Automedicação pode causar boca seca.

 Foto: Shutterstock

Segundo uma pesquisa do Centro Multidisciplinar da Dor, 51 porcento dos pacientes se baseiam em sugestões de pessoas não qualificadas para uso de medicamentos e 40 porcento em prescrições anteriores.

Foto: Shutterstock

 

Quem resiste à farmacinha particular na hora que a dor aperta? O kit emergência tem analgésicos, anti-inflamatórios e até antibiótico. O problema é que em vez de dar cabo da dor o automedicamento pode ser perigoso. Segundo uma pesquisa do Centro Multidisciplinar da Dor, 51% dos pacientes se baseiam em sugestões de pessoas não qualificadas para uso de medicamentos e 40% em prescrições anteriores.
Uma das grandes preocupações quanto ao automedicamento são as possíveis interações medicamentosas. Por exemplo, se uma pessoa faz uso de anticoagulante e toma um anti-inflamatório, pode ter hemorragia e até morrer. Os analgésicos e anti-inflamatórios também podem agravar problemas gástricos e são contraindicados para quem já teve úlcera.
Uma das grandes preocupações quanto ao automedicamento são as possíveis interações medicamentosas. Por exemplo, se uma pessoa faz uso de anticoagulante e toma um anti-inflamatório, pode ter hemorragia e até morrer. Os analgésicos e anti-inflamatórios também podem agravar problemas gástricos e são contraindicados para quem já teve úlcera. Foto: Shutterstock
Por esses motivos, é imprescindível pedir orientação de um médico. Uma das grandes preocupações quanto ao automedicamento são as possíveis interações medicamentosas. Por exemplo, se uma pessoa faz uso de anticoagulante e toma um anti-inflamatório, pode ter hemorragia e até morrer. Os analgésicos e anti-inflamatórios também podem agravar problemas gástricos e são contraindicados para quem já teve úlcera. Foto: ShutterstockApesar da Organização Mundial de Saúde – OMS – aprovar a automedicação responsável – apenas diante de sintomas leves, ler a bula e interromper o uso caso os sintomas não desapareçam -, existem detalhes que fazem toda a diferença na hora de se medicar. Algumas drogas, por exemplo, atrapalham a concentração, a coordenação motora, e isso deve ser levado em consideração na hora de determinar o horário do medicamento.
Uma das grandes preocupações quanto ao automedicamento são as possíveis interações medicamentosas. Por exemplo, se uma pessoa faz uso de anticoagulante e toma um anti-inflamatório, pode ter hemorragia e até morrer. Os analgésicos e anti-inflamatórios também podem agravar problemas gástricos e são contraindicados para quem já teve úlcera. Foto: Shutterstock
Para a saúde bucal, também é preciso ter cautela. Muitas medicações de venda sob prescrição e de venda livre podem causar os sintomas de boca seca. Trata-se de um problema que atinge muitas pessoas por conta do importante papel que a saliva desempenha nas funções do corpo. O fluxo salivar adequado lubrifica os tecidos bucais, limpa a boca e inicia o processo digestivo quando os alimentos são mastigados. “Quando o fluxo salivar é reduzido, organismos nocivos se proliferam na boca”, explica o dentista Joel dos Santos, de Blumenau (SC).
Uma das grandes preocupações quanto ao automedicamento são as possíveis interações medicamentosas. Por exemplo, se uma pessoa faz uso de anticoagulante e toma um anti-inflamatório, pode ter hemorragia e até morrer. Os analgésicos e anti-inflamatórios também podem agravar problemas gástricos e são contraindicados para quem já teve úlcera. Foto: Shutterstock
 Segundo o especialista, alguns tratamentos com radiação dos cânceres de cabeça e pescoço, doença de glândula salivar, estresse emocional, alterações hormonais associadas com gravidez e menopausa, e doenças autoimunes como diabetes também podem causar boca seca. “Se você acha que uma medicação está causando boca seca, avise seu dentista ou médico, uma vez que, em alguns casos, um tipo diferente de prescrição pode oferecer algum alívio”,
Medicamentos que podem causar ressecamento na boca
– Anti-histamínicos (Antialérgicos);
– Descongestionantes;
– Analgésicos;
– Diuréticos;
– Medicamentos para pressão alta;
– Antidepressivos.