Um novo dispositivo que foi desenvolvido por uma empresa norte-americana permite que cegos percebam sinais visuais e poderia ser usado como um dispositivo adjuvante a outros métodos de acessibilidade, como a bengala branca ou um cão-guia. (Fotografia: Lisa S. /Shutterstock)

Novo dispositivo permite que pessoas cegas processem sinais visuais por meio de suas línguas

Post a commentby Dental Tribune International

SILVER SPRING, Mariland/MIDDLETON, no Wisconsin, EUA: O Food and Drug Administration recentemente, permitiu a comercialização de um novo dispositivo que permite aos cegos perceberem sinais visuais. O BrainPort V100 é uma visão eletrônica oral auxiliar que fornece estimulação eletrotátil para apoiar pacientes profundamente cegos na orientação, mobilidade e reconhecimento de objetos como um dispositivo adjuvante a outros métodos de acessibilidade, como a bengala branca ou um cão-guia.

O BrainPort V100 é fabricado pela empresa de dispositivos médicos baseada em Winsconsin, Wicab. Trata-se de um dispositivo alimentado por bateria que inclui uma câmera de vídeo montada em um par de óculos e um pequeno e plano aparelho intra-oral que contém uma série de eletrodos, que o usuário detém contra a sua língua. O software converte a imagem capturada pela câmera de vídeo em sinais elétricos que são enviados para o aparelho intra-oral e percebidos como vibrações ou formigamento na língua. Os usuários descrevem a experiência como imagens desenhadas transmitidas na sua língua, com pequenas bolhas. Com treinamento e experiência, o usuário aprende a interpretar os sinais para determinar a localização, posição, tamanho e forma dos objetos, e para determinar se os objetos estão em movimento ou parados.

Os dados clínicos que suportam a segurança e a eficácia do BrainPort V100 incluem reconhecimento de objetos e identificação da palavradentre outras avaliações, bem como exames de saúde bucal, para determinar os riscos associados com o aparelho intra-oral na boca. Estudos mostraram que 69 por cento dos 74 sujeitos que completaram um ano de treinamento com o dispositivo forambem sucedidos no teste de reconhecimento do objeto. Alguns pacientes relataram queimação, ferroada ou um sabor metálico associadoao aparelho intra-oral. No entanto, não foram relatados eventos adversos graves relacionados ao dispositivo.

“As vantagens potenciais do BrainPort V100 são de que ele pode ser usado independentemente da causa ou da duração da cegueira, e não necessita de um nervo óptico intacto, para funcionar”, explicou Robert Beckman, CEO da Wicab. “Os indivíduos cegos por causas congênitas e adquiridas podem utilizar o BrainPort V100. Outra vantagem potencial é a sua simplicidade. Nossa solução não cirúrgica permite que os usuários salvem seus olhos, no caso de futuras pesquisas oferecerem melhores alternativas para pessoas que são totalmente cegas”.

“Dispositivos médicos inovadores como este têm o potencial de ajudar milhões de pessoas,” disse o Dr. William Maisel, diretor-adjunto para ciência e cientista chefe no centro da FDA para Dispositivos e Saúde Radiológica. “É importante continuarmos avançando a tecnologia do dispositivo para ajudar os cegos norte-americanos a viverem melhor, e mais independentes”.

Segundo o NationalInstitutes of Health´s National Eye Institute, mais de 1,2 milhões de pessoas nos Estados Unidos eram cegas em 2010. O instituto prevê que o número de norte-americanos que são cegos subirá para 2,1 milhões em 2030 e 4,1 milhões em 2050.