Nova tecnologia ajuda a reduzir taxa de recidiva de câncer bucal

O prognóstico para o câncer bucal não melhorou durante as últimas cinco décadas, principalmente devido à fase tardia no diagnóstico, altas taxas de recorrência após a cirurgia e a dificuldade em captar todo o câncer durante o tratamento. Os pesquisadores agora têm avaliado a eficácia da visualização de fluorescência (FV) e verificaram que esta tecnologia, que poderia facilmente ser implementada na prática clínica, facilitaria a detecção e assim ajudaria a reduzir a taxa de recorrência em pacientes com câncer bucal significativamente.

O estudo intitulado “Visualização de fluorescência-cirurgia guiada para a fase inicial de câncer bucal”, foi publicado na revista JAMA Otolaringology-Head and Neck Surgery e foi realizado por pesquisadores da University of British Columbia em colaboração com o BC Cancer Research Centre e Simon Fraser University.

No estudo, 138 pacientes do sexo masculino e 108 pacientes do sexo feminino com idades entre 18 anos e mais – dos quais 156 tinham carcinoma espinocelular (SCC) e 90 tinham alto grau de lesões pré-cancerosas (HGLs) –, foram divididos em dois grupos. Um grupo (154 pacientes) foi submetido à cirurgia com FV, enquanto participantes do grupo controle (92 pacientes) foram submetidos à cirurgia convencional.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes que haviam sido submetidos à cirurgia navegada FV mostraram significativamente, menor recidiva local. Em pacientes com SCC, a taxa de recorrência diminuiu de 40,6% para 6,5%. Entre os pacientes HGL, a taxa de recorrência diminuiu de 39,3% para 8,1%. “Os resultados deste estudo suportam o uso de FV como o mais forte fator independente no controle da recidiva local e fornece ainda, uma possível modalidade efetiva para controlar uma fase precoce do câncer bucal e alto grau pré invasivo de lesões orais,” concluíram os pesquisadores.

Para detectar as lesões orais, a equipe utilizou um VELscope, um dispositivo de mão, desenvolvido pela empresa americana LED Dental, que ajuda os Cirurgiões-dDentistas a visualizar anormalidades do tecido oral. Ele recebeu a autorização da FDA e da Health Canada em 2006.

De acordo com as estatísticas de 2015 fornecidas pela Canadian Cancer Society, cerca de 4.400 canadenses são diagnosticados com câncer de cavidade oral a cada ano, metade dos quais são homens e cerca de 1.200 morrem da doença.

Fonte: Dental Tribune

O que é odontopediatria ?

Odontopediatria é a especialidade que tem como objetivo o diagnóstico, a prevenção, o tratamento e o controle dos problemas de saúde bucal do bebê, da criança e do adolescente; a educação para a saúde bucal e a integração desses procedimentos com os dos outros profissionais da área da saúde.

As áreas de competência para atuação do especialista em Odontopediatria incluem:

  • promoção de saúde, devendo o especialista educar bebês, crianças, adolescentes, seus respectivos responsáveis e a comunidade para adquirirem comportamentos indispensáveis à manutenção do estado de saúde das estruturas bucais;
  • prevenção em todos os níveis de atenção, devendo o especialista atuar sobre os problemas relativos à cárie dentária, ao traumatismo, à erosão, à doença periodontal, às mal-oclusões, às malformações congênitas e às outras doenças de tecidos moles e duros;
  • diagnosticar as alterações que afetam o sistema estomatognático e identificar fatores de risco em nível individual para os principais problemas da cavidade bucal;
  • tratamento das lesões dos tecidos moles, dos dentes, dos arcos dentários e das estruturas ósseas adjacentes, decorrentes de cárie, traumatismos, erosão, doença periodontal, alterações na odontogênese, mal-oclusões e malformações congênitas utilizando preferencialmente técnicas de mínima intervenção baseadas em evidência;
  • condução psicológica dos bebês, crianças, adolescentes, e seus respectivos responsáveis para atenção odontológica.

Fonte: CROSP

Pesquisa conclui que peixes e frutos do mar protegem o cérebro do Alzheimer

Um estudo publicado no Journal of the American Medical Association (Jama), concluiu que comer ao menos uma refeição semanal de peixe ou frutos do mar ajuda a proteger o cérebro de alterações ligadas ao desenvolvimento do mal de Alzheimer em portadores de uma variante genética que aumenta o risco da doença. A pesquisa verificou também que o consumo moderado de frutos do mar eleva os níveis de mercúrio no organismo, mas aparentemente, não o suficiente para provocar os efeitos neurotóxicos causados por altas concentrações do elemento no corpo.

“O consumo de frutos do mar é recomendado por causa de seus muitos benefícios à saúde, mas eles também são uma fonte de mercúrio, um conhecido neurotóxico que talvez possa aumentar o risco de neuropatologias associadas à demência”, justifica Martha Clare Morris, do Centro Médico da Universidade de Rush, em Chicago, nos EUA, e líder da pesquisa. “Assim, nesse estudo, queríamos relacionar os níveis de mercúrio no cérebro tanto com o consumo de frutos do mar quanto com as neuropatologias ligadas ao mal de Alzheimer, à demência vascular e à demência com corpos de Lewy”.

Para isso, os pesquisadores se basearam em um grupo de idosos voluntários inscritos no Projeto Memória e Idade de Neuropatologia Clínica, conduzido em Chicago e arredores entre 2004 e 2013. Nenhum deles tinha sinais de demência quando ingressaram no estudo e todos responderam questionários anuais sobre seus hábitos alimentares, além de passarem por avaliações neurológicas, também anualmente.

No período, 286 dos participantes morreram, com em média 89,9 anos, e tiveram seus cérebros analisados para problemas associados às doenças, como a presença de placas de proteína beta amiloide e macro e microinfartos cerebrais, além dos níveis de mercúrio e selênio, elemento que combate os efeitos neurotóxicos do primeiro e também tem nos peixes uma importante fonte, nos tecidos do órgão. “Descobrimos que o consumo de uma ou mais refeições de frutos do mar por semana foi correlacionado com maiores níveis de mercúrio no cérebro, mas não encontramos associação com maiores níveis de selênio”, conta Martha. “Mas os níveis maiores de mercúrio no cérebro não foram associados a qualquer neuropatologia. Além disso, descobrimos que o consumo de uma ou mais refeições de frutos do mar por semana foi associada com um fardo menor de neuropatologias ligadas ao mal de Alzheimer, mas só em pessoas que tinham a variante APOE4 do gene que produz a apolipoproteína E (uma das principais associadas ao risco de desenvolvimento do mal de Alzheimer)”, finaliza.

Fonte: O Globo

Obesidade -Problema de saúde pública

Obesidade

O que é

A obesidade é uma doença crônica, que se caracteriza principalmente pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. O número de pessoas obesas tem crescido rapidamente, tornando a doença um problema de saúde pública.

Incidência

No Brasil, existem mais de 20 milhões de indivíduos obesos. Na população adulta, 12,5% dos homens e 16,9 % das mulheres apresentam obesidade e cerca de 50% têm excesso de peso (sobrepeso).

Nos Estados Unidos a situação é ainda mais grave: 64,5% da população adulta está acima do peso, sendo que quase a metade é considerada obesa.

Causas

A principal causa de obesidade é a alimentação inadequada ou excessiva. Para manter o peso ideal é preciso que haja um equilíbrio entre a quantidade de calorias ingeridas e a energia gasta ao longo do dia. Quando há abundância de alimentos e baixa atividade energética, existe o acúmulo de gordura. Por isso, o sedentarismo é o segundo fator importante que contribui para a obesidade.

Além disso, existem os fatores genéticos, em que uma pessoa pode herdar a disposição para obesidade; ter o metabolismo mais lento, o que facilita o acúmulo de gorduras e dificulta o emagrecimento, ou ter aumento de peso por conta das oscilações hormonais.

Também existe uma influência dos fatores psicológicos, quando o estresse ou as frustrações desencadeiam crises de compulsão alimentar.

Sinais e Sintomas

Além das roupas apertadas e o aumento do ponteiro na balança, o acúmulo de gordura é um indício de obesidade.

Episódios de apneia do sono, dificuldade para movimentar-se, cansaço frequente e distúrbios no ciclo menstrual nas mulheres também são indicadores da doença.

Diagnóstico

É feito por meio do cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC), que avalia a relação entre o peso e a altura. Quando o IMC é maior do que 30, a pessoa é considerada obesa. Quanto maior o índice, mais chances do paciente desenvolver diabetes, problemas cardiovasculares e nas articulações, hipertensão arterial e depressão, problemas diretamente ligados à pior qualidade de vida e menor longevidade.

Tratamento

A melhor forma de tratar a obesidade é adotar mudanças no estilo de vida, com uma dieta menos calórica aliada a um programa de exercícios físicos, sempre sob a supervisão de um profissional.

Também pode ser feito o uso de medicamentos, desde controladores de apetite até os que reduzem a absorção de gordura pelo organismo.

Para os casos mais graves, pode ser recomendada também a cirurgia bariátrica, especialmente para quem possui o IMC acima de 35 e também ter doenças associadas à obesidade, e para os que têm IMC acima de 40 e não conseguem emagrecer com outros tratamentos.

Em todos os casos, o acompanhamento médico regular é fundamental.

Prevenção

A doença pode ser evitada desde a infância, com a adoção de hábitos alimentares saudáveis e a prática regular de esportes ao longo da vida.

Impactos da obesidade

O acúmulo de gordura no organismo aumenta o risco de doenças como hipertensão arterial, aumento do colesterol e triglicérides, diabetes, apneia do sono, acúmulo de gordura no fígado, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e pode estar associado ao surgimento de alguns tipos de câncer.

O excesso de peso pode trazer ainda prejuízos para as relações pessoais e profissionais, pois essas pessoas são mais propensas à depressão e ansiedade.

Revisão médica: Dr. Paulo Rosenbaum, endocrinologista do Einstein

Facebook Twitter Youtube Google+ Instagram Linkedin Flickr  |  diminuir letra aumentar letra

Síndrome da apneia do sono

O que é?

A síndrome da apneia do sono é caracterizada por pausas respiratórias frequentes durante o sono. Essas interrupções estão relacionadas com a diminuição da oxigenação do sangue durante a noite. Rara em crianças, pode atingir de 2 a 30% da população adulta.

Causas e fatores de risco

A apneia ocorre por estreitamento e colapso temporário das vias respiratórias superiores. As pessoas com essa síndrome geralmente são obesas ou têm sobrepeso, possuem pescoço largo, roncam e podem apresentar, além das pausas, sufocamento durante à noite.

Sinais e sintomas

Os mais comuns são ronco, pausas respiratórias, sonolência excessiva durante o dia, irritabilidade, depressão, perda da libido, vontade de urinar à noite, dor de cabeça na hora de acordar, além de dificuldade no aprendizado e na concentração.

Estes sintomas são decorrentes de um sono mais superficial e não reparador, causado pelas pausas respiratórias. Pessoas com apneia do sono têm risco aumentado de hipertensão arterial, infarto cardíaco e de acidente vascular cerebral (AVC). Acidentes no trabalho e no trânsito causados pela sonolência excessiva também são mais frequentes nesses pacientes.

Diagnóstico

O diagnóstico é feito a partir da realização do exame de polissonografia, realizado durante toda a noite de sono para monitorizar simultaneamente diferentes indicadores, como as ondas cerebrais, os movimentos musculares e oculares, os batimentos cardíacos, o fluxo respiratório e a oxigenação sanguínea.

Os pacientes com essa síndrome apresentam pausas respiratórias, vários despertares ao longo da noite e queda da oxigenação durante os episódios.

Tratamento

Pode ser feito com o uso de aparelhos orais e a reabilitação orofaríngeas (musculatura da deglutição e respiração) com profissionais especializados.

O tratamento mais comum é por meio do uso de um aparelho chamado Continuous Positive Airway Pressure (CPAP). Este aparelho gera um fluxo de ar que aumenta a pressão das vias respiratórias, evitando a oclusão destas durante o sono. O paciente dorme com uma máscara nasal que mantém as vias aéreas abertas, sem ronco e apneias durante à noite.

O tratamento diminui o risco de doenças cardiovasculares, como o AVC e o infarto, além de reduzir os acidentes de trânsito ou de trabalho e melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Prevenção

A melhor forma de prevenir a síndrome da apneia do sono é controlar os fatores de risco, como o excesso de peso. Ao observar excesso de sonolência durante o dia ou suspeitar que estão ocorrendo paradas respiratórias durante à noite, é fundamental procurar o médico neurologista. Quanto antes diagnosticada e tratada a apneia, melhor a qualidade de vida do paciente.

Fonte: Dr. Fernando Morgadinho, neurologista e Gerente médico do Programa Integrado de Neurologia do Einstein

 

 

Diabetes

O que é

A doença se caracteriza por uma elevação dos níveis de glicose no sangue, causada pela falta de produção do hormônio insulina no pâncreas ou pela perda da eficiência da ação de insulina em pessoas com excesso de gordura no corpo. A insulina transporta a glicose para dentro das células e permite a sua transformação em energia para o funcionamento equilibrado do organismo.

Quando não controlado, o aumento de glicose no sangue pode levar a danos nos vasos sanguíneos e nervos, acarretando em complicações como disfunção e falência de órgãos como rins, olhos e coração.

Tipos e Causas

Diabetes tipo 1

O sistema imunológico atinge o pâncreas, destruindo as células responsáveis pela produção do hormônio insulina.

Diabetes tipo 2

Responsável por 90% dos casos de diabetes, esse tipo está associado ao ganho de peso. Frequente em pessoas com mais de 40 anos, acontece porque o acúmulo de gordura abdominal dificulta a ação da insulina.

Diabetes Gestacional

Ocorre no período da gravidez por conta dos hormônios produzidos pela placenta. Após o parto a maioria dos casos se reverte.

Fatores de risco

Familiares com diabetes, alteração dos níveis de glicose, acúmulo de gordura abdominal, obesidade e sobrepeso, pressão arterial elevada, sedentarismo e alimentação com baixa ingestão de frutas, verduras e legumes.

Incidência

No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, a doença afeta 12% da população entre 30 e 69 anos. Na população com mais de 65 anos, esse índice sobe para 18% das pessoas.

No mundo todo, mais de 240 milhões de pessoas são portadoras de diabetes. Estima-se que 10% tenham o tipo1, que acomete principalmente jovens no início da fase adulta. Já o tipo 2, forma mais comum da doença, se desenvolve em pessoas com excesso de tecido gorduroso. A diabetes gestacional ocorre em até 5% das mulheres grávidas.

Sinais e Sintomas

A maioria dos pacientes não apresenta sintomas no início do diabetes, por isto pessoas com fatores de risco devem realizar exames de sangue periódicos para avaliar se apresentam a doença. A estimativa é que 50% das pessoas não sabem que têm a doença. Por isso, o acompanhamento regular com um médico é essencial para o diagnóstico precoce.

Quando os níveis de glicose estão extremamente elevados, pode ocorrer vontade frequente de urinar, sede e fome em excesso, fadiga, alterações na visão, mudanças de humor, náuseas e vômitos, fraqueza, perda de peso, dores nas pernas, infecções repetidas na pele, machucados que demoram a cicatrizar, formigamento ou sensação de dormência, principalmente nos pés.

Diagnóstico

É feito por um teste simples para detectar os níveis de glicose no sangue. O nível normal de glicose no sangue é abaixo de 100 mg/dl. Se os níveis de glicose se encontram entre 100 e 127 mg/dl, existe alto risco de desenvolver diabetes, por isto esta situação pode ser denominada pré-diabetes. Se a glicemia estiver acima de 127 mg/dl em 2 exames diferentes ou acima de 200 mg/dl após consumo de carboidratos, é diagnosticado o diabetes.

Tratamento

Pacientes com o tipo 1 de diabetes, também chamado de insulinodependente, precisam fazer reposição diária de insulina.

Para os portadores do tipo 2 o tratamento é feito por meio de comprimidos tomados via oral que atuam na melhora da resposta das células à insulina, no estímulo da secreção (produção e liberação) de insulina pelo pâncreas, na redução da absorção de glicose pelo intestino ou no aumento da eliminação de glicose pela urina. Atualmente, existem medicamentos injetáveis que imitam o efeito de hormônios intestinais melhorando a fabricação de insulina e auxiliando a redução de peso. Após 10 anos de diagnóstico, é comum a necessidade de uso de insulina nos portadores de diabetes tipo 2.

Nos casos de diabetes na gestação, geralmente uma dieta equilibrada e exercícios físicos são suficientes para o controle dos níveis de glicose. Nos casos em que o controle não é possível com dieta e atividade física, podem ser indicadas injeções de insulina.

Independente do tipo de diabetes, o fundamental é a adoção ao tratamento aliada a hábitos saudáveis, como controle da alimentação, prática regular de atividades físicas e controle constante da glicemia.

Prevenção

O primeiro passo é observar a presença dos fatores de risco que podem ser modificados, como o excesso de peso, o aumento da gordura abdominal, o sedentarismo e a dieta desequilibrada.

A redução de 5% do peso corporal associada à pratica de 150 minutos de atividade física por semana reduzem a ocorrência de diabetes em 58% nas pessoas com alto risco. O principal aliado é um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada, atividade física regular e acompanhamento médico periódico.

Fonte: Dr. Rogério Ribeiro, endocrinologista

Hospital Albert Einstein

Pessoas obesas e com diabetes têm maior probabilidade de ter um filho autista

Uma pesquisa publicada recentemente na revista científica Pediatrics, constatou que filhos de mães obesas e diabéticas têm uma probabilidade quatro vezes maior de serem diagnosticados com transtorno do espectro autista, em comparação com aqueles cujas mães não têm nenhuma das condições. Embora a obesidade e o diabetes já sejam condições que separadamente aumentam o risco de desenvolvimento da síndrome, o novo estudo mostrou que, quando combinadas, essa probabilidade dobra.

Os pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, nos Estados Unidos, analisaram os registros de 2.734 crianças nascidas no Centro Médico de Boston (EUA). Nos prontuários havia informações sobre a saúde das mães antes e durante a gestação. Os autores também acompanharam as crianças até o início da infância, quando o autismo geralmente é diagnosticado.

Os resultados mostraram que as crianças cujas mães eram obesas antes da gravidez corriam o dobro de risco de serem diagnosticadas com autismo, quando comparadas com aquelas de mães com peso considerado normal. Mulheres com diabetes antes da gestação ou que desenvolveram diabetes gestacional também tinham duas vezes mais chance de ter um filho com autismo, em comparação com aquelas sem a condição.

“Nossa pesquisa mostra que o risco de autismo começa no útero. Agora é importante para nós tentar entender o que há na combinação de diabetes e obesidade que está potencialmente contribuindo para uma saúde fetal aquém do ideal”, disse Daniele Fallin, coautora do estudo.

No entanto, esse risco foi ainda maior quando as duas condições estavam juntas. O risco de ter um filho com autismo nestes casos era quatro vezes maior, do que o daquelas sem nenhum dos problemas de saúde. Os pesquisadores também descobriram que diabetes e obesidade aumentava o risco de deficiência intelectual na criança.

De acordo com os pesquisadores, obesidade e diabetes são condições que, em geral, já estressam o corpo humano. Pesquisas anteriores sugerem que a obesidade em gestantes pode estar associada com uma inflamação no desenvolvimento cerebral do feto. Outros estudos sugerem que mulheres obesas têm menos ácido fólico, um tipo de vitamina B vital para a saúde e desenvolvimento humano. “Talvez nós precisemos considerar não somente a saúde na gravidez, mas também na pré-gravidez para prevenir o autismo”, disse Daniele.

Diante destes resultados os autores sugerem que mulheres em idade reprodutiva que estão pensando em engravidar lembrem que diabetes e obesidade são condições que podem afetar também a saúde do bebê. Uma melhor administração destas condições pode ter um impacto benéfico e duradouro na vida de ambos.

Fonte: Veja

Antidepressivos e sua relação com implantes dentários

Antidepressivos podem desempenhar um papel crucial na falha de implante dental. (Foto: Lea Rojec/Shutterstock)

Uso de antidepressivo poderia aumentar o risco de falha em implante

Post a commentby Dental Tribune International

BUFFALO, N.Y., E.U.A: Novas pesquisas ligaram antidepressivos à falha em implante dental. O estudo piloto realizado na Universidade de Buffalo verificou que os antidepressivos, um dos medicamentos mais prescritos nos Estados Unidos para tratar a ansiedade, a dor e outros distúrbios, poderiam afetar o regulamento do metabolismo ósseo, um fator crucial para o processo de cicatrização e o sucesso do implante.

No estudo os pesquisadores analisaram dados do prontuário dos pacientes de clínica dentária da universidade em 2014. Eles descobriram que dos poucos pacientes que apresentaram falhas de implante, 33 por cento usavam antidepressivos. Para pacientes que não apresentavam falhas, apenas 11 por cento tomou a droga. Em geral, a análise mostrou que o uso de antidepressivos aumentou as probabilidades de falha de implante em quatro vezes. Cada ano de uso de antidepressivo duplica as chances de falha, os pesquisadores declararam. Por conseguinte, eles aconselham os pacientes em uso de antidepressivos a consultarem seus médicos sobre os efeitos colaterais da droga e os métodos alternativos de gestão de depressão, ansiedade ou dor.

De acordo com os números dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, 11 por cento dos americanos com idade entre doze anos e mais tomaram medicamentos antidepressivos em 2011. Os antidepressivos foram o terceiro medicamento prescrito mais comum, tomados pelos americanos de todas as idades em 2005 a 2008 e o mais frequentemente utilizado por pessoas com idade entre 18 e 44 anos. A partir do período de 1988 a1994 para o período de 2005 a 2008, a taxa de uso de antidepressivo nos EUA entre todos os grupos etários aumentou quase 400 por cento.

O uso de antidepressivo tem sido associado a certo número de efeitos colaterais, incluindo osteoporose, bruxismo e boca seca, que afetam o processo de cicatrização do implante e são motivo de preocupação para os dentistas com relação à saúde óssea e oral, dizem os pesquisadores .

Atualmente, os pesquisadores estão planejando validar as suas primeiras conclusões em um estudo de maior escala.

As conclusões do estudo intitulado “Um estudo piloto: Associação entre uso de antidepressivo e falha de implante,” será apresentado em 19 de março no 45th Annual Meeting and Exhibition of the American Association for Dental Research, realizado em conjunto com o 40th Annual Meeting of the Canadian Association for Dental Research.

Defeitos congênitos colocam crianças em maior risco de maus-tratos

13081509Maus tratos contra crianças parece ser muito mais comum do que as pessoas costumam supor. Vemos isto no atendimento do Hospital Infantil Sabará e este é um assunto discutido em todos os fóruns sobre violência.

Um estudo publicado na Pediatrics online de novembro de 2015, chega a conclusão de que crianças com problemas genéticos e de nascença constituem um grupo de maior vulnerabilidade entre outros.

Um novo estudo, no entanto, descobriu que as taxas de maus-tratos diferem consideravelmente entre os lactentes e crianças com três defeitos congênitos específicos:

  1. Síndrome de Down
  2. Fenda labial com ou sem fenda palatina
  3. Espinha bífida

O estudo com cerca de 3 milhões de crianças nascidas no Texas entre 2002 e 2009 constatou que, entre aqueles com síndrome de Down e com menos de 2 anos, a taxa de maus-tratos não foi significativamente maior do que entre as crianças não afetadas. Em contraste, as crianças com espinha bífida tiveram uma taxa 58% maior de maus-tratos, enquanto entre aqueles com lábio leporino – com ou sem fenda palatina – a taxa foi de 40%.

O que difere estas doenças são as alterações físicas aparentes. Enquanto a criança com Down pode passar despercebida, isto é impossível com crianças com espinha bífida ou lábio leporino.

Os autores do estudo disseram que são necessários programas de apoio extra para os pais de crianças nascidas com deficiência, em especial as condições clinicamente complexas que requerem tratamento intensivo e cuidados durante a infância.

No Brasil ainda temos um longo percurso a fazer contra o preconceito e melhorar a nossa assistência social, além de formar grupos e associações de pais que costumam funcionar muito bem na troca de experiências e apoio entre as pessoas que vivem o mesmo problema.

Fonte: Pediatrics, December 2015, VOLUME 136 / ISSUE 6

Critical Elements for the Pediatric Perioperative Anesthesia Environment

Section on Anesthesiology and Pain Medicine

Fonte: Hospital Sabará

DR. JOSÉ LUIZ SETÚBAL
Dr. José Luiz Setúbal (CRM-SP: 42.740) Médico Pediatra formado na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo , com Especialização na Universidade de São Paulo (USP) e Pós Graduação em Gestão na UNIFESP. Pai de Bia, Gá e Olavo. Avô de Tomás e David.

*

Tireoide: hormônios essenciais para a vida

Sonolência ou perda de sono. Cansaço ou agitação. Intestino preso ou solto. Se o paciente chega ao consultório com alguma dessas queixas, o médico certamente desconfiará que o problema esteja na tireoide. Pudera, nessa glândula são produzidos dois hormônios essenciais – o T3 e o T4 – para que todas as células do organismo funcionem de forma equilibrada.

Tireoide: hormônios essenciais para a vida “Sem os hormônios produzidos pela tireoide não é possível viver”, enfatiza o dr. Ricardo Botticini Peres, endocrinologista do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE). E o médico vai além: “Se os hormônios são produzidos em excesso ou escassez, o organismo todo fica desequilibrado, o que resulta em vários problemas para a saúde”.

O T3 e o T4 são essenciais porque interferem em vários controles do organismo, como os batimentos cardíacos, a temperatura, o metabolismo (conjunto de mecanismos químicos necessários ao organismo) que pode ficar mais rápido ou lento, e os movimentos intestinais. Por isso, quando estão em falta ou em excesso, o corpo todo sente.

Equilíbrio é o segredo

Um dos problemas mais comuns na tireoide, que atinge 20% das mulheres no mundo, é o hipotireoidismo, também chamado de tireoide preguiçosa. Nesse caso, o T3 e o T4 são produzidos em menor quantidade do que o corpo necessita, ou então nem são produzidos. “Isso faz com que o organismo trabalhe mais lentamente”, explica o dr. Peres. Entre os principais sintomas estão: cansaço, desânimo, alteração do padrão de sono, pele seca, aumento de peso, inchaço, aumento da pressão arterial, retenção de líquidos, alterações na menstruação, sonolência e intestino preso.

Quando a tireoide está superativa, chamada de hipertireoidismo, ocorre excesso na produção de hormônios, provocando aceleração das funções do organismo. Os batimentos cardíacos ficam mais rápidos, resultando em taquicardia. A pessoa fica agitada e nervosa, perde o sono e tem diarreia.

Embora as mulheres tenham mais problemas com a tireoide – e mais intensamente durante a menopausa – os homens não estão livres do desequilíbrio hormonal: a proporção é de seis mulheres para um homem. Crianças e adolescentes também podem sofrer de hipo ou hipertireoidismo. As causas, segundo o dr. Peres, são genéticas.

Além do excesso e da falta de hormônios, há também os nódulos que, em até 95% dos casos, são benignos. Sua formação está relacionada à anatomia da glândula, que é rugosa e coberta por folículos onde são estocados os hormônios. Os folículos podem crescer de forma desordenada e tornarem-se nódulos ou cistos, que comprometem ou não o funcionamento da tireoide. “É muito comum haver o nódulo e a glândula funcionar normalmente. Apenas 5% dos casos resultam em problemas mais sérios, como o câncer”, explica o dr. Peres.

Tireoide em dia

Tireoide em dia

A melhor forma de saber se a glândula está funcionando bem é realizar exame de sangue para a dosagem de TSH (do inglês Thyroid Stimulating Hormone), o hormônio da hipófise que controla várias glândulas como os ovários, as suprarrenais e a tireoide. O TSH estimula a glândula a produzir o T3 e o T4, que, em quantidade suficiente, inibem a produção do TSH pela hipófise. Portanto, se a taxa de TSH estiver baixa, os hormônios da tireoide estão em excesso e se o nível estiver acima do esperado, haverá pouco hormônio.

Você também pode gostar de:
Câncer de tireoide
Hipotireoidismo
Ganho de peso é sintoma menos importante de hipotireoidismo
Hormônios: promessas e realidade
Já marcou o seu check-up anual? Conheça e agende seu check-up no Einstein
Os exames de palpação da glândula, realizados nas consultas de rotina, assim como a ultrassonografia, também podem denunciar nódulos. “Normalmente o médico pede um checkup por outra razão e descobre um nódulo. É pouco comum fazer os exames sem ter nada na tireoide”, alerta o médico.

Como não é possível prevenir os problemas na glândula, a receita do endocrinologista é a de que se mantenha uma dieta equilibrada e a prática de atividades físicas regularmente, atitudes que garantem uma vida mais saudável.

Relacionar problemas tiroidianos com ganho de peso é mito, segundo o dr. Peres. “Com os hormônios da tireoide desequilibrados é possível ganhar um pouco de peso e reter líquido, mas não a ponto de colocar a culpa dos quilos a mais nela”, salienta o médico.

Fonte: Hospital Albert Einstein