Bem me faz… mal me faz…. Lanchinho anticâncer

Pessoal, olha só que ótima foto encontrei! Ela ilustra bem que alimentação saudável pode ser sim mais saborosa.
Apenas 1 copo de leite integral com açúcar e 1 muffin, possuem juntos mais calorias que o lanche completo ao lado, que tem até direito à sobremesa!
Além da maior quantidade e variedade de alimentos, o lanche da direita contém teores incomparavelmente maiores de vitaminas, minerais,fibras, compostos antioxidantes que previnem o envelhecimento precoce e outros compostos bioativos capazes de prevenir doenças.
O brócolis, por exemplo, contém uma substância chamadaglucosinolato, relacionada à prevenção de câncer de intestino,bexiga, próstata e pulmão. Este alimento também auxilia o processo de desintoxicação do organismo.
 
A maçã contém quercetina, substância antioxidante,anticarcinogênica e com efeitos protetores ao coração, fígado e rins.
Quanto ao lanche da esquerda, pobrezinho… Não só contém quase o dobro de calorias, como faz você sentir fome muito mais rápido.
Outra desvantagem é o teor de açúcar e gordura trans do muffin, ambas aumentam a inflamação no organismo dificultando o processo de emagrecimento.
Qual lanche o seu corpo merece?
Uma bela foto para chegar ficar mais consciente no fim de semana!
 FONTE :Andréia Moura – Nutriblog
REFERÊNCIAS
Shapiro, T. A.; Fahey, J. J. W.; Wade, K. L.; Stephenson, K. K.; Talalay, P.; Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention 2001, 10, 501.
Li F, Hullar MA, Schwarz Y, Lampe JW. Human gut bacterial communities are altered by adition of cruciferous vegetables to a controlled fruit- and vegetable-free diet. J Nutr. 2009;139(9):1685-91.
Behling, EB et al. Flavonóide quercetina: aspectos gerais e ações biológicas. Alim. Nutr., Araraquara, v. 15, n. 3, p. 285-292, 2004.

Decifrando rótulos: Cuidado! O açúcar tem “codinomes”

Resultado de imagem para rótulos de ingredientes com açúcar

Atenção : A ordem em que os ingredientes são listados no rótulo dos produtos segue ordem decrescente de proporção.   Isto significa que o primeiro ingrediente da lista é o que está em maior quantidade, até que o último é o que está em menor.

Portanto, evite comprar produtos cujos primeiros ingredientes da lista sejam: açúcar, gordura e sal.

É importante que vocês saibam também, que nem sempre “açúcar” vem designado no rótulo como “açúcar”. A indústria utiliza outras formas e outros nomes para este carboidrato. Listei alguns pra vocês:

–        Sacarose

–        Glicose

–        Glucose

–        Caramelo

–        Melaço

–        Xarope de glicose

–        Xarope de milho (é um açúcar obtido do amido de milho, mas que apresenta os mesmos malefícios)

–        Açúcar invertido

–        Açúcar de confeiteiro

 Todos estes querem dizer “açúcar”.

Verifiquem também se há algum ingrediente da lista que contém açúcar, tais como: chocolate, calda, granulado, leite condensado, doce de leite.

Vamos ver isso na prática?

 Trouxe as informações do rótulo de um produto para vocês analisarem:

Ingredientes:Cereais (40%), aveia e flocos de cereais ( farinha de arroz e de milho,açúcar, maltodextrina, extrato de malte e sal, gorduras de palma, corantes carmim INS 120 e urucum INS 160b), xarope de glicose, cobertura sabor chocolate (16%) (açúcar vegetal, cacau em pó, soro de leite parcialmente desmineralizado, leite em pó integral, massa de cacau, leite em pó desnatado) sal, emulsificante lecitina de soja INS 322, e éster de ácido ricinoléco com poliglicerol INS 475 e aromatizante, açúcar invertido,maltodextrina, extrato de malte, beterraba em pó, polidextrose, corante carmim INS120, aromatizante e acidulante ácido cítrico INS330 e málico. Pode conter traços de amêndoas, castanha-do-pará, castanha-de-caju, nozes, avelã, soja e leite.

Viram como aparecem várias formas de açúcar (todas as que estão em negrito)? Só neste produto vimos 4! Logo, podemos inferir que este é um alimento com considerável quantidade de açúcar.

Vocês conseguiram descobrir qual é este produto?

Então pasmem – este rótulo é de uma barrinha de cereal!

E todo mundo pensa que todas as marcas de barrinha são supersaudáveis…

Portanto, insisto em dizer: Leiam os rótulos dos alimentos.

FONTE : Andréia Moura – nutricionista -Nutri blog

Crianças devem ser educadas para tomar água

Bebidas açucaradas são calóricas e com pouco ou nenhum valor nutricional, e as pessoas perderam o hábito de beber água às refeições.

Pior do que isso, as crianças não estão sendo educadas para tomar água.

Não existem soluções fáceis para combater a obesidade, que cresce globalmente.

No entanto, especialistas concordam em relação às bebidas açucaradas

“É um simples conselho aos pais: incentivem seus filhos a beber água,” disse Susan Jebb, da Universidade de Oxford. “Uma vez que eles desmamarem, a mensagem deve ser ‘crianças devem beber água’. Leite pode, mas esse deve ser o foco da nossa mensagem.”

Água: um bem essencial, principalmente nos bebés e crianças

“Crianças devem adquirir o hábito de beber água. O problema é que as pessoas não bebem mais água. Eu acredito que as famílias devem colocar água na mesa, e não refrigerante, que deve ser apenas um agrado.” disse Tom Sanders, chefe do departamento de ciências nutricionais e diabetes do hospital King’s College de Londres.

Açúcar e calorias

O grupo de especialistas disse que o principal impacto do açúcar na saúde é como fonte de calorias que podem levar à obesidade.

Além disso, o açúcar pode aumentar o risco de problemas cardíacos e da diabetes tipo 2.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde é de que a ingestão de açúcares não ultrapasse 10% do consumo diário de calorias de uma pessoa – e de que os governos trabalhem com uma meta de 5% para a população.

Os limites devem ser aplicados a todos os açúcares adicionados aos alimentos, assim como o açúcar natural presente no mel, melados, sucos de fruta e concentrados de frutas.

Um grupo de três cientistas da Universidade da Califórnia (EUA) propôs recentemente que o consumo de açúcar deveria ser controlado como cigarro e álcool.

Os brasileiros consomem açúcar acima do recomendado pela OMS, um problema que pode atingir até 60% da população.

Um passo adiante está dando a Grã-Bretanha, onde uma agência do Departamento de Saúde se prepara para publicar seus planos para cortar o consumo de açúcar no país, o que deverá incluir a introdução de um “imposto de açúcar” sobre os refrigerantes.

Os tipos de Sal que existem

Tipos de Sal que existem

Reduzir o consumo de sal de 5g para 3g diárias poderia salvar milhões de vidas. Essa foi a conclusão de um estudo recente conduzido pela Organização Mundial da Saúde, nos Estados Unidos. Mas, afinal, quando foi que o sal se tornou vilão da saúde? Quem melhor responde essa pergunta são os últimos números sobre hipertensão divulgados por grandes instituições. De um lado, o Ministério da Saúde estima que 22,7% da população brasileira sofra da doença. De outro, a OMS calcula que o problema seja responsável por 9,4 milhões de mortes no mundo todos os anos.

Embora esteja relacionada ao histórico familiar, ao sedentarismo, entre outras particularidades, é evidente que a hipertensão ainda tem forte relação com um fator facilmente controlável: a ingestão de sal. Enquanto o consumo diário do alimento deve ser limitado até 2400 mg de sódio por adultos saudáveis, ele deve cair para algo entre 800 e 1.600 mg de sódio por quem tem a doença. Assim, listamos os diferentes tipos de sal e a quantidade de sódio encontrada em cada um deles.

Limite a ingestão e melhore sua qualidade de vida.

1 DE 10

Sal refinado - Foto Getty Images

Sal refinado

Especialistas defendem que o sal refinado ou de cozinha deveria ser usado com moderação na preparação dos alimentos e retirado da mesa para evitar a adição a refeições já prontas. “Ele é uma mistura de 60% de cloreto e 40% de sódio, substâncias que, juntas, formam o sal”, explica a nutricionista Roseli Rossi, da clínica Equilíbrio Nutricional, em São Paulo.

1 g de sal refinado = 400 mg de sódio

Sal light - Foto Getty Images

Sal light

O sal light pode ser uma boa alternativa para controlar melhor a hipertensão. Embora 50% de sua composição seja de cloreto de sódio, 50% são de cloreto de potássio, aponta a nutricionista Sandra da Silva Maria, da clínica Gastro Obeso Center. O que isso significa? O corpo depende de um equilíbrio hídrico regulado por sódio e potássio, sendo o primeiro retentor de líquidos e o segundo diurético. Ingerindo os dois, portanto, o organismo não retém tanta água e, assim, não leva ao aumento da pressão arterial. Ele só não é recomendado a indivíduos com doenças renais, uma vez que o problema leva ao acúmulo de potássio nos rins, o que pode favorecer doenças cardíacas.

1 g de sal light = 197 mg de sódio

Sal grosso - Foto Getty Images

Sal grosso

Tradicionalmente usado para temperar carnes, o sal grosso evita o ressecamento dos alimentos justamente por não ter passado pelo processo de refinamento. Ele apresenta a mesma quantidade de sódio do sal de cozinha, portanto.

1 g de sal grosso = 400 mg de sódio

Flor de sal - Foto Getty Images

Flor de sal

“Considerado um sal gourmet, a flor de sal costuma estar presente apenas em restaurantes mais requintados”, aponta a nutricionista Sandra. O tempero é obtido na camada superior das salinas antes de serem depositadas no fundo, quando, então, se transformam no sal marinho. A coloração acinzentada se dá devido à presença de areia, mas também é comum o uso de outros elementos para alterar a cor do produto.

1 g de flor de sal = 450 mg de sódio

Sal marinho - Foto Getty Images

Sal marinho

De acordo com a nutricionista Roseli, o sal refinado e o marinho são praticamente iguais, contendo mais de 99% de sódio em sua composição. A principal diferença está no formato dos grãos: enquanto o primeiro é refinado para passar pelo buraco do saleiro, o segundo passa por um refinamento mais rústico, resultando em grãos irregulares, mas não tanto quanto os do sal grosso. “Essa particularidade faz com que o sal marinho gere uma ‘explosão de sabor salgado’ na língua”, afirma a nutricionista Roseli. Assim como o sal de mesa, ele pode temperar carnes, aves, peixes, verduras e legumes, realçando o sabor desses alimentos.

1 g de sal marinho = 420 mg de sódio

Sal negro - Foto Getty Images

Sal negro

O sal negro é um sal não refinado procedente da Índia. “Por conta de compostos de enxofre presentes em sua composição, ele tem um forte sabor sulfuroso”, diz a nutricionista Roseli. Outro fator que chama a atenção é a cor cinza rosada, que evidencia sua origem vulcânica. Além de compostos sulfurosos, o sal negro é formado por cloreto de sódio, cloreto de potássio e ferro. Pode temperar receitas com carne, aves e peixes e também ser utilizado na finalização de pratos.

1 g de sal negro = 380 mg de sódio

Sal rosa do Himalaia - Foto Getty Images

Sal rosa do Himalaia

Encontrado aos pés do Himalaia, região que há milhões de anos foi banhada pelo mar, o sal do Himalaia é considerado o mais antigo e puro dos sais marinhos. “Ele tem quase metade do sódio encontrado no sal comum e possui mais de 80 minerais, tais como cálcio, magnésio, potássio, cobre e ferro”, afirma a nutricionista Roseli. Por conta disso, os cristais ganham tom rosado e sabor agradável e suave. De acordo com a especialista, ele pode ser usado em carnes, aves, peixes, saladas e legumes, além de cair muito bem na finalização e decoração de alguns pratos.

1 g de sal rosa do Himalaia = 230 mg de sódio

Sal líquido - Foto Getty Images

Sal líquido

“O sal líquido é obtido pela dissolução de sal de altíssima pureza e sem aditivos em água mineral”, explica a nutricionista Roseli. Com embalagem contendo 250 ml, trata-se do primeiro e único sal iodado do Brasil apresentado na forma líquida. Com sabor suave, o sal líquido pode ser usado em todos os alimentos, sem alterar suas características. Além disso, sua aplicação em spray permite a distribuição uniforme do sal na medida de seu paladar. Tal característica também permite controlar melhor as quantidades ingeridas.

0,1ml de sal líquido em spray = 11mg de sódio

Sal do Havaí - Foto Getty Images

Sal do Havaí

Essa variedade de sal não é refinada e tem coloração avermelhada, devido a presença de uma argila havaiana chamada Alaea, rica em dióxido de ferro. De sabor suave, pode ser acrescentada a várias receitas, como saladas, massas, grelhados e aves. “Tem quase a mesma quantidade de sódio encontrada no sal comum, portanto, nada de mão pesada no saleiro”, afirma a nutricionista Roseli.

1 g de sal havaiano = 390 mg de sódio

Sal defumado - Foto Getty Images

Sal defumado

Existem diferentes tipos de sais defumados, usado principalmente na culinária requintada tem um preço bastante salgado. No entanto, os mais tradicionais e cobiçados são o francês – também chamado de fumée de sel – e o dinamarquês. “O sal defumado francês é feito com cristais de flor de sal defumados lentamente, em fumaça fria resultante da queima de ripas de barris de carvalho usados no envelhecimento de vinho chardonnay”, explica a nutricionista Roseli. Já o sal defumado dinamarquês é feito segundo a tradição viking: após a evaporação da água do mar, o sal é secado em recipiente aberto sobre uma fogueira fumacenta, feita com galhos de madeiras aromáticas, como carvalho e cerejeira.

1g de sal defumado = 395 mg de sódio

Sucos de soja são tão erosivos quanto versões industrializadas de laranja e limão

Sucos de soja têm potencial erosivo similar ao de sucos industrializados de laranja e limão. Por outro lado, o leite de soja consegue proteger o dente desse processo. Essas são as conclusões de um estudo realizado na Faculdade de Odontologia (FO) da USP pelas doutorandas Karina Lachowski e Tatiane Alexandre de Oliveira. Sob a orientação da professora Maria Ângela Pita Sobral, as pesquisadoras analisaram os efeitos do leite e sucos de soja nos dentes, comparando-os com as suas respectivas versões sem o grão.

De acordo com a professora, o desgaste dental pode acontecer de duas formas. Uma delas é o desgaste mecânico, que acontece através da escovação e do próprio uso dos dentes. A outra é a erosão, ou seja, a ação de ácidos nos dentes. Essas substâncias podem ser encontradas em diversos alimentos, como sucos de laranja e limão, refrigerantes, isotônicos e, inclusive, medicamentos.

Tatiane explica que o leite funciona de maneira oposta aos ácidos. Segundo ela, a erosão dental é causada pela por ácidos que podem vir tanto da dieta quanto do próprio organismo, como no caso de pessoas com problemas de refluxo ou bulimia. Eles ocasionam a perda de estrutura do dente, como os íons cálcio e fosfato. O leite, por sua vez, é rico em cálcio e algumas proteínas, que favorecem a proteção do dente contra os ácidos. As pesquisadoras consideraram essa situação e se propuseram a avaliar se o leite de soja poderia proteger da mesma maneira que o leite de vaca e, além disso, se a presença da soja em alguns sucos causaria  um potencial de erosão menor que o dos sucos industrializados.

Maior desgaste

Segundo Karina, uma das causas do aumento desse desgaste é o fatos de os dentes durarem mais. Isso é reflexo do maior acesso à informação por parte da população de uma mudança de abordagem no tratamento, que passou a ter um foco mais preventivo. A professora Maria Ângela completa: “Antes o grande problema da odontologia era a cárie, e hoje nós lidamos com a questão do desgaste do dente”.

A mudança alimentar na população que aconteceu ao longo dos tempos aumentou o consumo dos alimentos ácidos. Tatiane explica que as pessoas procuraram comer ítens mais saudáveis, como frutas, por exemplo. Além disso, cresceu também a ingestão das bebidas industrializadas. No entanto, em excesso, alguns deles podem causar a erosão. “Como hoje as pessoas têm menos perda dos dentes do que antigamente , eles sofrerão as ações dos ácidos por tempo maior”, diz.

Leite x suco

Maria Ângela explica que os testes indicaram que sucos de soja são tão erosivos quanto os normais. Segundo ela, o suco está um pouco dissolvido na soja, mas a capacidade de causar erosão ainda é alta. O leite de soja, por outro lado, protegeu o dente contra a erosão. No entanto, Tatiane faz uma ressalva: “Ele protegeu por causa de outras substâncias que encontramos no leite, não por causa da soja”.

Tatiane ainda afirma que o potencial erosivo dos sucos normais e de soja pode ser aumentado pela própria escovação dentária. Ela explica que o ácido amolece o dente, porém a própria saliva consegue recuperar a situação em algum tempo. Porém, com a ação mecânica da escova, os íons são arrancados e não conseguem mais aderir ao dente. “O que se perde não se recupera”, sintetiza.

Por isso, Maria Ângela destaca que a odontologia hoje difunde a ideia não se escovar os dentes logo após a ingestão de uma bebida ácida justamente para proteger os dentes contra o desgaste da erosão. No entanto, ela adverte: “se a pessoa tiver problemas com cáries, ela vai precisar escovar os dentes em seguida porque os sucos em geral têm uma quantidade muito grande de açúcar”.

Fonte: FOUSP

Transtornos alimentares causam erosão dental e podem ser detectados primeiramente no consultório odontológico

A bulimia é uma doença caracterizada por padrões de comportamento alimentar perturbados, um controle patológico do peso corporal e distorções na percepção da forma do corpo. Como envolve questões complexas, ela necessita de uma abordagem multidisciplinar envolvendo psiquiatras, psicólogos e nutricionistas. Entretanto, são os dentistas que podem identificar os primeiros sintomas desse tipo de comportamento.

Juntamente com o atendimento médico, os procedimentos odontológicos devem fazer parte do plano de tratamento da pessoa que sofre de bulimia
Juntamente com o atendimento médico, os procedimentos odontológicos devem fazer parte do plano de tratamento da pessoa que sofre de bulimia

Foto: Anton Zabielskyi / Shutterstock

Dentre os profissionais citados acima como aptos a ajudar a reconhecer e tratar o problema, o dentista é o mais procurado periodicamente. “Somos os que mais vemos os pacientes em intervalos frequentes e com os quais os eles se sentem à vontade para discutir seus problemas, aflições e comumente relatam sobre sua alimentação”, diz Ana Cecília Corrêa Aranha, professora associada do Departamento de Dentística da Faculdade de Odontologia da USP (FOUSP).

Além disso, muitas vezes a pessoa que está sofrendo com esse transtorno alimentar não quer falar diretamente do assunto, mas procura o dentista para tratar dos problemas bucais que a bulimia esta causando. É aí que a percepção e o tato do dentista entram em cena.

“Muitas vezes o paciente procura o profissional, pois apresenta uma dor aguda ao comer algo gelado, doce ou ao escovar os dentes. O dentista ao se deparar com o desgaste pronunciado dos dentes pode reconhecer os aspectos odontológicos e identificar através de exames mais completos algum transtorno e recomendar ao colega médico”, diz a especialista.

Bulimia x Saúde Bucal
Apesar de aparentemente não ter ligação, transtornos alimentares como a bulimia e a anorexia podem afetar bastante a saúde bucal. “Algumas consequências orais desses transtornos são a erosão dental, o desgaste do esmalte causando dentina exposta e hipersensibilidade dentária, xerostomia (boca seca), aumento de das glândulas parótidas (que produzem a saliva), cárie, doença periodontal, trauma na mucosa e faringe de entre outras”, diz Ana Cecília.

Isso tudo acontece porque as pessoas que sofrem de bulimia, por exemplo, costumam ter compulsão por comida ingerindo grande quantidade de alimentos, muitas vezes calóricos. Para piorar, depois disso, elas sofrem uma crise de consciência e forçam o vômito ou tomam laxantes para “voltarem a ser magras”. Esse mix de alimentos, remédios e vômitos prejudicam demais a cavidade bucal.

Por isso que, juntamente com o atendimento médico, os procedimentos odontológicos devem fazer parte do plano de tratamento da pessoa que sofre de bulimia. “O dentista deve promover a saúde oral, recuperar a função mastigatória e devolver as características estéticas do sorriso do paciente”, diz Ana Cecília.

Tratamentos
Após o atendimento de emergência, práticas preventivas devem ser o objetivo do tratamento desse tipo de paciente, isso porque o processo de erosão do esmalte é irreversível. “O foco principal deve ser evitar uma maior destruição da estrutura do dente”, diz a especialista.

Aqueles com sintomas de boca seca devem usar saliva artificial que tem um efeito lubrificante sobre os tecidos. “Goma de mascar sem açúcar após as refeições pode aumentar a remineralização e aumentar o fluxo salivar para um efeito anticárie. A dieta e seu papel na formação de cáries devem ser apresentadas ao paciente, bem como as recomendações para diminuir a ingestão de alimentos cariogênicos e ácidos”, diz Ana Cecília.

Uma combinação de um exame regular profissional, profilaxia, aplicação de flúor, e um rigoroso regime em casa pode evitar uma maior deterioração dental. “Além disso, o paciente deve ser instruído a não escovar seus dentes imediatamente após o vômito provocado e a utilizar alguma substância neutralizadora (bicarbonato de sódio com água ou fluoreto de sódio neutro) durante esses episódios”, diz a especialista.

É sempre bom lembrar que pacientes com transtornos alimentares estão preocupados com sua aparência física, portanto a manutenção do sorriso pode ser um tipo de tratamento bem aceito por ele.

Fonte : Terra/FOUSP

Odontologia Especializada

%d blogueiros gostam disto: