Arquivo da categoria: Nutrição

Própolis possui propriedades antioxidantes e antimicrobianas

untitledimagesXX38NT34
O Brasil é um grande produtor e exportador mundial de própolis de Apis mellifera em razão, principalmente, da sua grande área territorial e diversidade vegetal. A própolis é uma resina coletada por abelhas da espécie A. mellifera de diversas partes das plantas como brotos, botões florais e exudados resinosos. O consumo mundial de própolis é estimado em cerca de 800 toneladas/ano e há um consenso de que o Brasil seja o segundo maior produtor mundial, com cerca de 150-170 toneladas anuais, perdendo apenas para a China. Além disso, a própolis brasileira responde por 80% da demanda do mercado japonês. A produção de própolis orgânica certificada em áreas de matas de preservação permanente, no sul do Paraná e no norte de Santa Catarina, tem despertado grande interesse, principalmente pelo mercado europeu, pois o produto estaria isento de metais pesados e contaminantes microbianos, bem como pela peculiaridade de seu sabor suave. Porém, não havia, até recentemente, nenhum estudo atestando que essa própolis é capaz de atender às expectativas dos consumidores que buscam o produto por suas possíveis propriedades antioxidantes, antimicrobianas, anti-inflamatórias, anticariogênicas e até mesmo anticancerígenas.

Por isso, um estudo realizado pelo engenheiro agrônomo Severino Matias de Alencar, professor associado da Escola Superior de Agricultura (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP), pela doutoranda Ana Paula Tiveron e a pós-doutoranda Luciana Ferracini, pelo professor adjunto do Departamento de Farmácia Universidade Federal de Alfena (Unifal), Masaharu Ikegaki, em colaboração com o professor titular de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP-Unicamp), Pedro Luiz Rosalen, e pelo pós-doutorando do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, Bruno Bueno-Silva, confirmou as propriedades antioxidantes e antimicrobianas da própolis orgânica certificada produzida na Região Sul do Brasil.

O grupo já vem trabalhando com a própolis brasileira desde 2002, e possui várias publicações relevantes, prêmios em Sociedades Científicas nacionais e internacionais, além de patentes. “No entanto, nunca havíamos estudado a própolis orgânica certificada e oriunda de regiões de mata atlântica e reflorestamento. Assim, em contato com um empresário que beneficia própolis orgânica em União da Vitória, Paraná, foi possível a organização de um estudo abrangente que envolveu vários produtores de própolis orgânica do norte de Santa Catarina e no sul do Paraná, o que totalizou em mais de 70 amostras”, relata Severino de Alencar.

De forma geral, este estudo propôs caracterizar detalhadamente a composição química da própolis brasileira produzida sob condições orgânicas, bem como avaliar o seu potencial biológico contra espécies reativas de oxigênio e atividade antimicrobiana, no sentido de contribuir para aplicações futuras, tanto na indústria farmacêutica, quanto na indústria alimentícia, além de contribuir e estimular a preservação das matas nativas, fonte da própolis orgânica, haja vista a inexistência de estudo na literatura científica e a importância econômica que a mesma vem conquistando atualmente no cenário mundial. “Isto também é muito importante, pois uma verdadeira ‘febre’ de patentes com as própolis brasileiras vem sendo cada vez mais observada, entretanto, a grande maioria das patentes internacionais depositadas é feita por outros países”, ressalta o engenheiro agrônomo Severino Matias de Alencar.

Das 78 amostras coletadas nas regiões do sul do Paraná e do norte de Santa Catarina, de diferentes apiários, foi possível o agrupamento de acordo com perfil químico em sete variantes de própolis orgânica (OP1 – OP7). Todas as variantes de própolis apresentaram alto poder sequestrante contra as espécies reativas de oxigênio ROO?, O2?- e HOCl, as quais quando presentes em excesso no corpo humano apresentam efeitos prejudiciais e causam diversos danos à célula, como câncer, doenças neurodegenerativas, anemia, isquemia, além da oxidação da LDL. A própolis orgânica também apresentou forte atividade antibacteriana contra as bactérias gram positivas como: Streptococcus mutans (principal microrganismo iniciador do biofilme oral), Streptococcus oralis, Streptococcus sobrinus e Staphylococcus aureus, bem como a inibição da formação de biofilmes contra S. mutans e bactérias gram negativas, como a Pseudomonas aeruginosa.

Atualmente, a própolis tem ganhando cada vez mais popularidade como suplemento alimentar saudável e tem sido amplamente utilizada em alimentos e bebidas, atuando, assim, como alimento funcional para melhorar a saúde e prevenir doenças cardíacas, inflamações, diabetes e até mesmo o câncer. “Porém, esta funcionalidade depende de cada tipo de própolis e, no Brasil, pelo menos 13 tipos distintos de própolis já foram descritos na literatura”, relata Severino.

O professor titular de Farmacologia, Anestesiologia e Terapêutica da FOP-Unicamp, Pedro Rosalen, destaca que para a Odontologia a própolis poderá ser utilizada para inibir ou controlar bactérias formadoras do biofilme oral patogênico, especialmente aquelas relacionadas à cárie dental e doenças periodontais. “Para esta finalidade, análises adicionais precisam ser concluídas, pois poderiam entrar na composição ativa de fórmulas farmacêuticas de produtos de higiene oral, como dentifrícios e enxaguatórios bucais, ou mesmo outros produtos, como vernizes, adesivos, ou sistemas de liberação controlada, tanto em nível de biofilme infra quanto supra gengival.”

Os passos previstos para o estudo serão avaliar a possível atividade anticárie (em modelos clínicos), anti-inflamatória e antinociceptiva (analgésica) e da citotoxicidade e da ação antiproliferativa (anticancerígena) da própolis orgânica, bem como a investigação das eventuais diferenças químicas e biológicas entre as soluções aquosa e alcoólica de própolis orgânica.

É importante destacar que esta é a primeira vez na literatura em que a própolis orgânica certificada é relatada, a qual demonstra um grande potencial de aplicação na indústria alimentícia e farmacêutica, bem como para a preparação de alimentos funcionais.

Saúde e Odontopediatria

Consumo de bebidas ácidas e com alto teor de açúcar ameaçam saúde bucal das crianças brasileiras.

Se antes se limitava a pacientes com refluxo gástrico, a erosão do esmalte dentário agora está atingindo crianças saudáveis, devido ao consumo excessivo e muito frequente de refrigerantes e sucos artificiais. O alerta é da professora Ana Estela Haddad, do Departamento de Ortodontia e Odontopediatria da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo – USP, que palestrou recentemente no curso “Saúde Bucal das Crianças no Brasil”, realizado durante o 17º Congresso Latino-Americano de Odontopediatria.

Para a especialista, esse fato demonstra que a preservação da saúde bucal da criança requer, além de cuidados odontológicos, uma preocupação com a questão nutricional. “Paralelamente ao aumento da obesidade pelo consumo excessivo de alimentos ultraprocessados, observamos o aumento na incidência de erosão do esmalte de dentes decíduos, em crianças que não apresentam refluxo, em consequência do alto consumo de bebidas ácidas e com alto teor de açúcar”, disse a professora

Fonte: Assessoria de Imprensa

Você sabia que a cor de cada alimento interfere na sua função em nosso organismo?

Autor: Eneida Ramos, nutricionista – Categoria: Nutrição
Você sabia que a cor de cada alimento interfere na sua função em nosso organismo?

diferentes-beneficios

Confira as dicas abaixo e saiba como escolher o alimento ideal para manter sua saúde em dia:

Alimentos de cor amarela/alaranjados: ricos em betacaroteno, precursor da vitamina A. Essa vitamina é fundamental para o crescimento e manutenção dos tecidos, e desempenha papel essencial na visão. Exemplos de alimentos: cenoura, manga, mamão, pêssego, manga, milho e caqui.

Alimentos de cor vermelha: o pigmento responsável pela cor vermelha é o licopeno,um carotenóide que funciona como antioxidante, protegendo contra o envelhecimento precoce das células, além de estimular o sistema imunológico. Existe também relação do consumo de licopeno e a redução de doenças crônicas não transmissíveis, como doenças cardiovasculares e alguns tipos de câncer. Exemplos de alimentos: tomate, cereja, caqui, melancia ,goiaba e pimentão vermelho.

Alimentos de cor arroxeada/azulada: os alimentos adquirem tonalidade arroxeada e azulada em função da antocianina, que atua como antioxidante. Este pigmento tem papel importante na saúde, já que contribui no sistema circulatório, favorecendo o sistema cardiovascular. Alguns exemplos desses alimentos são: uva roxa, beterraba, repolho roxo, figo, jabuticaba, berinjela e ameixa.

Alimentos de cor marrom: os alimentos de coloração marrom são ricos em vitamina E, vitamina antioxidante que atua na prevenção do envelhecimento precoce das células do organismo e de doenças cardíacas e câncer. Alguns exemplos desses alimentos: gérmen de trigo, arroz integral, castanhas, nozes e cereais integrais.

Alimentos de cor verde: alimentos dessa coloração são ricos em clorofila, que tem uma ação depurativa, capaz de desintoxicar as células do organismo combatendo os radicais livres e contribuindo com a prevenção de fadiga, anemia, insônia e doenças do coração. Exemplos são: abacate, kiwi, alface, pimentão verde, couve, vagem, ervilha, rúcula, brócolis, hortelã, escarola e espinafre.