O que é mordida aberta?

A mordida aberta é a deficiência de contato entre dentes superiores e inferiores, ou seja, os dentes superiores não se encontram com os inferiores. Pode ser na região anterior ou posterior. Pode estar presente na dentição de leite, mista (dentes de leite mais permanentes) ou na dentição permanente.As causas são várias, tais como a presença de hábitos com chupeta, mamadeira, sucção de dedo, sucção de objetos estranhos (fraldas, cobertores) e roer unhas. Pode ser hereditária, devido à respiração bucal, tamanho da língua, presença de síndromes, problemas neurológicos, etc.

13450816_568193976717963_1455854512150711281_n

 

Como é feito o tratamento?
Geralmente é feito com tratamento ortodôntico e tratamento fonoaudiológico. O tratamento ortodôntico é necessário para que aconteça o alinhamento dos dentes e o tratamento fonoaudiológico para que a criança (ou o adulto) aprendam a posicionar corretamente a língua durante a fala e deglutição.
No caso da mordida aberta ser provocada por hábitos (chupeta, mamadeira, sucção digital), o hábito deverá ser removido para que se feche a mordida, através de aparelhos miofuncionais . No caso de crianças até 4 anos mais ou menos, quando a mordida aberta é provocada pelo uso de chupeta/mamadeira, ao se remover o hábito geralmente a mordida se fecha sozinha, mas geralmente tende a se cruzar na região posterior.

‪ Fonte :‎MordidaAberta‬ ‪#‎OrtodontiaMiofuncional‬

Qual é o melhor tipo de adoçante?

Açúcar ou adoçante? Essa é uma dúvida que acompanha o cotidiano das pessoas, principalmente as que querem emagrecer e que precisam viver com algumas restrições alimentares. Essa escolha pode ser mais complexa do que parece se sua composição e indicações de uso forem avaliadas. E mais importante que garantir a boa forma é tomar uma decisão que não comprometa a sua saúde. A nutricionista Nairana Borim, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, esclarece alguns conceitos sobre os adoçantes e orienta sobre a utilização dos mesmos.

Os melhores açúcares para utilização são o orgânico e o mascavo, pois não passam por processo de refinamento, mantendo assim mais vitaminas e sais minerais. O orgânico ainda tem uma vantagem sobre o mascavo por ser produzido sem aditivos químicos. Para quem precisa perder ou controlar o peso e não se adapta ao uso de adoçantes, existe a opção do açúcar light, uma mistura de açúcar refinado com adoçantes. Contudo, este deve ser evitado por diabéticos, pois possuem sacarose em sua composição.

Em 2008, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) decidiu reduzir a quantidade máxima da sacarina e do ciclamato (adoçantes artificiais) em bebidas e alimentos. Alguns estudos mostraram o impacto negativo dos edulcorantes para a saúde humana. Os adoçantes mais indicados atualmente são os à base de esteviosídeo e de sucralose, pois são extraídos de vegetais e frutas, portanto, naturais e sem contraindicações.

Confira a seguir os principais tipos de adoçantes existentes e suas características:

Naturais (extraídos de vegetais e frutas)

Adoçante Principais Características

Esteviosídeo
Tem 300 vezes mais poder edulcorante em relação à sacarose (presente no açúcar).
Pode ser consumida sem nenhuma contraindicação por qualquer pessoa.
Não produz cáries, nem é calórica, tóxica, fermentável ou metabolizada pelo organismo.
Usado como adoçante de mesa, gomas de mascar, balas, bombons, bebidas, gelatinas, pudins, sorvetes e iogurtes dietéticos.

IDA (Ingestão diária aceitável): 5,5 mg/kg de peso corporal.

Sucralose
É uma molécula modificada da sacarose.
Poder edulcorante em relação à sacarose: 600 vezes.
Não deixa sabor residual, não provoca cáries e não é metabolizada pelo organismo, sendo eliminada por completo em 24 horas pela urina.
Pode ser consumida sem nenhuma contraindicação por qualquer pessoa.
Estável sob altas temperaturas, sendo utilizado em preparações destinadas à cocção.
Usado como adoçante de mesa e em preparações quentes.

IDA: 15 mg/kg de peso corporal.

Artificiais (produzidos em laboratório)

Adoçante Principais Características

Sacarina
Substância derivada do petróleo.
Poder adoçante em relação à sacarose: 300 vezes.
Sabor residual amargo em concentrações altas. Redução de sabor residual pela mistura de sacarina com o ciclamato.
Submetida ao calor, não perde suas propriedades.
Não deve ser utilizada por pacientes hipertensos ou que tenham tendência a reter líquidos devido ao sódio.

IDA: 5 mg/kg de peso corporal.

Ciclamato
Substância derivada do petróleo.
Poder adoçante em relação à sacarose: 40.
Sabor agridoce é semelhante ao açúcar refinado (apresentando um leve gosto residual).
Estável sob altas temperaturas, pode ser utilizado em preparações destina­das à cocção.
Usado como adoçante de mesa, gomas de mascar, bebidas, congela­dos, refrigerantes, geleias e sorvetes.
Deve ser evitado por hipertensos, já que costuma aparecer na forma sódica, ou seja, combinado com sódio.

IDA: 11 mg/kg de peso corporal.

Aspartame

É produzida a partir dos aminoácidos encontrados normalmente nos alimentos: fenilalanina e ácido aspártico.
Poder adoçante em relação à sacarose: 200 vezes
Não apresenta sabor residual amargo.
Sensível ao calor, perde o seu poder de adoçamento em altas temperaturas.
Usado como adoçante de mesa, misturas, pós, gomas de mascar, balas, sobremesas, bebidas, conge­lados, refrigerantes, coberturas, xaropes e produtos lácteos.
É contraindicado para portadores de fenilcetonuria, uma doença genética rara que provoca o acúmulo de fenilalanina no organismo, causando retardo mental. Pelo mesmo motivo, também se desaconselha o uso por grávidas.

IDA: 40 mg/kg de peso corporal.

Acesulfame-K

Derivado do potássio.
Poder adoçante em relação à sacarose: 200 vezes.
Apresenta sabor amargo em altas concen­trações.
Estável sob altas temperaturas.
Usado como adoçante de mesa, em gomas de mascar, bebidas, café e chás instantâneos, gelatinas, pu­dins, produtos lácteos, panifica­ção e sorvetes.
É eliminada em 24 horas pela urina, de forma inalterada.

IDA: 15mg/kg de peso corporal.

Dicas

• Dissolva bem o açúcar ao colocá-lo nas bebidas. Isso ajuda a reduzir o consumo.
• Observe ao terminar de consumir a bebida que foi adoçada, se existem vestígios de açúcar no fundo do copo ou jarra. Em caso positivo, isso significa que o mesmo precisava ser mais dissolvido e que você utilizou mais açúcar do que o necessário.
• Aproveite o açúcar natural presente na fruta, por exemplo, ao consumi-la na forma de sucos ou in natura.
• Se consumir leites com achocolatado, evite adoçar a bebida. O produto já contém açúcar em sua composição.
• Se utilizar adoçantes líquidos, conte as gotas.
Fonte :Hospital A.Oswaldo Cruz