Arquivo da tag: diabetes e a saúde bucal

Entenda a relação entre doenças periodontais e diabetes

O diabetes é uma enfermidade caracterizada pelo fato de o corpo não produzir ou usar adequadamente a insulina.

A insulina é um hormônio necessário à conversão do açúcar, amido e outros elementos na energia de que precisamos na vida diária.

Cerca de um terço dos 20,8 milhões adultos e crianças que têm diabetes nos Estados Unidos não sabem que são portadores da doença. Pesquisas recentes sugerem que a periodontite está geralmente associada com o diabetes e pode ser considerada como uma das complicações clínicas da doença.

Um estudo recente, realizado com mais de 200 participantes, examinou a relação entre o diabetes e a periodontite. Os resultados indicaram que os portadores de diabetes tinham um nível mais elevado de periodontite do que os participantes que não tinham a doença.

Foto: Colgate-Palmolive Company

Entre os fatores importantes a serem considerados na avaliação do estado periodontal de pacientes diabéticos e na formulação dos planos de tratamento estão o grau de controle metabólico, a duração da doença, a presença de complicações diabéticas de longo prazo e de fatores de risco simultâneos, além do nível geral de bem-estar do paciente.

Foto: Colgate-Palmolive Company
É importante enfatizar a necessidade de reduzir a presença de bactérias e eliminar o biofilme dentário abaixo e acima da linha da gengiva. Isso pode ser feito com a raspagem tradicional e a regularização da raiz dos dentes, como complemento aos cuidados tomados em casa. O tratamento deve concentrar-se na prevenção de doenças periodontais e inflamação bucal, cujo controle é essencial no caso das complicações associadas com o diabetes. E, como sabemos que a ameaça bacteriana é um fator de risco na gengivite, mesmo entre diabéticos saudáveis com bom controle da doença, os pacientes devem ser incentivados a usar fio de dental regularmente e escovar os dentes com um creme dental com flúor que oferece proteção antibacteriana.

Foto: Colgate-Palmolive Company
References
1. American Diabetes Association.
2. J Periodontol Mar; 76(3):418-25. s.

Conteúdo oferecido por: © 2015 Colgate-Palmolive Company. Todos os direitos reservados.

A investigação tem demonstrado que o diabetes está associado com doenças orais tais como doença periodontal. (Foto: Syda Productions/Shutterstock)

 

Diabéticos têm um maior risco de perda de dente

Post a commentby Dental Tribune International

DURHAM, N.C., EUA: Embora muitos estudos tenham sido feitos sobre a perda de dentes entre a população em geral, faltam provas científicas sobre a condição em pacientes com diabetes. Para resolver estas limitações, pesquisadores investigaram os dados de mais de 37.500 adultos durante um período de quarenta anos e verificaram que os diabéticos, particularmente hispânicos negros adultos, têm um aumento do risco de perda de dente quando comparados a indivíduos saudáveis.

O estudo, que foi realizado por pesquisadores da Duke University School of Nursing (Escola de Enfermagem da Universidade de Duke), revelou que em geral, diabéticos perderam mais dentes durante o período considerado do que os adultos sem diabetes, independentemente da sua origem étnica. Em média, eles perderam cerca de duas vezes o número de dentes.

Embora a perda de dente aumente com a idade, a taxa de aumento varia por estado de diabetes e etnia. No grupo de não-hispânicos negros adultos, perda de dente aumentou mais rapidamente do que em brancos não hispânicos ou mexicano americanos. Não-hispânicos negros diabéticos perderam o maior número de dentes.

Assim, os pesquisadores concluíram que cuidados dentários adequados e retenção de dente precisam ser melhor promovidos para adultos com diabetes, especialmente entre grupos étnicos minoritários, tanto por profissionais médicos e dentários. Como há indícios crescentes de que a saúde oral está associada com a saúde global, uma abordagem interdisciplinar é necessária para garantir um melhor atendimento e gestão da doença. Por exemplo, tem sido conhecido há décadas que o diabetes tipo 1 e 2 são ambos fatores de risco para doença periodontal.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, diabetes está se tornando mais comum nos Estados Unidos. De 1980 a 2014, o número de americanos com diagnóstico de diabetes quadruplicou. Uma estimativa de 29,1 milhões de pessoas nos EUA (9,3% da população) tem diabetes, incluindo 8,1 milhões de casos não diagnosticados. Em 2010 nos EUA, diabetes foi a sétima maior causa de morte. Taxas de diabetes também são mais elevadas entre a população minoritária dos EUA do que em brancos não hispânicos (13,2 % em negros não hispânicos, 12,8 % em hispânicos e 7,6% em brancos não hispânicos).

O estudo intitulado “Quarenta anos tendências de perda de dentes entre adultos americanos com e sem diabetes mellitus: Uma análise da época – período – coorte,” foi publicado na edição de dezembro da revista Preventing Chronic Disease, uma revista eletrônica peer-reviewed publicada pelo National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion. Dados para o estudo foram obtidos a partir da National Health and Nutrition Examination Survey.

Doenças periodontais e diabetes

Doenças periodontais e diabetes

O diabetes é uma enfermidade caracterizada pelo fato de o corpo não produzir ou usar adequadamente a insulina. A insulina é um hormônio necessário à conversão do açúcar, amido e outros elementos na energia de que precisamos na vida diária. Cerca de um terço dos 20,8 milhões adultos e crianças que têm diabetes nos Estados Unidos não sabem que são portadores da doença.¹ Pesquisas recentes sugerem que a periodontite está geralmente associada com o diabetes e pode ser considerada como uma das complicações clínicas da doença. Um estudo recente, realizado com mais de 200 participantes, examinou a relação entre o diabetes e a periodontite. Os resultados indicaram que os portadores de diabetes tinham um nível mais elevado de periodontite do que os participantes que não tinham a doença.2

Entre os fatores importantes a serem considerados na avaliação do estado periodontal de pacientes diabéticos e na formulação dos planos de tratamento estão o grau de controle metabólico, a duração da doença, a presença de complicações diabéticas de longo prazo e de fatores de risco simultâneos, além do nível geral de bem-estar do paciente.

Doenças periodontais e diabetes

É importante enfatizar a necessidade de reduzir a presença de bactérias e eliminar o biofilme dental abaixo e acima da linha da gengiva. Isso pode ser feito com a raspagem tradicional e a regularização da raiz dos dentes, como complemento aos cuidados tomados em casa. O tratamento deve concentrar-se na prevenção de doenças periodontais e inflamação bucal, cujo controle é essencial no caso das complicações associadas com o diabetes. E, como sabemos que a ameaça bacteriana é um fator de risco na gengivite, mesmo entre diabéticos saudáveis com bom controle da doença, os pacientes devem ser incentivados a usar fio de dental regularmente e escovar os dentes com um creme dental com flúor que oferece proteção antibacteriana.

Doenças periodontais e diabetes

© Copyright 2014 Colgate-Palmolive Company

References
1. American Diabetes Association.
2. J Periodontol Mar; 76(3):418-25.

Três cuidados que o paciente diabético deve ter

diabets2

Uma boa higienização bucal traz benefícios e ajuda na prevenção de doenças, enquanto que uma limpeza bucal malfeita pode trazer infecções, mau hálito, gengivite e outras diversas complicações que pioram a qualidade de vida de qualquer pessoa. Por isso, a atenção à escovação e à limpeza da boca é essencial para todos.

Essa regra deve ser ainda mais especial para os diabéticos, já que a doença pode causar infecções na boca. Por isso, o diabético deve redobrar a atenção com sua limpeza bucal e com sua dieta, além de cumprir as recomendações do médico — e do odontologista também.

Reunimos aqui 3 cuidados que você deve ter para não deixar a diabete prejudicar a saúde da sua boca. Confira!

Faça uma limpeza bucal impecável

Boa parte das doenças bucais ocorre devido a restos de alimentos que não são retirados durante a escovação. Esses resíduos permitem que as bactérias se multipliquem e causem mau hálito, cáries, inflamações e, em casos graves, doenças como úlceras ou periodontite, que afeta a gengiva de maneira severa, causando perda óssea.

Nos diabéticos, todas essas consequências são agravadas pelo maior tempo que o corpo leva para terminar a cicatrização. Além disso, as doenças gengivais podem agravar o nível glicêmico, o que prejudica qualquer tratamento contra a diabete. E, conforme se agrava a situação da saúde bucal, fica mais difícil manter uma dieta equilibrada, devido à dificuldade na mastigação. Em consequência, esse problema pode levar ao desequilíbrio do nível de glicose no organismo.

Além da recomendação geral para escovar os dentes ao menos quatro vezes por dia, o diabético deve fazer a higiene bucal imediatamente após as refeições, para não dar chance de as bactérias causarem ferimentos que vão demorar a cicatrizar. Lembrando ainda que é fundamental passar o fio ou fita dentais. Faça uma limpeza criteriosa e constante, principalmente.

Atenção aos maus hábitos

Existem hábitos que podem agravar os eventuais prejuízos já existentes à situação da higiene bucal, e, com a diabete, esse efeito é pior ainda. Por isso, repense algumas atitudes recorrentes e fique atento ao que está direta ou indiretamente ligado à sua boca, diminuindo, assim, hábitos prejudiciais, como por exemplo o fumo.

O hábito de fumar prejudica muito a manutenção da limpeza bucal: o fumo traz consequências negativas para qualquer pessoa, mas agrava ainda mais a situação dos diabéticos. Os fumantes têm mais chances de adquirir inflamações, mau hálito, entre outros problemas. Portanto, se você tem esse hábito, é hora de repensá-lo, dando prioridade à sua saúde. Para quem usa aparelho ou próteses dentárias, o conselho é o seguinte: redobre as atenções para a limpeza e conservação dessas peças, para que não acumulem resíduos que lhe prejudiquem.

Seu dentista deve estar ciente de tudo

Ninguém melhor do que um profissional adequado para te dar as melhores orientações. Sendo assim, o seu dentista deve ser avisado de todos os medicamentos, tratamentos e alterações em sua dieta. Afinal, a saúde bucal está relacionada ao bom — ou mau — controle da diabetes e vice-versa. Ciente de todo o tratamento feito para controlar a doença, o dentista pode recomendar os medicamentos e condutas mais indicados para o seu caso. Procedimentos invasivos, como extrações, deverão ser feitos com atenção redobrada, pois poderão aumentar a taxa de glicose — o que para uma pessoa com diabete não é nada bom.

Lembre-se também de que a situação da boca não só influencia em doenças. Ela também pode ser um sintoma de que há algo errado com a sua saúde. Portanto, mantenha sua higiene bucal em dia e visite seu dentista regularmente.
TePe