Amamentação: você sabia que o leite materno tem diferentes fases?

Saiba mais sobre as fases do leite materno e entenda porque ele é tão importante para o desenvolvimento do bebê


Fases do Leite Materno

A amamentação tem diversos benefícios, entre eles a reduzir o risco de doenças, além de estimular o desenvolvimento físico e cognitivo do bebê e orquestrar a colonização adequada do intestino. Mas você sabia que existem fases do leite materno? Que ele passa por algumas mudanças nos primeiros dias após o início da amamentação?

O leite materno é um complexo fluído que fornece a quantidade de água e nutrientes necessários para o bebê. Contém proteínas, lipídeos e carboidratos que são absorvidos pelo organismo da criança. Mas, ao contrário do que muita gente pode acreditar, o leite da mãe não é igual o tempo todo. Na verdade, ele sofre alterações durante todo o período de amamentação para se adaptar às necessidades da criança. Existem três fases do leito materno: o colostro, o leite de transição e o leite maduro.

Fases do Leite Materno

Colostro
Esse é o primeiro leite produzido pela mãe, entre o 1° e o 5° dia após o parto. É um líquido mais transparente ou amarelo, que é rico em proteínas. Também possui alta concentração de imunoglobulinas, o que faz com que tenha um papel de destaque para a imunidade do recém-nascido.
Saiba mais sobre o que é o colostro?

Leite de transição
A quantidade de leite aumenta entre o 6° e o 15° dia após o nascimento do bebê. E sua composição também é alterada: ele se torna mais rico em gorduras e nutrientes que contribuem para o desenvolvimento e o crescimento da criança.

Leite maduro
É o leite que alimentará o bebê do 15° dia em diante. Ele contém todos os nutrientes necessários para o desenvolvimento físico e cognitivo da criança.

É importante lembrar que a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o aleitamento exclusivo nos 6 primeiros meses de vida, podendo ser prolongado até os 2 anos ou mais.


Bibliografia: Nicholas J. Andreas, Beate Kampmann, Kirsty Mehring Le-Doare. Human Breast Milk: A review on its composition and bioactivity. Early Human Develpment. 2015;91: 629-635.

Os primeiros dentinhos nasceram. E agora?

Entenda a importância do cuidado com os dentes de leite para a saúde bucal do bebê

primeiro dentinho nasceu! E agora, o que fazer? Já devo levar meu bebê ao dentista? Como escovar os dentes dele? Essas são apenas algumas das dúvidas de pais e mães de primeira viagem e, para ajudá-los, o Fundo Global Para os Dentes da Criança preparou uma cartilha especial para a saúde bucal do bebê. Veja algumas dicas:
Os primeiros dentinhos nasceram. E agora_
Procure um dentista
Sim, você já pode procurar um profissional! De acordo com a cartilha, uma consulta com um especialista deve ser feita quando os primeiros dentes de leite aparecerem. Assim, o profissional poderá acompanhar a saúde bucal do bebê e dar recomendações aos pais e a criança vai se acostumando desde cedo ao ambiente do consultório odontológico.

Cuide da alimentação
Uma dieta balanceada e rica em nutrientes favorece a formação dos dentes. O Fundo Global Para os Dentes da Criança também ressalta a importância da amamentação para os dentes. O ato de sugar o peito da mãe estimula o desenvolvimento da arcada dentária. Portanto, a recomendação é que crianças com até 6 meses de idade recebam o leite materno como fonte exclusiva de alimento.

Escove os dentinhos
Assim que os primeiros dentes de leite aparecerem, os hábitos de higiene oral devem começar. Procure uma escova especial e uma pasta de dente adequada para a idade de seu filho.
O cuidado nos primeiros 1000 dias influenciam em toda a vida do bebê!

Bibliografia: Cartilha: saúde bucal do bebê. Radar da Primeira Infância. 2016.

Saúde Oral e o Bebê. Global Child Dental Fund. Disponível em: gcdfund.org

Como é o consumo alimentar de crianças nos primeiros anos de vida no Brasil?

Revisão realizada sobre a nutrição infantil brasileira mostra que é preciso manter a atenção ao consumo de vitaminas e minerais na primeira infância

Você sabia que a alimentação é um dos fatores que influenciam o crescimento saudável de seu filho? Anutrição adequada e balanceada é essencial principalmente nos 2 primeiros anos de vida, quando o bebê passa por um rápido e intenso desenvolvimento. Mas como está o consumo alimentar das crianças brasileiras?

Uma revisão realizada na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, analisou 16 estudos publicados entre 2003 e 2013 sobre o consumo alimentar de crianças brasileiras entre 6 meses e 5 anos. O que os pesquisadores apontam é que a ingestão de micronutrientes é inadequada na dieta infantil, se apresentando como um problema de saúde pública no país.

Abaixo, veja alguns dos micronutrientes mais citados e entenda os papéis que exercem no desenvolvimento e no crescimento de seu filho:

shutterstock_14505994

Ferro
Tem ação no crescimento físico adequado da criança. Além disso, esse micronutriente atua no desenvolvimento das habilidades cognitivas e no rendimento intelectual.

Zinco
O zinco desempenha uma importante função tanto no crescimento quanto no sistema imunológico

Vitamina A
Essa vitamina também desempenha uma função fundamental para a imunidade da criança. Ela auxilia na produção de células que atuam na defesa do corpo contra infecções. A vitamina A ainda age no desenvolvimento da visão de seu filho.

Segundo o artigo, a ingestão adequada desses micronutrientes é essencial para a saúde de seu filho, principalmente nessa fase em que ele está desenvolvendo seu sistema imunológico e suas habilidades físicas e cognitivas.

É importante lembrar também que a nutrição de seu filho começa ainda na barriga. Após o nascimento, a criança recebe os nutrientes necessários para seu desenvolvimento através do leite materno e, futuramente, dos alimentos oferecidos pelos pais. Por isso, é necessário procurar a orientação de um médico e/ou nutricionista para garantir uma dieta adequada e rica em micronutrientes para mãe e bebê.

Bibliografia: Carvalho CA. Consumo alimentar e adequação nutricional em crianças brasileiras: revisão sistemática. Rev. Paul. Pediatr. 2015; 33(2):211-221.

Primeiros 1000dias