Fluoretação da água pode aumentar risco de TDAH em crianças

Em 2011, 11% das crianças entre 4 a 17 anos de idade, nos EUA, receberam um diagnóstico de TDAH. O transtorno pode afetar seriamente a aprendizagem e o rendimento escolar. (Foto: Suzanne Tucker/Shutterstock)

 | News Brazil

Fluoretação da água pode aumentar risco de TDAH em crianças

 Post a commentby Dental Tribune International

TORONTO, Canadá: Pela primeira vez, pesquisadores demonstraram que água fluoretada pode ser um fator de risco ambiental para transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), uma das mais comuns perturbações do desenvolvimento neurológico das crianças hoje em dia. Em um estudo de abrangência nacional, eles descobriram que a prevalência do TDAH aumentou com uma maior exposição à água fluoretada nos E.U.A.

A fim de investigar a relação entre a exposição à água fluoretada e a prevalência de TDAH entre crianças nos Estados Unidos, pesquisadores da Universidade de York em Toronto compararam os dados de 2003, 2007 e 2011 e as taxas sobre o TDAH em crianças e adolescentes com idades entre 4 e 17 anos, com dados de 2002, 2004 e 2008 com o número de pessoas que receberam água fluoretada em contratos públicos de fornecimento em 51 estados dos EUA.

As análises mostraram que as regiões geográficas e estados em que uma maior proporção de pessoas receberam água fluoretada artificialmente de sistemas públicos de abastecimento de água tenderam a ter uma maior proporção de crianças e adolescentes diagnosticados com TDAH. Assim, concluíram que a vida em uma comunidade fluoretada poderia aumentar o risco da criança desenvolver o transtorno. Segundo os pesquisadores, a fluoretação natural da água não foi associada a uma maior prevalência de TDAH no estudo.

Embora fluoreto seja uma neurotoxina comum no desenvolvimento ambiental, ela tem recebido pouca atenção apenas no estudo do TDAH, e esta é a primeira vez que o link tenha sido investigado, disseram os pesquisadores. Eles salientaram, no entanto, que são necessários mais estudos para oferecer novas percepções sobre a relação entre o TDAH e a fluoretação da água.

Os dados para o estudo foram obtidos a partir da Pesquisa Nacional de Saúde da Criança, um estudo realizado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças, em que os pais foram contatados por telefone e perguntados sobre o bem estar emocional e físico de seus filhos. Os dados sobre fluoretação pública foram obtidos a partir do website do CDC.

O estudo, intitulado “A Exposição à Água Fluoretada e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade com Prevalência entre Crianças e Adolescentes nos Estados Unidos: Uma Associação Ecológica” (Exposure to Fluoridated Water and Attention Deficit Hyperactivity Disorder Prevalence among Children and Adolescents in the United States: An Ecological Association) foi publicado on-line em 27 de fevereiro na revista Environmental Health.