SORRISO INVOLUNTÁRIO: POR QUE TEMOS VONTADE DE DAR RISADA EM MOMENTOS IMPRÓPRIOS?

Quem nunca passou por uma situação inusitada em que era proibido dar risada, mas involuntariamente, ficou com mais vontade de soltar aquele sorriso? Pois bem, tenho certeza que se identificou. Você sabe por que o sorriso involuntário acontece?

Hoje mostraremos porque temos vontade de rir em momento impróprios e também vamos compartilhar dicas de como reagir em situações deste tipo.

Por que o sorriso involuntário acontece?

Primeiro, é interessante entendermos por que nosso corpo age dessa forma. Somos seres sociais, o riso uni as pessoas, seja qual for a situação.

Usamos o sorriso como uma forma de criar laços afetivos. É natural associarmos pessoas que vivem sorrindo, como alguém feliz e sociável.

Por isso, mesmo em momentos impróprios, aparecem as famosas risadas involuntárias.

Sorrir quando se está triste

Fazemos isso para amenizar uma situação e demonstrar aos outros que estamos bem. O riso libera endorfina, ou seja, faz com que a gente fique mais relaxado e diminui dores físicas e psicológicas.

Não é incomum ver pessoas contando piadas em velórios ou acidentes. Nesses casos, usamos o sorriso como uma forma de defesa natural, ele serve como uma descarga de emoções.

Posso sorrir em foto oficial?

Uma dúvida bem comum que existe na cabeça de muita gente, é se podemos sorrir em fotos oficiais, ou seja, em fotografias de RG, CNH, Carteira de estudante, entre outros. Com o passar dos anos, se criou diversos mitos sobre o assunto, mas não existe nenhuma lei que impeça alguém de sorrir em situações deste tipo. Portanto, solte o sorriso e aproveite a ocasião.

Vale destacar que em contrapartida, expressões irônicas, de menosprezo ou raivas são proibidas na hora do flash, porque dificultam o reconhecimento da pessoa.

Seu sorriso está em dia?

Agora, você já sabe que na hora da foto em documentos oficiais não há nada que te proíba de mostrar os dentes. Mas você está feliz com o seu sorriso? Tem algo nele que gostaria de melhorar?

Sabia que existe uma maneira de conquistar um sorriso ainda mais bonito, sem influenciar em sua aparência ou estilo de vida?

Os alinhadores transparentes Invisalign existem para te acompanhar em todos as ocasiões. Esse tratamento ortodôntico consiste em melhorar seu alinhamento dentário de uma forma em que sua rotina não precise mudar.

Com os alinhadores Invisalign, você vai sorrir mais. Os bons momentos serão registrados sem que se preocupe com a estética.

Na hora da foto, apenas o seu sorriso será notado. Agora você tem mais um motivo para dar risada. Agende uma consulta e tire suas dúvidas.( 11 )3726-8905

ATENDIMENTO ODONTOLÓGICO AO RECÉM-NASCIDO

Ao nascimento, todas as partes do corpo do recém-nascido precisam ser examinadas pela equipe neonatal da maternidade, inclusive a boca, que é fundamental ao lactente para sugar, deglutir e realizar o aleitamento materno.

Os movimentos realizados pelo lactente durante o aleitamento
materno fazem com que todas as estruturas orais, como lábios, língua, bochechas, articulações temporo-mandibulares, ossos e músculos, se desenvolvam e se fortaleçam harmonicamente, permitindo uma ação sincronizada das funções vitais de sugar, deglutir e respirar pelo nariz, que irão influenciar o futuro encaixe dos dentes de leite.

Então, logo que possível, deve ser realizado um exame mais detalhado por um especialista nesta área, odontopediatra, a fim de promover a saúde oral e favorecer a qualidade de vida do lactente.
A cavidade oral do recém-nascido tem algumas características próprias.
Algumas alterações podem ser consideradas normais da fase, e se
modificam ou desaparecem ao longo do tempo. Entretanto, algumas destas alterações podem precisar de intervenção odontológica, como: cistos,tumores, lesões em tecidos moles causados por bactérias, fungos e vírus.
Os freios da boca também precisam ser avaliados. Existem os freios dos lábios (superior e inferior) e o freio da língua. O freio da língua, quando é encurtado (anquiloglossia), pode interferir nos seus movimentos e dificultar as funções de sugar e engolir, atrapalhando o lactente a realizar o adequado aleitamento materno e futuramente de mastigar e falar. Por isso, em algumas vezes poderá haver a necessidade da intervenção cirúrgica neste freio. Caso haja a presença de dentes na boca no recém-nascido, deve ser realizada uma radiografia odontológica para a decisão se este dente pode ser mantido na boca ou se deve ser removido. Caso o dente seja removido, assim que possível, o odontopediatra deve atuar para
retomar a estética e função do dente extraído.
No exame odontológico no recém-nascido são iniciadas ações educativas e preventivas de promoção da saúde oral, além do monitoramento dos arcos dentários e do crescimento e desenvolvimento orofacial, favorecendo a saúde, função e a estética do sorriso. Alguns bebês podem necessitar da ação conjunta do odontopediatra com profissionais de outras áreas –
pediatra, otorrinolaringologista, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e nutricionista– para uma correta avaliação, intervenção e sucesso das ações preventivas.
Dicas odontológicas para os pais do recém-nascido:
1. Aleitamento materno exclusivo: o leite materno é o alimento ideal
para a nutrição e conforto emocional do bebê. Este momento deve ser tranquilo e aconchegante para mãe e bebê, devendo o bebê ficar o mais sentado possível. Durante a amamentação no peito o bebê realiza um exercício físico oral que estimula toda a musculatura da boca. Assim, é muito importante que o bebê realize o esforço da sucção. Além disso, para poder se alimentar adequadamente, é preciso que haja um vedamento labial na aréola mamária, que promove a pressão necessária para a saída do leite e obriga o bebê a respirar pelo nariz. Este movimento de pressão e ordenha promove o exercício da respiração nasal, posicionamento correto da língua e estímulo de crescimento para a correta posição das arcadas dentárias.
2. Evitar o uso de chupetas e mamadeiras: o melhor é o aleitamento
materno, caso não seja possível, peça orientação ao médico pediatra e ao odontopediatra.
3. Higiene da boca sem dentes: não há necessidade de limpar a boca do recém-nascido, porque o próprio leite materno protegerá toda a cavidade oral.
4. Cuidados para evitar quedas e traumas envolvendo a boca: medidas preventivas simples, como ensinar familiares e cuidadores a
segurarem o bebê de maneira firme e delicada; não permitir que crianças segurem o bebê sem a ajuda de um adulto; certificar-se da qualidade e segurança de berços, trocadores e banheiras; evitar tapetes ou utilizar antiderrapantes podem fazer toda a diferença.
5. Consultas preventivas regulares ao odontopediatra: converse com o odontopediatra sobre qual o momento ideal para a próxima consulta do seu bebê. Visitar o odontopediatria regularmente, da fase de lactação à adolescência é fundamental para manter a saúde oral.
Dra. Dóris Rocha Ruiz
Membro do Grupo de Saúde Oral da Sociedade de Pediatria de São Paulo
Fonte: Pediatra orienta – Sociedade de Pediatria de São Paulo