Esporte: problemas bucais fazem rendimento diminuir até 21%

Odontologia do esporte ajuda performance de atletas e evita problemas de má oclusão, respiratórios e infecções bucais

A parceria entre dentista e atleta permite a prevenção e o tratamento eficaz de problemas bucais, de traumas típicos de esportes de contato e, principalmente, evita que infecções ganhem proporções grandes e acabem prejudicando a saúde e o desempenho dos atletas.

Segundo Dagmar de Paula Queluz, coordenadora do curso de especialização em Odontologia do Trabalho e Desportiva, da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (UNICAMP), o rendimento de um atleta pode diminuir até 21% por causa de problemas relacionados aos dentes.

“Entre esses problemas estão a má-oclusão dental e as infecções (gengivite e canais não tratados). Ambos podem provocar problemas de mastigação, dificultando o aproveitamento da energia dos alimentos, fundamental para a vida dos atletas”, diz a especialista.

Essas infecções, se não tratadas, podem, ainda, levar bactérias pela corrente sanguínea até algumas partes do corpo do atleta, causando mais que um simples desconforto. A endocardite bacteriana, por exemplo, é uma doença provocada por esses microorganismos, que afeta as válvulas e os tecidos do coração, podendo levar à morte.

Problemas de respiração bucal e ausência dental também podem atrapalhar o atleta. “O esforço extra que o atleta que respira pela boca faz para puxar o ar pode comprometer seu desempenho de uma forma geral. Já no caso de falta de dente, se houver ausência em apenas um lado da boca, a pessoa pode forçar demais o outro lado, causando problemas de ATM (articulação-temporomandibular)”, diz Dagmar.

 Foto: Corepics VOF / Shutterstock
Má-oclusão dental e as infecções podem provocar problemas de mastigação, dificultando o aproveitamento da energia dos alimentos

Foto: Corepics VOF / Shutterstock

Até não escovar os dentes pode atrapalhar
Na verdade, o simples fato de o esportista não cumprir com os cuidados básicos para uma boa