Visualização de fluorescência poderia melhorar as taxas de recidiva do câncer bucal

Post a commentby Dental Tribune International

VANCOUVER, Canadá: O prognóstico para o câncer bucal não melhorou durante as últimas cinco décadas, principalmente devido à fase tardia no diagnóstico, altas taxas de recorrência após a cirurgia e a dificuldade em captar todo o câncer durante o tratamento. Os pesquisadores agora têm avaliado a eficácia da visualização de fluorescência (FV) e verificaram que esta tecnologia, que poderia facilmente ser implementada na prática clínica, facilitaria a detecção e assim ajudaria a reduzir significativamente a taxa de recorrência em pacientes com câncer bucal .

No estudo, 138 pacientes do sexo masculino e 108 pacientes do sexo feminino com idades entre 18 anos e mais, dos quais 156 tinham carcinoma espinocelular (SCC) e 90 tinham alto grau de lesões pré-cancerosas (HGLs), foram divididos em dois grupos. Um grupo (154 pacientes) foi submetido à cirurgia com FV, enquanto participantes do grupo controle (92 pacientes) foram submetidos à cirurgia convencional.

Os pesquisadores descobriram que os pacientes que haviam sido submetidos à cirurgia com FV mostraram menor recidiva local. Em pacientes com SCC, a taxa de recorrência diminuiu de 40,6% para 6,5%. Entre os pacientes HGL, a taxa de recorrência diminuiu de 39,3% para 8,1%.

“Os resultados destes estudos concluíram que o uso de FV é o mais forte fator  no controle da recidiva local e  o que apresenta uma maior efetividade para controle numa fase precoce do câncer bucal

Para detectar as lesões orais, a equipe utilizou um VELscope, um dispositivo de mão, desenvolvido pela empresa americana LED Dental, que ajuda os dentistas a visualizarem anormalidades do tecido oral. Ele recebeu a autorização da FDA e da Health Canada em 2006.

De acordo com as estatísticas de 2015 fornecidas pela Canadian Cancer Society, cerca de 4.400 canadenses são diagnosticados com câncer de cavidade oral a cada ano, metade dos quais são homens e cerca de 1.200 morrem da doença.

O estudo intitulado “Visualização de fluorescência-cirurgica guiada para a fase inicial de câncer bucal”, foi publicado online em 14 de janeiro na revista JAMA Otolaringology-Head and Neck Surgery antes da versäao impressa. Foi realizado por pesquisadores da University of British Columbia em colaboração com o BC Cancer Research Centre e Simon Fraser University.

Entenda como distúrbios alimentares prejudicam saúde bucal

 Foto:google
 A anorexia e a bulimia podem danificar seus dentes de diversas maneiras. Um indivíduo com bulimia entra em um ciclo de comer compulsivamente e vomitar. Os ácidos estomacais durante o vômito passam pela boca e podem desgastar o esmalte do dente, causando cáries, descoloração e até a perda do dente.

Como os dentes ficam com uma aparência gasta e amarelada, o dentista pode ser o primeiro a notar os sinais deste distúrbio alimentar. A odontologia cosmética pode ajudar a corrigir o esmalte danificado dos dentes.

Na anorexia, a quase inanição priva o organismo dos nutrientes de que necessita. Pode-se desenvolver uma osteoporose com um enfraquecimento dos ossos maxilares que suportam os dentes podendo-se chegar até a perda do elemento dentário.

Em ambos os casos, é essencial que se trate as causas subjacentes que levam à anorexia e à bulimia, bem como que se trate as complicações dentárias delas resultantes. Embora o dentista possa reparar o esmalte danificado dos dentes, ele não poderá tratar o distúrbio alimentar real. Casa você tenha – ou suspeite ter – algum distúrbio alimentar consulte seu médico.

Conteúdo oferecido por: © 2015 Colgate-Palmolive Company. 

Adolescente,o desafio da boa alimentação

Autor: Glaucia Santos e Paula Morelli

Pesquisa clínica e a importância da Plataforma BrasilImpor disciplina alimentar aos filhos é uma missão nada fácil aos pais. Determinar horários e uma alimentação saudável e equilibrada ao público adolescente são desafios diários e requerem uma combinação de informação, carinho e determinação firme.

A adolescência é uma fase de grande vulnerabilidade para o desenvolvimento de distúrbios nutricionais, pelo aumento das necessidades de nutrientes específicos decorrente da aceleração do ritmo de crescimento, do desenvolvimento puberal e das modificações na composição corpórea e também pela presença de hábitos alimentares inadequados, bastante comuns neste período.

A alimentação inadequada na adolescência pode levar ao risco imediato ou em longo prazo ao desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis como a hipertensão, a doença arterial coronariana, as dislipidemias, a obesidade, diabetes e osteoporose.

O consumo excessivo de lanches, compostos principalmente por embutidos, doces e refrigerantes, muitas vezes substituto das refeições de almoço e jantar e a não realização de refeições, especialmente o café da manhã, demostra carência de consumo de frutas, grãos, fibras e produtos lácteos. Estudos demonstram que 35% até 55% da oferta energética diária da alimentação dos adolescentes são advindas pela ingestão excessiva de açúcares, sódio e gorduras saturadas. Um levantamento da Sociedade Brasileira de Pediatria indicou que 30% dos adolescentes pulam a primeira refeição do dia.

Alguns truques podem auxiliar para que nossos adolescentes tenham uma alimentação mais saudável e equilibrada. Um cardápio variado e balanceado, a livre oferta de frutas e o consumo de leguminosas, cereais integrais, legumes e verduras trazem benefícios diários e a promoção da boa saúde.

Algumas dicas para o dia a dia:

– Consumir adequadamente cálcio
– Estimular o consumo de peixes
– Controlar a ingestão de sal
– Evitar a substituição de refeições por lanches
– Estimular a prática de atividades físicas acompanhada por educador físico
– Reduzir e limitar o tempo gasto com atividades sedentárias (TV, videogame e computador)
– Incentivar hábitos alimentares e estilo de vida adequado para toda a família
– Consumir diariamente e de forma variada frutas, verduras e legumes – ótimas fontes de calorias, minerais, vitaminas hidrossolúveis e fibras.
– Variar a alimentação incluindo todos os grupos alimentares e evitar o consumo de refrigerantes, balas e outras guloseimas.

A promoção da alimentação saudável na adolescência, além de suprir as demandas nutricionais desse importante estágio da vida, tem o potencial de conferir significantes benefícios à saúde em longo prazo.
Fonte:Glaucia Santos e Paula Morelli, nutricionistas clínicas do Einstein