Autor: Eneida Ramos, nutricionista

Categoria: Nutrição

Você sabia que a cor de cada alimento interfere na sua função em nosso organismo? Confira as dicas abaixo e saiba como escolher o alimento ideal para manter sua saúde em dia:

Alimentos de cor amarela/alaranjados: ricos em betacaroteno, precursor da vitamina A. Essa vitamina é fundamental para o crescimento e manutenção dos tecidos, e desempenha papel essencial na visão. Exemplos de alimentos: cenoura, manga, mamão, pêssego, manga, milho e caqui.

Alimentos de cor vermelha: o pigmento responsável pela cor vermelha é o licopeno,um carotenóide que funciona como antioxidante, protegendo contra o envelhecimento precoce das células, além de estimular o sistema imunológico. Existe também relação do consumo de licopeno e a redução de doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Exemplos de alimentos: tomate, cereja, caqui, melancia ,goiaba e pimentão vermelho.

Alimentos de cor arroxeada/azulada: os alimentos adquirem tonalidade arroxeada e azulada em função da antocianina, que atua como antioxidante. Este pigmento tem papel importante na saúde, já que contribui no sistema circulatório, favorecendo o sistema cardiovascular. Alguns exemplos desses alimentos são: uva roxa, beterraba, repolho roxo, figo, jabuticaba, berinjela e ameixa.

Alimentos de cor marrom: os alimentos de coloração marrom são ricos em vitamina E, vitamina antioxidante que atua na prevenção do envelhecimento precoce das células do organismo e de doenças cardíacas e câncer. Alguns exemplos desses alimentos: gérmen de trigo, arroz integral, castanhas, nozes e cereais integrais.

Alimentos de cor verde: alimentos dessa coloração são ricos em clorofila, que tem uma ação depurativa, capaz de desintoxicar as células do organismo combatendo os radicais livres e contribuindo com a prevenção de fadiga, anemia, insônia e doenças do coração. Exemplos são: abacate, kiwi, alface, pimentão verde, couve, vagem, ervilha, rúcula, brócolis, hortelã, escarola e espinafre.

Férias: coma gostosuras sem prejudicar os dentes

Saber trocar itens muito açucarados por outros atraentes e docinhos como frutas e bebidas naturais é a grande sacada para não estragar o sorriso.
 Foto:  Serhiy Kobyakov / Shutterstock
Com a chegada das férias, as crianças tendem a passar boa parte do tempo em casa, e a vontade de comer guloseimas aumenta. Mas, com controle e criatividade, profissionais mostram que é possível passar por essa fase sem prejudicar o sorriso dos seus filhos.

Para começo de conversa, o ideal é manter a alimentação saudável mesmo nas férias, com espaço para exceções em passeios ou aniversários de amiguinhos.Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

Alimentos com excesso de açúcar e carboidrato – balas, bolachas, salgadinhos, refrigerantes – devem ser evitados, já que são eles os grandes responsáveis pelas cáries. Mas quando for dia de ceder à tentação, é preciso saber remediar.

10 alimentos que contribuem para o fortalecimento dos dentes:

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula

O pepino faz parte do grupo dos vegetais que estimula a mastigação

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

Para ajudar na construção dos dentes,

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

invista na sardinha Fonte de fibra,

consumir pera provoca a mastigação e a limpeza dos dentes

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

O atum é fonte de vitamina D e excelente para manter a saúde dental

Mastigar vegetais crus, como a cenoura, fortalece a mandíbula Foto: Shutterstock

Acostumar a criança apenas com o doce de frutas é uma ótima maneira de manter sua alimentação saudável e sua boquinha sem cáries

“Uma boa higienização oral durante o dia com o uso de fio dental e pasta com flúor são as principais medidas de prevenção de cáries”, diz Melisa Sofia Gomez, nutricionista do Centro de Pesquisa e Atendimento Odontológico para Pacientes Especiais (CEPAE) da UNICAMP.

Outra dica é não permitir que a criança vá dormir sem escovar os dentes ou tome leite de madrugada, já que a salivação diminui durante o sono e funciona como um fator de proteção para inibir a formação de cárie.

Já o problema do refrigerante, além de conter açúcar, é a alta acidez, capaz de prejudicar o esmalte dentário. Para consumi-lo de uma forma menos “agressiva” aos dentes é usando o canudinho, pois dessa forma o líquido vai direto para a garganta sem entrar em contato com o esmalte dental.

Outro vilão são os sucos industrializados, que chegam a ter mais concentração de açúcar do que os próprios refrigerantes. “Além disso, eles contêm conservantes e aditivos que são prejudiciais para a saúde. O ideal seria consumir sucos naturais de frutas. Para quem prefere a praticidade, pode optar por polpas congeladas, mas é importante verificar quais não têm adição de conservantes ou aditivos”, diz a nutricionista.

Aproveite o tempo juntos
Para a psicóloga infantil, Maria Aparecida Roth Castro, boa parte dessa vontade de consumir alimentos que fazem mal aos dentes é dos pais. “Se uma casa costuma ter em cima da mesa frutas e produtos integrais de fácil acesso, as crianças serão habituadas com esses alimentos. E não adianta ter guloseimas em casa e esconder, se a criança souber, ela vai querer, até porque o gosto de quebrar as regras aumenta o desejo”, diz a especialista.

Por isso, uma boa saída é dar o exemplo também na hora de comer. Aproveite o tempo livre das férias para fazer bebidas e comidas juntos, combinando frutas e legumes. A preparação em conjunto melhora muito a aceitação de novos alimentos.

“A criança que apresenta problemas para comer associa a hora da refeição a momentos de obrigação e desconforto. Por isso, os pais podem tentar criar situações mais agradáveis relacionadas aos alimentos, como cozinhar juntos, criar alimentos com carinhas, cores ou formatos divertidos, contar histórias sobre a comida entre outras”, diz Maria Aparecida.

Para que ela exercite a mastigação, os pais podem oferecer alimentos mais duros e com sabores mais docinhos e formas diferentes, como pedaços de coco, cenoura em palitos, gomos de tangerina ou até um milho na espiga, pois o jeito de comê-lo costuma interessar as crianças.

“A mastigação é muito importante para o desenvolvimento orofacial, contribuindo para a fala, posição correta da língua e a respiração nasal”.

Agência Beta