Estudo aponta associação da poluição ambiental a acidente vascular cerebral

Todos os anos, aproximadamente 15 milhões de pessoas sofrem um acidente vascular cerebral (AVC) no mundo. Cerca de seis milhões morrem e cinco milhões apresentam sequelas incapacitadoras permanentes. Segundo estudo inédito publicado pelo Lancet Neurology, importante periódico científico internacional, um dos principais fatores de risco externo é a má qualidade do ar. Cerca de um terço (29,2%) da incapacidade global ligada a acidente vascular cerebral está associada à poluição ambiental. Segundo o Prof. Dr. Jefferson Gomes Fernandes, diretor da Faculdade de Educação e Ciências da Saúde do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e um dos coautores do estudo internacional, foi surpreendente descobrir o quanto a poluição do ar pode contribuir para o risco de se sofrer um AVC. “Estes achados são importantes para ajudar os governos a desenvolver e priorizar programas e políticas de saúde pública”, afirma.

O estudo apontou também outros fatores de risco globais já conhecidos, como hipertensão arterial, sobrepeso, dieta pobre em frutas, vegetais e cereais integrais, consumo excessivo de sal e altas taxas de açúcar no sangue. Ainda segundo os pesquisadores, cerca de 74% de todos os casos de AVC poderiam ser prevenidos com a mudança no estilo de vida, como não fumar, a adoção de uma alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos.

Fonte:Hospital Alemão Oswaldo Cruz