Escovação

 Quantas vezes devemos escovar os dentes por dia?
Dentistas indicam três vezes ao dia para reduzir as chances de formação da placa bacteriana.

A escovação é a melhor forma de manter a saúde, prevenir e reduzir a placa bacteriana,  promover a remineralização dentária, combater as cáries, a halitose, as doenças bucais e as periodontais. Mas afinal, quantas vezes devemos escovar os dentes por dia: uma vez, três vezes ou sempre depois que comemos?

A recomendação de escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia ocorre por não ser possível garantir que toda pessoa atinja 100% da área dos dentes em uma única escovação diária
Segundo Dagmar de Paula Queluz, professora de Odontologia Social, da FOP-Unicamp, devemos escovar os dentes corretamente ao acordar, após as refeições (pelo menos após a principal) e antes de dormir. “Tem que ser no mínimo três vezes ao dia e durante 2 minutos”, diz a especialista.

Para ter certeza que o trabalho foi feito da forma correta, Dagmar diz que a pessoa pode, após a escovação, passar a língua na superfície dos dentes. “Se tiver lisinho, estão limpos, se não estiver tem que continuar escovando. E esporadicamente o paciente pode usar também o evidenciador de placa (aquela pastilha que deixa vermelha a placa bacteriana)”, diz a especialista.

O dente tem 5 faces que devem ser higienizadas com qualidade. Não vale escovar apenas as partes que vemos. Para isso, o fio dental ajudar e muito o trabalho”, diz a especialista. .

E escovar muito, faz mal?
Há ainda quem leve a risca a indicação “escovar sempre depois das refeições”. Acontece que tem gente que se alimenta de três em três horas e escova os dentes com essa mesma frequência. Esse excesso de cuidado é bom ou ruim?

Segundo Dagmar, escovar os dentes demais não é exatamente um problema. “Escovar os dentes demais é desnecessário, mas se for feito corretamente, não faz mal nenhum. O que prejudica o dente é escovar de forma errada, com pressa ou de qualquer jeito. E quando falo corretamente, me refiro à como escovar (técnica), tipo de escova de dente (cerda macia, cabeça pequena, etc) e tipo e quantidade de pasta de dente”, diz a especialista.

Escovar os dentes com força e com intensidade acaba ferindo a gengiva causando retração gengival e sensibilidade dental. “As infecções periodontais aumentam o risco de doenças cardiovasculares, especialmente infarto do miocárdio e cerebrovasculares, bem como a endocardite bacteriana. Usar a escova de dente para combater isso é um método eficiente, simples e de baixo custo”, diz Dagmar.

Agência Beta

A Cárie não é uma doença contagiosa

A cárie é uma doença que, se não tratada, pode destruir os dentes até causar danos sérios à saúde bucal. No entanto, engana-se quem pensa que as responsáveis pelo seu aparecimento são as bactérias, a cárie na verdade é uma doença totalmente dependente do açúcar e por isso, não pode ser considerada contagiosa.

o vilão responsável pelo aparecimento de cáries não são as bactérias, mas sim o açúcar ingerido diariamente como guloseimas entre as refeições principais na forma de doces, refrigerantes, balas, etc
As bactérias são microrganismos naturais da boca e têm o costume de grudar nos dentes acumulando uma espécie de placa dental. Até aí, normal. O problema todo está quando elas entram em contato com o açúcar.Foto: Elena Schweitzer / Shutterstock

o vilão responsável pelo aparecimento de cáries não são as bactérias, mas sim o açúcar ingerido diariamente como guloseimas entre as refeições principais na forma de doces, refrigerantes, balas, etc

“Toda vez que essas placas são expostas à açucares, as bactérias as transformam em ácidos e esses dissolvem os minerais dos dentes. Esse processo se repetindo mais que 3 ou 4 vezes ao dia durante vários dias vai destruindo de maneira silenciosa (no começo a pessoa não percebe) e progressiva (doença crônica) a estrutura mineral dos dentes até formar um “buraco” na superfície onde a placa estava acumulada”, diz Jaime Aparecido Cury, professor da Faculdade de Odontologia da FOP, Unicamp.

Ou seja, na realidade o vilão responsável pelo aparecimento de cáries não são as bactérias, mas sim o açúcar ingerido diariamente como guloseimas entre as refeições principais na forma de doces, refrigerantes, balas, etc.

Contagiosa NÃO!
Por isso, e outros motivos, a cárie não pode ser considerada uma doença contagiosa. “Como vimos, as lesões de cárie não são provocadas por bactérias, mas sim pelo açúcar, tais bactérias vivem na boca das pessoas naturalmente sem causar problemas e, por fim, a cárie não é transmitida de uma pessoa para a outra. Se a cárie fosse considerada uma doença contagiosa, a única maneira de controla-la seria usando antimicrobianos ou vacinas e essa prática não é feita em nenhum lugar do mundo”, diz Jaime.

A cárie é uma doença totalmente controlável, basta as pessoas escovarem os dentes pelo menos duas vezes por dia com pasta com flúor (mínimo 1.000 ppm) e restringirem o consumo de açúcar a não mais que 6 vezes ao dia, quantidade que vamos combinar, está mais do que suficiente não é?

Troca de bactérias
Apesar disso, há profissionais que afirmam que a troca de bactérias entre casais durante o beijo ou entre mães e bebês pode transmitir a cárie. Jaime discorda e é bastante enfático quanto a isso. “Quanto aos casais realmente há troca de bactérias durante o beijo, mas não são elas que causam a cárie, essa discussão não deveria nem existir. É como trocar seis por meia dúzia”, diz o especialista.

Para Jaime, com relação às crianças, a discussão faz um pouco mais de sentido, mas ainda assim não torna a cárie contagiosa. “Quando as crianças nascem são bacteriologicamente estéreis, ou seja, não apresentam bactérias na boca ou em qualquer parte do organismo. Assim, podem adquirir bactérias da boca das mães, mas as mães, assim como as bactérias, não são as vilãs da cárie. As crianças apenas adquirem as bactérias que irão compor sua microbiota natural, mas para ter a doença cárie é preciso açúcar!”, diz o especialista.

Maus hábitos familiares
O que é realmente transmissível nessa história toda e que faz mal a saúde são os maus hábitos da família com relação ao consumo de açúcar. Em outras palavras, a herança da cárie está no “livro de receitas” e nos costumes que são passados de gerações em gerações. “O mais grave desse equívoco conceitual é a desumanidade provocada por recomendações restringindo o afeto mãe-filhos, como se fossem os 3 pecados capitais: não beijar os filhos; não assoprar suas comidas e não provar a comidinha dos filhos”, finaliza Jaime.

Agência Beta