Você rói as unhas ???

A onicofagia ou hábito de roer as unhas é um hábito muito comum  relacionado ao emocional do paciente , é de fundo  nervoso e pode estar ligado a ansiedade .Este hábito ocorre de forma repetitiva .Muitas alterações dentárias estão associadas a esse hábito, como fratura nas “pontas dos dentes”, trincas no esmalte e infecções bacterianas pois a mão levada à boca nem sempre está limpa. Para algumas pessoas, elas podem até ser motivo de constrangimento.

Esta  mania começa cedo e pode se estender pela adolescência e vida adulta.

O que leva as pessoas a roerem as unhas não tem um fator orgânico. O hábito normalmente é estabelecido por uma tentativa de controlar ou diminuir a ansiedade. Mas essa possível relação não significa que todos os ansiosos irão roer unha.
As crianças que roem as unhas geralmente começam esse hábito na idade de três e quatro anos. A ansiedade na infância pode estar relacionada ao ambiente familiar. “Algum desequilíbrio na família, o nascimento de um irmão mais novo, alto nível de agressividade dos adultos com a criança, babás despreparadas são alguns fatores que podem levar à tensão infantil”, detalha a psicóloga Luciana Campolina. Normalmente, essa idade é ainda um momento novo para a criança, quando começa a escola.


“O hábito é um processo desenvolvido ao longo do tempo”, explica  Geralmente, os adultos que roem unha não se lembram quando começaram essa mania. Só sabem que faz tempo, mas a maioria começou mesmo na infância.

Para fazer as crianças interromperem com o hábito da onicofagia não passe pimenta nos dedos delas. Essa tentativa é deseconselhada porque elas podem coçar os olhos e irritá-los. Ainda corre-se o risco da criança se acostumar com o gosto e roer mais ainda.

Remédio amargo

O mais indicado para acabar com o vício de roer unhas é que um tratamento dermatológico seja associado ao psicológico. Já existem até remédios que cuidam das unhas e têm gosto amargo para evitar que as pessoas roam as unhas. Mas se esse sintoma não for tratado com maior profundidade, a pessoa pode abandoná-lo e criar outro. “Com a psicoterapia, a causa do sintoma é abordada com mais cuidado”, destaca a psicóloga Luciana Campolina.
A hipnoterapia é também um método usado para tratar a onicofagia.

Dedos são os mais prejudicados
Muita gente pensa que o fato de roer as unhas pode causar problemas digestivos. O médico gastroenterologista Eduardo Aires diz que é um mito: “Não existe influência direta entre roer unhas e distúrbios no aparelho digestivo”.
Ele acredita que a única possível relação entre roer unhas e disfunções desse tipo é que “geralmente, quem rói as unhas é muito ansioso. Essa ansiedade é que pode desencadear doenças no tubo digestivo”, explica Aires. Se a preocupação é com as possíveis pontas de unha que podem ir para o estômago, Eduardo diz que não há problema. “O estômago é capaz de digerir esses restos”, observa.
As inflamações dos dedos são muito comuns, pois quem tem o hábito de roer as unhas, pode machucar os dedos até sangrar. A médica dermatologista Cristiane Dal Magro alerta que o contato com a boca pode piorar as feridas. “A saliva é grande fonte de bactérias e o constante contato com os dedos predispõe a infecções”, explica a médica.

Os dentes de quem rói unha também são prejudicados. “Maloclusão (mordida errada), o apinhamento (dentes encavalados) e giroversões (dentes virados) são os problemas mais comuns na formação dos dentes”, detalha a dentista Rita Trindade. O desgaste do esmalte, ou seja, a capa que protege os dentes é freqüente. Para recuperá-los, o tratamento é feito com resina. Mas dentista alerta: “É fundamental que o paciente acabe com o hábito de roer unhas, senão o tratamento não será eficiente”.