico, a ingestão de chás não deve ser relizada tão próxima às refeições, para que não haja “competição” entre os componentes das plantas e os nutrientes dos alimentos, não interferindo assim na absorção intestinal.

O bom senso deve andar lado a lado com a saúde a fim de manter a biodisponibilidade e funcionalidade dos princípios ativos, garantindo momentos de prazer.

Fonte: Fabiana Carvalho de Sousa, nutricionista- Hospital Albert Einstein

 

Cuidados com a intolerância à lactose

intolerancia_lactose.jpg

A intolerância à lactose é a incapacidade parcial ou total em digerir a lactose (o “açúcar” do leite), e seu desenvolvimento no organismo é mais frequente já na fase adulta. Muitos dos alimentos presentes na nossa dieta diária contêm o componente na formulação, como leite, chocolate e iogurte, o que impõe alguns desafios no cotidiano dos portadores.

“A intolerância à lactose advém da deficiência ou da redução da enzima lactase, que é produzida no intestino delgado, e é responsável por decompor e absorver este açúcar”, explica Joyce Rebouças Passos Mourão, Gerente de Nutrição do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

A intolerância é dividida em três graus: leve, moderado, e severo. Algumas pessoas têm deficiência mínima na produção da enzima e outras não a produzem. O grau de cada paciente só pode ser descoberto através de exames específicos.

A alergia à proteína do leite de vaca (APLV) pode ser dividida em primária, ocorrendo em crianças de famílias com casos de asma, rinite, dentre outros, e secundária, apresentada geralmente após surtos de gastrenterocolite aguda (cólicas, diarreias) ou consequente à deficiência transitória de IgA. Nas crianças, a alergia à proteína do leite de vaca é normalmente um fenômeno transitório, de duração variável, e os sintomas aparecem nos primeiros três meses de vida. “Todos os leites e derivados de origem animal têm lactose, menos os de soja, arroz e aveia”, complementa Joyce.

Acerte sua dieta

Fazer acompanhamento e seguir uma boa dieta com orientações de um nutricionista é essencial. Confira algumas dicas que ajudam a manter a qualidade da alimentação:

• Se a avaliação médica permitir, o consumo de leite e derivados deve ser feito, preferencialmente, entre as refeições principais, e não durante o almoço ou o jantar, pois são as refeições mais ricas em ferro e o cálcio atrapalha a absorção do ferro heme de origem animal e não heme de origem vegetal.

• Para auxiliar ainda mais a absorção do ferro devido a quadro de anemia, por exemplo, consuma frutas ricas em vitamina C: laranja, mexerica, limão, acerola.

• Evite também o café preto e os variados tipos de chá (mate, preto, verde), e também o chocolate. Esses alimentos atrapalham parte da absorção de cálcio.

• Iogurtes que possuem pouca lactose na sua composição podem ser consumidos de acordo com o grau de intolerância do paciente, avaliado pelo médico

​Fonte :Logotipo HAOC

Sete alimentos que combatem a ansiedade

Ricos em vitaminas e aminoácidos, eles melhoram a tranquilidade e a disposição

Está cada vez mais difícil manter a calma? Todo mundo vive dizendo que você é uma pessoa ansiosa? A ansiedade provoca uma bagunça nas emoções e de quebra ainda reflete na saúde. Quando em excesso, ela desencadeia a sensação de mal-estar e te impede de viver a vida com mais leveza, sem tanta angústia em relação ao que ainda está por vir. Os ataques de gula também são creditados a ela. Existem tratamentos e terapias para controlar a ansiedade, mas sabia que a alimentação também pode ajudar a domar este furacão interno? Alguns alimentos contêm aminoácidos e vitaminas essenciais, que atuam diretamente diminuindo o estresse, combatendo a ansiedade e aumentando os níveis de serotonina, responsável pelo bem-estar e pelo relaxamento. A seguir, conheça os sete alimentos campeões para aquietar a mente.