Colorir o aparelho com itens comprados na web é perigoso !!!

 

reproducao-pagina-facebook---borrachinhas-para-aparelhos-1373662582118_615x300

 

Uma nova moda vem preocupando os dentistas: o uso, pelos pacientes, de borrachinhas ortodônticas coloridas para aparelhos dentários sem nenhum acompanhamento. E pior: compradas em sites da internet junto com outros produtos voltados para quem usa aparelho. O resultado da “brincadeira” pode ir da perda de dente até o surgimento de doenças.

O aparelho dentário convencional é feito em aço inoxidável graças a sua biocompatibilidade e resistência. Ele é fixado nos dentes com substâncias adesivas adequadas e composto por bandas (em volta de um ou a vários dentes, utilizadas como âncora para o aparelho), fios, elásticos e brakets (peça colada ao dente).

Num tratamento normal, o paciente visita o ortodontista uma vez ao mês para que o aparelho seja “apertado”, pois, por meio disso, os dentes gradualmente vão para a posição correta.

Os adeptos da novidade, no entanto, além de não procurarem o profissional para a manutenção, compram as peças pela internet, colocam-nas nos dentes sozinhos em casa e fazem as trocas de fios e elásticos sem terem nenhum preparo para isso.
Trocas

José Luis Bretos, professor e coordenador dos cursos de pós-graduação do NEO (Núcleo de Estudos Odontológicos) e doutor em ciência e saúde da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) explica que todas as vezes que as ligaduras são trocadas é promovida a aplicação de força nos dentes, que, entre outras variáveis, é o que vai provocar a movimentação dos mesmos para a devida correção.

Porém, para que este movimento aconteça, é necessário ocorrer a remodelação da estrutura de suporte, ou seja, do tecido ósseo e gengival. Estes sofrem uma série de modificações para que o dente se movimente. O controle de todo esse processo só pode ser feito pelo especialista para que tudo aconteça dentro do tempo certo e nas condições adequadas.

Assim, trocas frequentes de elásticos significam aplicação de força constante, o que poderá acarretar desde a perda da estrutura de suporte (osso e gengiva) até a perda dos dentes nos locais em que esses elásticos estão apoiados. Somente o especialista está capacitado a reconhecer o momento certo de trocar as ligaduras e qual força deve ser empregada para cada caso.

“Pior ainda é o que pode acontecer com a troca também dos fios ortodônticos: para cada fase do tratamento é recomendado um tipo de liga metálica, com distintas propriedades mecânicas, e só o ortodontista tem a capacidade de, com seu conhecimento embasado principalmente em evidências científicas, determinar qual a liga metálica indicada à fase de tratamento em que o paciente se encontra e suas individualidades”, afirma Bretos.

Via Uol Notícias

O dente do siso está sumindo por causa da evolução humana: verdade ou mentira?

O dente do siso está sumindo por causa da evolução humana: verdade ou mentira?

Alguns de nós aprendemos na escola ou na faculdade: “quem não tem dente do siso é mais evoluído” ou “o dente do siso está deixando de existir por causa do desuso”. Segundo o autor deste post, essas frases são incertas e baseadas em teorias evolutivas já refutadas.

Lamarck, Haekel e Darwin sumindo com os sisos?
Jean-Baptiste Lamarck foi um biólogo francês muito importante. Sua teoria da evolução das espécies pregava, entre outras coisas, esta linha de pensamento das frases entre aspas acima: a Lei do uso e desuso. Se você não usasse algum órgão ou parte do seu corpo, ele atrofiaria e esta característica atrofiada passaria para a próxima geração. O exemplo mais conhecido é a da evolução do pescoço da girafa. Lamarck afirmava que por precisar alcançar as folhas mais altas das árvores, o pescoço da girafa foi crescendo de geração para geração até vermos as girafas de pescoço longo que vemos hoje. Atualmente, a teoria da evolução de Charles Darwin somada às descobertas da genética refutaram a teoria de Lamarck.

Seguindo a teoria de Darwin (mais aceita na atualidade), da seleção natural, sabemos que o ambiente selecionou as girafas de pescoço longo, isto é, o tipo de girafa mais adaptado sobrevive até hoje, enquanto que as girafas de pescoço pequeno ou menor foram extintas em certa parte da escala evolutiva.

A ciência é espetacular exatamente por causa disso: ela mesmo pode ser provada errada, à qualquer momento. Hoje, parecemos estar no pico de nossa evolução tecnológica e científica, mas muita coisa que temos como verdade pode ser considerado bobagem no futuro, por alguma nova teoria. Porém, por que continuamos contando a história do dente do siso como se estivéssemos aceitando uma teoria que já foi refutada?

A explicação de que o siso está sumindo por causa do desuso é simplista demais e errada. Na época das cavernas, um 3º molar (dente do siso) ou até um 4º molar eram necessários para triturar os alimentos duros que o ser humano consumia. Sabemos que hoje, com a nossa comida industrializada (que não traz grandes esforços para nossa musculatura de mastigação), o dente do siso está perdendo seu espaço na arcada. Somado à outro fator: o uso de mamadeira ao invés da amamentação direta no seio materno pode causar um menor desenvolvimento ósseo e muscular da boca, diminuindo o tamanho da sua arcada! Aí vemos o porquê da falta de espaço para erupção do siso e a necessidade de extração deste dente.

Se fôssemos pensar como Lamarck, os filhos de quem teve o dente do siso extraído, nasceriam sem este dente já, não é? Sabemos que não é assim que as coisas acontecem. Porém, há pessoas que não tem dente do siso e atribuímos isso à evolução da espécie humana. Na verdade, isso é uma mutação ou algum problema nos mecanismos que determinam a formação do dente do siso, mas que não pode ser chamada de evolução. Pelo menos com o que sabemos hoje.

O dente do siso vai deixar de existir algum dia? Segundo a teoria da seleção natural, isso só vai acontecer se as pessoas sem o dente do siso provem ser mais adaptadas do que pessoas que tem o bendito dente. Ninguém aqui vai viver para ver isso acontecer, pois esse tipo de seleção natural leva muito tempo (este Post “viverá” na Internet e quem sabe um dia, no futuro, alguém comente aí embaixo: o dente do siso finalmente desapareceu!)

O que quero mostrar com este Post é que muitas vezes aceitamos uma informação como correta, sem mesmo entender o porquê dela. Então, de agora em diante, podemos explicar melhor os porquês que envolvem o dente do siso.
O que você acha?

Mas antes leia este artigo inteligentíssimo e muito bem escrito (com fontes bibliográficas, inclusive) que serviu de base para este Post http://genereporter.blogspot.com/2011/03/como-e-que-e-dentes-do-siso-estao.html

Conclusão do Artigo acima que responde à pergunta do título: “Assim, a hipótese de que há uma tendência evolutiva para o desaparecimento do siso é tentadora, mas falta uma base fatual maior a sustentá-la. Em termos perspectivos, é difícil cravar que haverá uma tendência ao desaparecimento – mesmo se estivermos certos de que hoje a presença do terceiro molar seja desvantajoso, isso porque não sabemos como será o futuro“
Fonte:Luiz Rodolfo-dicas Odonto

5 dicas para saber se seu filho precisa de aparelho

5 dicas para saber se seu filho precisa de aparelho

Definir quando é o momento ideal para se colocar o aparelho ortodôntico em crianças é uma tarefa que exige a análise de uma série de fatores. Às vezes, os sinais são visíveis: um dente nascendo por cima de outro, uma arcada torta, uma mordida desalinhada. Mas nem sempre os problemas bucais das crianças estão visíveis aos olhos leigos dos pais. Em muitos casos, os problemas infantis surgem com origem muscular, tornando impossível a percepção pelos pais e mães. “Nos casos em que se identifica um problema muscular, é indicado um tratamento com uma fonoaudióloga. O aparelho entra para resolver os problemas ortodônticos, em um tratamento complementar”, diz a odontopediatra A. Mazzoni. Ela explica que o equilíbrio bucal da criança é atingido quando a língua tem a mesma força que o lábio, para que os dentes não fiquem mais para frente ou para trás. Uma vez fortalecida a musculatura interna e externa, daí sim é hora de escolher qual o aparelho ideal para seu filho. “Em geral, o aparelho móvel serve para o crescimento da arcada e corrigir os problemas musculares. Os fixos servem apenas para mover o dente que está torto”, aponta. A ortodontista L. Orsini ressalta que não existe uma idade certa para a criança colocar aparelho. “Vai depender do tipo de maloclusão (tipo de mordida) de cada um. Talvez a hora mais adequada seja quando todos estiverem de acordo. O tratamento de uma criança envolve a família toda. E se os pais não aderirem ao tratamento os resultados serão infrutíferos”, destaca. Saiba se seu filho tem problema ortodôntico
– Observe a respiração da criança
– Veja se ela fica o tempo todo de boca aberta
– Cheque se não se alimenta adequadamente
– Preste atenção se ela baba no travesseiro à noite ou se ronca
– Se chupa o dedo ou mama na mamadeira
Em caso de um ou mais sintomas, é preciso procurar um especialista.
Fonte :Terra

Dicas de produtos para limpeza dos dentes para quem usa aparelho ortodôntico… Produtos simples de manusear, eficientes em seus resultados.

 Limpeza entre os dentes para quem usa aparelho ortodôntico...simples de manusear, eficiente em seu resultado.

Se você usa aparelho ortodôntico ,é extremamente importante que faça uma higiene correta para evitar cáries e problemas periodontais. Existem opções para executar uma correta limpeza entre os dentes .Utilize fio dental ou escova interdental .

314463_467085433309375_886666459_n

As escovas interdentais da Tepe possuem oito calibres diferentes e codificados por cores e são um importante complemento à escovação diária!Para quem usa aparelho ortodôntico, uma excelente opção para limpeza entre os brackets…

226224_467083833309535_1737057441_n
útil também para quem fez um implante dentário e precisa de um instrumento eficaz que garanta uma ótima higiene e conservação dos implantes.

387999_467083946642857_2015705586_n

O uso do WaterPik é bastante útil como coadjuvante na higienização após as refeições
images (5)

images (2)

O MINI FLOSSER da Tepe é uma opção interessante como substituto do fio dental convencional.
945340_622018667816050_513284222_n

– Ideal para pessoas que tem dificuldade de usar o fio dental convencional; que usam aparelho ortodontico ou com dificuldades motoras (manuais) diversas, pacientes especiais que precisem de cuidadores, pacientes acamados.
O Fio é resistente e fino e pode ser introduzido mesmo nas superfícies de contato muito estreitas.
O Fio não esgarça e é um produto descartável.

O Super Floss da oral B com extremidade rígida permite sua inserção sob aparelhos ortodônticos, pontes e espaços interproximais estreitos.
Com uma rede de fibras esponjosas, limpa eficazmente as superfícies interproximais
Fio Dental Regular: para limpeza entre os dentes e linha das gengivas.

images (6)

images

Com estes cuidados a sua saúde bucal é mantida .Leia também nossa matéria sobre limpeza lingual

Você sabe o que são mini implantes? Vale a pena conferir

A ancoragem ortodôntica através de mini-implantes tornou-se uma alternativa ímpar no
tratamento de pacientes adultos com más posições dentárias, bem como para edêntulos parciais,
em que a ancoragem convencional traria limitações no tratamento

Em Ortodontia, a movimentação ocorre a partir da aplicação de força a um
elemento dentário por meio de dispositivos, como elásticos, molas e dobras nos os.
Entretanto, de acordo com a terceira Lei de Newton, a toda ação corresponde a uma
reação de igual magnitude e, em sentido oposto. Assim, quando uma força ortodôntica
é aplicada a um dente com o objetivo de movimentá-lo em um determinado sentido,
os elementos dentários, que servem de apoio para aplicação desta força, sofrem uma
reação de movimentação com a mesma intensidade, porém, em sentido oposto, o que
em muitos casos representa um efeito colateral potencial na mecanoterapia ortodôntica
Esse princípio de biomecânica faz com que um dos fatores mais importantes do
planejamento do tratamento ortodôntico seja aplicar meios de evitar a movimentação
indevida de dentes , o que se denomina ancoragem, ou seja, a resistência
ao movimento dentário indesejado .
A utilização de implantes ósseo-integrados tornou-se uma realidade na
Ortodontia. A osseointegração é análoga à situação de um dente anquilosado que pode
ser submetido a forças ortodônticas sem sofrer movimentação, ou seja, pode servir
como unidade de ancoragem estável, já que a ausência de ligamento periodontal não
permite as alterações celulares que resultariam na movimentação .
Dessa forma, para minimizar a perda de ancoragem dentária, a utilização de miniimplantes é uma alternativa viável como ancoragem absoluta em Ortodontia, facilitando o tratamento ortodôntico e reduzindo a necessidade da cooperação do paciente .
Fonte:
Jean Cleiton Buchmann Machado
Luciano Copat
Humberto Thomazi Gassen
Ivana Ardenghi Vargas
Pedro Antônio Gonzalez Hernandez
Marcelo Frejman

Quando procurar o ortodontista para meu filho ?

Quando procurar o ortodontista para meu filho ?

Alguns pais acreditam que a consulta a um especialista deve ser feita após a troca dos dentes de leite ou somente na adolescência ,porém é possível iniciar um tratamento precoce em crianças a partir dos dois anos de idade seguindo os princípios da Ortopedia Funcional dos Maxilares.
Quanto mais cedo a criança for levada para uma avaliação, mais eficaz pode ser o tratamento. Uma avaliação ortodôntica na infância pode detectar problemas em um estágio bem inicial e o tratamento pode obter resultados que não seriam possíveis com a idade um pouco mais avançada.

Nessa avaliação é possível verificar se a criança já apresenta algum problema como mordida cruzada ou aberta. Uma consulta realizada antes do seis anos de idade pode tirar proveito tanto da quantidade como da qualidade do crescimento, devido à plasticidade dos tecidos. Nesse caso, o tratamento precoce pode evitar até mesmo situações em que seria necessária alguma intervenção cirúrgica.

Alguns fatores podem influenciar no desenvolvimento e formação dos ossos da mandíbula, o que será detectado nessa primeira consulta. Serão observadas questões como fala, deglutição, respiração e a presença de hábitos, como uso de chupeta ou a sucção de polegar, que possam alterar o posicionamento correto dos dentes e até a face como um todo.
Para os pais que não têm certeza se os filhos aceitarão fazer uma consulta ao ortodontista tão cedo pode se fazer uma tentativa sem forçar a criança. O ideal é que os pais tragam espontaneamente seus filhos para uma consulta. O objetivo deste contato inicial é avaliar o desenvolvimento de todo sistema bucofacial e verificar se a criança vai aceitar o tratamento Abaixo algumas dicas que podem auxiliar os pais a detectaram algum problema já de início, como verificar se a criança apresenta dificuldades para mastigar, morder ou falar; respira somente pela boca; morde a bochecha frequentemente ou range os dentes; ossos da maxila ou da mandíbula mais para frente ou para trás. Todos esses são sinais de que a criança pode estar desenvolvendo uma má-oclusão dentária ou um problema esquelético facial. Nesses casos, o ideal é procurar um especialista para avaliar.

Vantagens da intervenção precoce
• Impedir a evolução e o agravamento da má oclusão, diminuindo a severidade dos problemas e consequências na dentição permanente.
• O tratamento precoce diminui significativamente a necessidade de extrações dentárias na dentição permanente e, também, a realização de intervenções cirúrgicas mais complexas.
• Problemas que têm origem no crescimento dos ossos da mandíbula e maxila têm mais chance de serem tratados com êxito quando detectados precocemente.
• Estando em contato com o paciente desde cedo, pode-se direcionar adequadamente o crescimento desses ossos.
• O tratamento correto pode facilitar o desenvolvimento normal da Articulação Temporomandibular.
• Há melhor aproveitamento do potencial genético do paciente em relação ao crescimento.
Fonte: OdontoMagazine por Dra Cristiane Saievicz Andraus

Ortodontia em crianças: quando colocar o aparelho?

Ortodontia em crianças: quando colocar o aparelho?

Uma pesquisa realizada pela UFPR, em Curitiba, mostrou que 80% das crianças na faixa dos 12 anos precisam de tratamento ortodôntico.

É justamente a fase em que elas estão preocupadas com a aparência física e que problemas sociais como bullying acabam tendo forte influência na autoestima. Mas quando os pais devem levar seus filhos para iniciar um tratamento ortodôntico?

“A Associação Americana de Ortodontia recomenda que toda criança com sete anos faça uma avaliação ortodôntica. Entretanto, algumas alterações, como as mordidas cruzadas, dependendo da maturidade da criança, já podem ser tratadas a partir dos quatro ou cinco anos”, explica Alexandre Moro, Doutor em Ortodontia, professor da UFPR (PR).

“No caso de crianças com bullying devido a alterações no desenvolvimento dos ossos da face ou no posicionamento dos dentes, podemos iniciar mais cedo o tratamento, para tentar diminuir esse problema social”, acrescenta Moro.

Segundo ele, antigamente os ortodontistas preferiam começar o tratamento a partir dos 12 anos, quando todos os dentes, com exceção dos sisos, já estavam presentes. “Entretanto, com essa idade, as chances de estimular o crescimento dos ossos face eram pequenas, e o tratamento acabava muitas vezes envolvendo a extração de dentes permanentes. Hoje, dependendo do problema, preferimos iniciar mais cedo para tentar evitar o tratamento com extrações”, orienta.

No caso da mordida cruzada, por exemplo, quanto antes começar o tratamento, melhor, já que elas fazem com que os ossos da face cresçam tortos, causando uma assimetria facial. “Depois de uma certa idade, que pode variar para os meninos e para as meninas, o conserto só será realizado com cirurgia ortognática”, diz.

Vale lembrar que o tratamento ortodôntico é demorado e, principalmente as crianças, precisam voltar ao consultório ao longo dos anos para acompanhar o crescimento. Os problemas clínicos mais comuns em crianças são: falta de espaço para os dentes permanentes, mordida cruzada e falta de crescimento da mandíbula.

Fonte : Dr Alexandre Moro
Doutor em Ortodontia. Professor da UFPR e Universidade Positivo . Presidente da Associação Paranaense de Ortodontia.