Mudança na concentração de fluoretação da água nos EUA

EUA abaixa o flúor em água potável após 50 anos

 

Post a commentby Dental Tribune International

WASHINGTON, EUA: Autoridades de saúde dos Estados Unidos atualizaram as suas orientações para o flúor na água potável e agora recomendam uma concentração ideal de fluoreto de 0,7 mg/L. Como os norte-americanos hoje têm maior acesso ao flúor na forma de creme dental e bochechos e devido ao aumento da incidência de fluorose devido ao flúor em excesso, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos procurou substituir as suas recomendações que foram emitidas em 1962.

Desde os primeiros anos da década de 1960, a prática de adicionar flúor à água potável de sistemas públicos tem crescido progressivamente nos Estados Unidos. Quase todos os sistemas de fluoretação da água dos Estados Unidos têm utilizado concentrações de fluoreto variando entre 0,8 a 1,2 mg/L. Com a recente atualização, no entanto, esta será reduzida em 0,1 a 0,5 mg/L, e flúor na água potável só irá diminuir em cerca de 25%. O consumo de flúor total será reduzido em cerca de 14%.

Segundo o relatório do departamento emitido no dia 27 de abril, a nova concentração ideal de 0,7 mg/L foi escolhida para manter benefícios de prevenção de cárie, mas reduz o risco de fluorose dental. Apesar de uma série de estudos, ter descoberto que a fluoretação da água comunitária levou a uma redução significativa na prevalência e severidade de cárie, os dados do período de 1999 a 2004 da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição e os de 1986 a 1987 da Pesquisa Nacional de Saúde Bucal na Escola de Crianças Norte-Americana indicam que mais de 20% das pessoas com idades entre 6 e 49 anos têm alguma forma de fluorose dental.

Hoje em dia, cerca de 75% dos americanos que são servidos por sistemas públicos de água recebem água fluoretada. Em 2012, os centros de controle de doenças e prevenção estimaram que cerca de 200 milhões de pessoas nos Estados Unidos foram servidas por 12.341 sistemas comunitários de abastecimento de água que adicionaram flúor à água ou compraram água com fluoreto adicionado por outros sistemas.

Fluoretação artificial de água potável ainda é controversa, como uma medida de saúde pública, como tem sido sugerido que flúor em excesso pode ter efeitos adversos para a saúde. Por exemplo, tem sido associado com atrasos no desenvolvimento neurológico das crianças e com o desenvolvimento do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade apenas recentemente.

Em contraste com a política de fluorização nos Estados Unidos, muitos países da Europa Ocidental, incluindo a Áustria, Bélgica, Finlândia, Alemanha e Suécia, não adicionam flúor no seu suprimento de água. Outros países europeus, como a Irlanda e o Reino Unido, atualmente adicionam flúor à água potável em níveis variando de 0,2 a 1,2 mg/L.

O relatório completo, intitulado “E.U.A. Serviço de Saúde Pública Recomendação para a Concentração do Flúor na Água Potável para a Prevenção da Cárie Dentária”, pode ser acessado em www.publichealthreports.org/fluorideguidelines.cfm