Arquivo da categoria: Implante

Antidepressivos e sua relação com implantes dentários

Antidepressivos podem desempenhar um papel crucial na falha de implante dental. (Foto: Lea Rojec/Shutterstock)

Uso de antidepressivo poderia aumentar o risco de falha em implante

Post a commentby Dental Tribune International

BUFFALO, N.Y., E.U.A: Novas pesquisas ligaram antidepressivos à falha em implante dental. O estudo piloto realizado na Universidade de Buffalo verificou que os antidepressivos, um dos medicamentos mais prescritos nos Estados Unidos para tratar a ansiedade, a dor e outros distúrbios, poderiam afetar o regulamento do metabolismo ósseo, um fator crucial para o processo de cicatrização e o sucesso do implante.

No estudo os pesquisadores analisaram dados do prontuário dos pacientes de clínica dentária da universidade em 2014. Eles descobriram que dos poucos pacientes que apresentaram falhas de implante, 33 por cento usavam antidepressivos. Para pacientes que não apresentavam falhas, apenas 11 por cento tomou a droga. Em geral, a análise mostrou que o uso de antidepressivos aumentou as probabilidades de falha de implante em quatro vezes. Cada ano de uso de antidepressivo duplica as chances de falha, os pesquisadores declararam. Por conseguinte, eles aconselham os pacientes em uso de antidepressivos a consultarem seus médicos sobre os efeitos colaterais da droga e os métodos alternativos de gestão de depressão, ansiedade ou dor.

De acordo com os números dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, 11 por cento dos americanos com idade entre doze anos e mais tomaram medicamentos antidepressivos em 2011. Os antidepressivos foram o terceiro medicamento prescrito mais comum, tomados pelos americanos de todas as idades em 2005 a 2008 e o mais frequentemente utilizado por pessoas com idade entre 18 e 44 anos. A partir do período de 1988 a1994 para o período de 2005 a 2008, a taxa de uso de antidepressivo nos EUA entre todos os grupos etários aumentou quase 400 por cento.

O uso de antidepressivo tem sido associado a certo número de efeitos colaterais, incluindo osteoporose, bruxismo e boca seca, que afetam o processo de cicatrização do implante e são motivo de preocupação para os dentistas com relação à saúde óssea e oral, dizem os pesquisadores .

Atualmente, os pesquisadores estão planejando validar as suas primeiras conclusões em um estudo de maior escala.

As conclusões do estudo intitulado “Um estudo piloto: Associação entre uso de antidepressivo e falha de implante,” será apresentado em 19 de março no 45th Annual Meeting and Exhibition of the American Association for Dental Research, realizado em conjunto com o 40th Annual Meeting of the Canadian Association for Dental Research.

A IMPORTÂNCIA DO CUIDADO COM IMPLANTES DENTAIS

Aprenda a Cuidar de Seus Implantes Dentais

Dicas rápidas para a saúde bucal
e saúde dos implantes
Os implantes dentais são uma revolução na odontologia moderna. Eles devolvem a estética e a funcionalidade dos dentes perdidos. Garanta o sucesso do seu implante e a saúde da boca seguindo as seguintes dicas:

Tenha uma boa higiene bucal

Uma boa higiene oral é essencial para manter a saúde dos seus implantes. É muito importante que a placa bacteriana seja removida adequadamente para evitar complicações no seu implante. Isto significa que além das visitas frequentes de manutenção ao dentista, você precisa escovar os dentes adequadamente, passar o fio ou fita dental, e limpar o espaço entre seus dentes (chamados de espaços interdentais) com uma escova interdental. O uso do creme dental antibacteriano ajuda a reduzir a placa bacteriana e previne a inflamação.
É bastante importante parar de fumar e como dito acima  otimizar a remoção das bactérias da placa com fio ou fita dental, escovação interdental e escovação dos dentes (técnica de escovação adequada).

Visite regularmente seu dentista
Somente um profissional da odontologia pode diagnosticar a peri-implantite, então check-ups e limpezas regulares são essenciais para garantir a saúde do seu implante dental. Além da limpeza, os profissionais da odontologia podem informá-lo sobre as maneiras mais efetivas de cuidar dos seus implantes e reduzir o risco de doenças bucais mais severas.

Escove com um creme dental antibacteriano
Pesquisas clínicas mostram que um creme dental antibacteriano ajuda no sucesso dos implantes.

Referências:
A 6-Month Study of the Effects of a 0.3% Triclosan/Copolymer Dentifrice on Dental Implants Sreenivasan PK, Vered Y, Zini A, et al. J Clin Periodontol. 2010;1-10.
Clinical Efficacy of Colgate Total® Toothpaste on Peri-Implant Mucositis in Dental Implant Patients Ramberg P, Lindhe J, Botticelli D, et al. J Clin Dent. 2009;20:103-107.

7 cuidados com a sua saúde bucal pós-cirurgia

7 cuidados pós-cirurgia

Em alguns casos, como de terceiro molares não erupcionados ou mal posicionados ou  dentes grandemente comprometidos a extração pode ser indicada. Além disso, a colocação de implantes dentários  também é uma cirurgia dentária realizada com certa frequência para reposição de elementos dentários perdidos.

O sucesso desse tipo de cirurgia depende não só do procedimento feito pelo seu dentista mas, também, dos cuidados que você tem em casa nos dias seguintes à operação. As dicas abaixo ajudam a garantir que a dor e o desconforto serão os mínimos possíveis, além de evitar algumas complicações. Para que você se recupere da melhor maneira possível, continue lendo!

Siga uma dieta especial

No período pós-cirúrgico, a alimentação deve ser feita com algumas restrições:

  • Comidas quentes, duras ou difíceis de mastigar devem ser evitadas nos primeiros dias;
  • algumas horas após a cirurgia, prefira alimentos líquidos e gelados como iogurte, vitaminas e sorvetes;
  • depois disso, alimentos mais cremosos como sopas e purês também podem ser ingeridos, desde que sejam nutritivos e estejam, pelo menos, à temperatura ambiente.

Só a partir do final da primeira semana é que a alimentação deve voltar ao normal.

Use os medicamentos prescritos

Caso medicamentos tenham sido  prescritos pelo seu dentista siga corretamente o  que foi indicado para que não ocorram problemas no pós operatório.

Seja gentil na escovação

A cirurgia não é motivo para não escovar os dentes, no entanto, a escovação na área da cirurgia não deve ter a força empregada no dia a dia. Caso prefira , existem escovas especiais pós cirúrgicas .Escolha escovas com a cabeça arredondada, pequena e com cerdas macias, ou faça uma escovação mais suave.

O enxágue da boca também deve ser feito de forma mais delicada, para evitar deslocar o coáguloe provocar sangramentos. Pacientes que realizaram implantes devem utilizar diariamente escovas com cerdas e formatos especiais para garantir a limpeza adequada do material.

Use compressas

O tamanho do edema varia muito de pessoa para pessoa, dependendo  do procedimento realizado. Porém, de qualquer forma, as compressas de gelo são grande aliadas para reduzir o inchaço nas primeiras 24h.

Vale lembrar que o gelo não deve ser posto em contato direto com a pele, mas sim envolto por um pano ou dentro de uma bolsa.

Descanse bastante

O mais importante, após a cirurgia, é repousar, evitando movimentar muito a boca. Também é importante evitar a exposição ao sol, ambientes muito quentes ou exercícios físicos vigorosos.

Não use cigarro ou álcool

Fumo e bebida devem ser evitados após a cirurgia.

Resolva o trismo muscular

Trismo é o nome dado à impossibilidade de abertura da boca devido à contração dos músculos da mastigação e é uma das possíveis complicações das cirurgias orais. Ela provoca dor intensa e impede a ingestão normal de alimentos, gerando grande desconforto ao paciente.

A grande maioria dos casos de trismo se resolve naturalmente com o repouso, no entanto, esse processo pode ser ajudado com compressas quentes e relaxantes musculares.

Independentemente da cirurgia feita, essas dicas serão úteis para os dias de repouso em casa. O mais importante é sempre seguir as orientações do seu dentista e entrar em contato com ele caso haja alguma dúvida ou algum sintoma que não melhore com a medicação para que uma reavaliação seja feita.

Adaptado de TePe

 

Depois dos implantes: tudo para se manter saudável


Pessoas que tem problemas com a mastigação e na fala por causa da perda de dentes, assim como aqueles que têm vergonha de sorrir, podem respirar aliviados: os implantes de alta qualidade, feitos individualmente e implantados por especialistas, fazem a vida retornar a normalidade novamente. Com uma cuidadosa higiene oral e manutenções regulares por um especialista, os implantes podem durar décadas, desde que sejam devidamente cuidados.


Doenças da gengiva: prevenção

Doenças da gengiva: prevenção

Os implantes dentários exigem cuidados especiais: as superfícies de implantes e áreas inacessíveis devem ser cuidadosamente limpas. Especialmente a margem da gengiva em torno do implante, já que este é o lugar onde as bactérias nocivas costumam se acumular. Implantes que não são bem cuidados podem causar doenças na gengiva, como mucosite e peri-implantite. Enquanto o tecido mole ao redor do implante fica inflamado com mucosite, o osso também é afetado pela peri-implantite. Distúrbios como estes são comuns: estudos mostram que oitenta por cento dos usuários de implantes sofrem de mucosite e até 56 por cento sofrem de peri-implantite. Somente os cuidados orais minuciosos criam as condições para prevenir essas doenças.

Osteoporose: remédios inviabilizam cirurgias de implantes

Alguns medicamentos podem causar problemas de cicatrização após a cirurgia de implante dentário, além de aftas e desgaste do esmalte

Mais comum em mulheres acima dos 45 anos, a osteoporose se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea (por questões hormonais), o que aumenta o risco de fraturas. E, dependendo do grau da doença, essa redução pode afetar diversas partes do corpo, inclusive os ossos maxilares. A questão é que alguns remédios utilizados para combater a osteoporose podem causar problemas à saúde bucal.

Antes de considerar fazer uma cirurgia de implante, o dentista deve questionar se o paciente está fazendo uso de medicamento para osteoporose

Foto:  Shutterstock

 Para começar, segundo Maria Luiza Frigerio, coordenadora do Projeto Envelhecer Sorrindo do Departamento de Prótese da FOUSP, é preciso ter muito cuidado ao associar a osteoporose à saúde bucal. “A osteoporose sozinha não seria capaz de causar grandes estragos na boca, ou seja, até que a boca seja atingida por essa doença, muitas outras regiões do corpo já terão entrado em colapso”, diz a especialista.

Alerta
No entanto, a especialista concorda que existem alguns tipos de medicamentos próprios para tratar a osteoporose que podem causar danos na boca. O Alendronato de Sódio, ou qualquer outro medicamento da família dos bifosfonatos, muito recomendados para mulheres na menopausa que sofrem com esta doença, podem prejudicar a saúde bucal, pois deixa os tecidos fibrosos do interior dos ossos com pouca ou nenhuma irrigação sanguínea.

Essa irrigação é fundamental para que as células possam chegar à superfície do osso ligando-o ao material do implante e para que haja uma boa cicatrização óssea. Por isso, o uso desse medicamento associado a uma cirurgia de implante pode aumentar o risco de necrose óssea.

Além disso, os remédios bifosfonatos podem ser tóxicos para os tecidos moles, ou seja, eles podem causar feridas ou aftas na cavidade oral e no esôfago e irritação e ardência no estômago, podendo acarretar refluxos. “A questão do refluxo pode criar condições para que o esmalte dos dentes fique bem danificado”, diz Maria Luiza.

“Quando o médico indica o uso do Alendronato para osteoporose, ele deve comunicar ao paciente que tal medicamento inviabiliza a realização de implantes dentais por, pelo menos, um ano após a suspensão de seu uso”, diz Maria Luiza.

A especialista afirma, ainda, que o mesmo deve acontecer com o dentista que vai realizar alguma intervenção óssea, como é o caso de uma cirurgia de implante. “Antes de considerar fazer o procedimento, o profissional deve questionar se o paciente está fazendo uso desse tipo de medicamento e, caso a resposta seja positiva, a cirurgia não deve ser realizada”, diz a coordenadora.