Arquivo da tag: nutrição e saúde bucal

Lanche pode ser saudável?

Lancheira das crianças: como montar uma lanche saudável?

Dicas para montar um lanche gostoso e saudável para as crianças

As cantinas escolares nem sempre oferecem opções saudáveis como: frutas frescas, sucos naturais ou uma opção de salgados integrais. Embora existam atualmente fortes campanhas contra o comércio de refrigerantes, doces, embutidos e frituras para o combate da obesidade infantil nas escolas, ainda é preocupante o aumento da prevalência de sobrepeso e obesidade na idade pré-escolar e escolar devido à associação com complicações metabólicas, cardiovasculares, pulmonares, ortopédicas, psicológicas e até alguns tipos de câncer na idade adulta, decorrentes da obesidade.

O incentivo
Em 2009, uma em cada três crianças de 5 a 9 anos estava acima do peso recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O número de crianças acima do peso mais que dobrou entre 1989 e 2009, passando de 15% para 34,8%.

Incentivar uma alimentação equilibrada deve ter início com os hábitos de casa, junto da família. É difícil incentivar uma criança a comer frutas no lanche da escola se, em casa, não há o exemplo dos pais.

Escolha da lancheira
O uso da lancheira é a melhor opção para garantir um lanche mais saudável e variado. Hoje em dia há diversos modelos de lancheiras divertidas. É interessante deixar com que a criança escolha a cor e modelo na hora da compra para gerar um estímulo e entusiasmo na hora de preparar o seu lanche saudável.

No momento da compra, a melhor opção seria um modelo térmico, porém ela só funciona com uma bolsa de gelo reutilizável. As lancheiras térmicas tem o objetivo do melhor acondicionamento dos alimentos e manutenção da temperatura dos produtos frescos, como frutas e produtos lácteos. Normalmente, os alimentos perecíveis em bolsa térmica e gelo reutilizável podem ser mantidos de 3 a 4 horas ou conforme a orientação do fabricante da lancheira.​

Escolhendo os alimentos
Para obter sucesso com o uso da lancheira é importante envolver a criança em seu preparo, perguntar suas preferências e mostrar os benefícios de tudo que está sendo levado para a escola. Dessa maneira, ao invés de querer o lanchinho do amigo, ele poderá até contar como tudo que ele está levando é bom, nutritivo e saudável.

Dentre as escolhas possíveis para a composição de um lanche equilibrado é sempre interessante pensar em uma opção láctea como queijo branco, vitamina de frutas ou iogurtes. Estes alimentos deverão ser levados sempre com a utilização de uma lancheira térmica e gelo reutilizável para manter a temperatura adequada.

As frutas devem estar sempre presentes, de preferência da forma in natura e não processadas. Pode ser cortada ou inteira. Utilizar potes é uma alternativa para as frutas não amassarem. As melhores frutas são as porções individuais e inteiras como: pera, maçã ou banana.

A troca de pães brancos e biscoitos com açúcar por alimentos integrais e ricos em fibra garantem mais sabor e maior saciedade.

Os vegetais podem ser utilizados não só como recheio de sanduíches como também porcionados como snacks. Lembre-se: se esse tipo de lanche já for o hábito da família, a chance da criança manter esse consumo é muito maior.

As oleaginosas (castanhas, amêndoas, nozes) podem ser utilizadas para compor a lancheira também, porém é melhor dar preferência para aquelas que não são adicionadas de sal.

Ocasionalmente pode-se colocar: purê de fruta sem açúcar, barrinha de cereais (de preferência sem óleo de palma e açúcar entre os ingredientes), suco industrializado integral, sem adição de açúcar, cookies integrais.

É possível deixar a lancheira previamente organizada no dia anterior, porém a maioria dos produtos deve ficar em refrigeração com exceção de algumas frutas como banana, castanhas, cookies integrais, barrinhas de cereais.

Sucos naturais devem ser feitos momentos antes. Já os sanduíches naturais podem ser feitos na noite anterior com exceção daqueles que são adicionados de ingredientes como folhas (ex: alface, rúcula).

Sugestão para levar na lancheira:

  • ​Iogurte sem adição de açúcares (180ml), 4 unidades de cookie integral, fruta crua;
  • Tomate cereja orgânico, suco natural sem açúcar (200ml), pão integral com ricota temperado com ervas;
  • Água de coco natural, cenoura baby crua, 4 unidades de mini pão de queijo integral.

Referências:
http://www.obesidadeinfantilnao.com.br/nutricao_saude/
http://meupratinhosaudavel.com.br/
Obesidade na infância e adolescência – Manual de Orientação / Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científi co de Nutrologia. 2ª. Ed. – São Paulo: SBP. 2012.

Fonte: Thais Eliana Carvalho de Lima, nutricionista do Einstein 

Dieta a nutrição: impactos na saúde bucal

É sabido que a dieta e a nutrição têm forte interferência na saúde bucal. Mas como age exatamente cada uma dessas variáveis? Como devemos orientar nossos pacientes?

little girl with fruits and vegetables
little girl with fruits and vegetables

A nutrição refere-se aos nutrientes que ingerimos na nossa dieta e que são utilizados para o correto funcionamento fisiológico do nosso organismo. Uma dieta de alto valor nutricional contribui para a saúde em geral, elevando a qualidade de vida e diminuindo a chance de doenças degenerativas.

Na Odontopediatria, especialmente, a nutrição adequada permite um correto desenvolvimento estomatognático, visto que os tecidos dentários ainda estão em formação.

A desnutrição na infância (ou a má nutrição advinda da inadequada alimentação) limita o desenvolvimento de tecidos e órgãos (cérebro, glândulas salivares), e pode perturbar a estrutura dental, forma, posição dos dentes e retardar a erupção (lesões à síntese de proteínas ou mineralização). Por este motivo, devemos desde sempre incentivar a correta alimentação, variada e rica em nutrientes (quadro 1).

Um exemplo é a deficiência de vitamina A, que pode provocar atrofia dos ameloblastos, pobre diferenciação dos odontoblastos e hipoplasia de esmalte.

Quadro 1 – Exemplos de nutrientes essenciais para a cavidade bucal

Minerais Papel importante da fase pré-eruptiva e na maturação pós-eruptiva dos dentes.
Sódio e potássio Manutenção do equilíbrio ácido-base do organismo.
Zinco e magnésio Função dos sistemas enzimáticos.
Cálcio e fósforo Componentes básicos dos tecidos duros.

A dieta, que diz respeito ao que ingerimos no cotidiano, independentemente do valor nutricional, tem um impacto significativo na cavidade bucal, tanto quanto ao seu desenvolvimento como também no que se diz respeito às doenças cárie e periodontal.

A forma de apresentação dos alimentos interfere diretamente na mastigação. Alimentos mais duros, crus, fibrosos promovem um trabalho mastigatório mais eficiente, com consequente melhor desenvolvimento ósseo e muscular, e estimulam a secreção salivar.

Dietas muito pastosas e alimentos demasiadamente macios têm o efeito contrário, prejudicando o desenvolvimento estomatognático. Por este motivo, ao iniciar a introdução alimentar em bebês, devemos orientar aos pais a não liquefazer os alimentos, apenas amassá-los e, com o tempo, oferecê-los em pedaços.

Os pais também devem observar a adesividade dos alimentos. Balas, chicletes, bolachas, cereais açucarados, além de ricos em açúcar e baixo valor nutricional, aderem às superfícies dentárias, dificultando sua higienização e ficando muito tempo disponíveis na cavidade bucal, favorecendo o aparecimento das lesões de cáries. E, para a cárie dentária, não há nada mais prejudicial que o açúcar, tão presente na dieta moderna e muitas vezes “escondido” nos rótulos dos alimentos com nomes diferentes, o que confunde o consumidor (carboidrato – de uma forma genérica, xarope de glicose, maltodextrina, dextrose, sacarose, extrato de malte, açúcar invertido).

O conceito atual de cárie dentária é que ela é uma disbiose desencadeada pelo consumo de açúcar, ou seja, não existe um microrganismo específico causador da doença, já que em condições normais, a relação dos humanos com os microrganismos envolvidos no processo de cárie é de simbiose.

O responsável pela alteração dessa condição é o açúcar ingerido, proveniente de nossa dieta. Portanto, se queremos prevenir a cárie dentária, temos que controlar a ingestão de todas as formas de açúcares.

Nós, cirurgiões-dentistas, precisamos orientar corretamente nossos pacientes quanto a alimentação. Para melhor compreender sua atividade de cárie, é essencial que o profissional tenha conhecimento dos hábitos alimentares do paciente, estabelecendo o plano de tratamento e determinando as medidas preventivas a serem adotadas para manutenção da saúde bucal.

Fonte:Local Odonto .Por  Dra Sandra Kalil Bussadori

Nove alimentos para deixar a imunidade nas alturas

Transforme-os em aliados e deixe a saúde perfeita

Sua imunidade anda baixa? Ou, melhor ainda, você não quer dar chance para que nenhum mal afete a sua saúde? Aposte em um prato de comida bem equilibrado, principalmente com os ingredientes certos.

 

“Os alimentos são ricos em vitaminas, minerais e outras substâncias que auxiliam na manutenção do sistema imunológico”, afirma Ioná Zalcman, mestre em nutrição pela Universidade Federal de São Paulo. De acordo com a nutricionista, atingir a recomendação diária de consumo de frutas e vegetais já garante uma defesa melhor.

“O consumo deve ser de cinco porções por dia: três frutas e dois vegetais”, completa.

A seguir, confira a lista de campeões da blindagem e conheça os motivos que tornam esses alimentos poderosos aliados do organismo.

Frutas cítricas

Frutas cítricas, como laranja, acerola, kiwi, tomate, além de brócolis, couve e pimentão verde e vermelho são ricos em vitamina C, antioxidante que aumenta a resistência do organismo

Frutas cítricas - Foto: Getty ImagesFrutas cítricas – Foto: Getty Images

Vegetais verdes escuros

Vegetais verdes escuros (brócolis, couve, espinafre), feijão, cogumelo (shimeji) e fígado são alguns dos alimentos que apresentam ácido fólico. O nutriente auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo

Vegetais - Foto: Getty Images

Alimentos ricos em zinco

Carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico), são ricos em zinco, nutriente que combate resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico

Leguminosas - Foto: Getty Images

Leguminosas – Foto: Getty Images Noz e castanha – Foto: Getty

Oleaginosas

Noz, castanha, amêndoa e óleos vegetais (de girassol, gérmem de trigo, milho e canola) são ricos em vitamina E. Ela é benéfica, principalmente para os idosos, agindo no combate à diminuição da atividade imunológica por conta da idade

Noz e castanha - Foto: Getty Images

Tomate

Rico em licopeno, o tomate é forte aliado para combater doenças cardiovasculares, removendo radicais livres do organismo

Tomates - Foto: Getty Images

Images Tomates – Foto: Getty Images Comida Japonesa – Foto: Getty

Alimentos fonte de ômega-3

O ômega-3 presente, por exemplo, no azeite e no salmão, auxilia as artérias a permanecerem longe de inflamações, ajudando a imunidade do corpo

Comida Japonesa - Foto: Getty Images

Antioxidantes

A castanha-do-Pará e cogumelos (Champignon) contêm selênio, um forte antioxidante que combate os radicais livres, melhorando a imunidade do corpo e acelerando a cicatrização do organismo

Cogumelos - Foto: Getty Images

Images Cogumelos – Foto: Getty

Gengibre

Rico em vitaminas C, B6 e com ação bactericida, o gengibre vai além de ajudar a tratar inflamações da garganta e auxilia nas defesas do organismo

Gengibre - Foto: Getty Images

Images Gengibre – Foto: Getty

Pimenta

A pimenta é fonte de betacaroneto, substância que se transforma em vitamina A, nutriente que protege o organismo de infecções

Pimentas - Foto: Getty Images

Images Pimentas – Foto: Getty 

Fonte: Minha vida

Cardápio para quem extraiu o dente do siso

Quando não há espaço para o desenvolvimento do dente do siso  ̶  último molar de cada lado − o procedimento adequado é a extração. A cirurgia é simples. Na maioria dos casos, exige anestesia e envolve a abertura de acesso na gengiva, a remoção do dente e a sutura (costura).

Durante o pós-operatório, que dura pelo menos três dias, o paciente deve seguir orientações como: repousar, não praticar atividades físicas, não se expor ao sol, não fazer sucção na ferida e aplicar gelo no local.

Outro cuidado depois da extração é a alimentação: “No primeiro dia de pós-operatório, a alimentação deve ser líquida e fria. Líquida para que resíduos dos alimentos não entrem no local ou fiquem presos aos pontos. E fria para não formar edema”, explica a cirurgiã-dentista e odontopediatra Silvana Ribeiro Roda.

Já no segundo dia, a alimentação pode estar à temperatura morna e no terceiro dia, se o paciente se sentir bem, a refeição pode ser oferecida à temperatura normal, mas sem que haja mastigação na região. “O oferecimento da alimentação em pedaços moles deve sempre respeitar a aceitação do paciente”, aponta Silvana.

Cuidados reforçados

Além da temperatura e da consistência da alimentação, a higienização dos alimentos e dos utensílios utilizados para o preparo da refeição contribui para prevenir riscos de infecção, já que o local da cirurgia está em processo de cicatrização.

Uma boa dica de limpeza é diluir uma colher de sopa de água sanitária em um litro de água corrente e deixar os utensílios de molho por 10 a 15 minutos. Após o período, deve-se passá-los em água corrente. Isso pode ser feito tanto com liquidificador, talheres e peneiras quanto com alimentos como os legumes, por exemplo.

Para secagem dos utensílios, prefira papel toalha ou deixe-os secar naturalmente no escorredor. Evite o pano de prato: ele pode ser um ambiente favorável para crescimento de bactérias.

Recuperação com sabor

Ficar sem alimentos sólidos pode parecer incômodo, mas prezar pelos sabores de que você gosta facilita o processo! Confira o cardápio preparado por Rafaela de Campos Felippe, nutricionista e especialista em nutrição clínica. Ela selecionou opções leves e preparou uma receita especial de sorvete caseiro, muito mais saudável do que o industrializado.

Exemplo de Cardápio (1º dia pós-cirurgia)

Café da Manhã: Vitamina de Frutas

Lanche da Manhã: Creme de Abacate

Almoço: Caldo de Carne ou Frango

Sobremesa: Gelatina

Lanche da Tarde: Sorvete de Banana Caseiro

Jantar: Caldo de Legumes

Observação: atenção para a temperatura da refeição, que deve ser sempre mais fria. O caldo, após batido no liquidificador, pode ser peneirado.

Receita do Sorvete de Banana Caseiro

Ingredientes:

Bananas maduras

Modo de Preparo:

Corte as bananas em fatias e congele. Deixe de um dia para o outro no congelador. Coloque em um processador ou liquidificador e bata até adquirir consistência de sorvete.

Fonte: AquiTemSorriso

Quais alimentos podem causar cáries ?

 

Alimentos Cariogênicos

 Quais os alimentos  que podem  causar cáries (cariogênicos)?

Os carboidratos fermentáveis ( principalmente sacarose , que são açúcares refinados)  podem favorecer o aparecimento das cáries nos dentes. A solubilidade, adesividade e textura dos alimentos podem torná-los mais cariogênicos.
Com o consumo  frequente destes alimentos ,unidos a uma má higienização, ocorre uma  diminuição do PH da saliva , a desmineralização do esmalte do dente  e o favorecimento  da  cárie dental. Uma pessoa que consuma diariamente  carboidratos fermentáveis tem maior suscetibilidade a   adquirir cáries.
 Os vilões são: doces,  caramelos, chocolates , goma de mascar, balas pegajosas, bombons,biscoitos,assim como refrigerantes e sucos artificiais e adoçados ,salgadinhos e pães.
As frutas, como por exemplo a maçã , assim como verduras cruas são consideradas não cariogênicas devido à baixa concentração de açúcar e alta estimulação do fluxo salivar, induzido por uma mastigação vigorosa .Esta estimulação na produção da   saliva  age neutralizando os ácidos produzidos pela bactéria.
Opte por alimentos saudáveis e evite alimentos cariogênicos
Uma alimentação saudável contribui para o bem estar geral, incluindo sua saúde bucal.

Veja as dicas de uma nutricionista bastante conceituada

Adoro Sorrir entrevista uma das grandes nutricionistas do Brasil.

Por Maria Helena Leite

Dra Gisela Savioli fala sobre nutrição e saúde – tema de interesse aos dentistas e pacientes.

Saber transformar alimentação em prazer imediato parece fácil. Transformar o hábito alimentar em uma rotina prazerosa e saudável é algo mais importante. As pessoas começam a entender que uma rotina alimentar saudável exige bom senso e orientação.

Mango sweet, spicy, 107 calories in a cup, good for vitamins C, A, and others

Preocupado com essa questão, o ADORO SORRIR foi conhecer as opiniões e sugestões dessa grande e experiente nutricionista – Dra Gisela Palumbo Comarovschi Savioli, que é integrante da Association Médicale Internationale de Lourdes e que já respondeu pelo cardápio de gente muito importante – como o do Papa Bento XVI – em sua passagem pelas terras brasileiras.

A clareza de suas idéias e dos seus ensinamentos atinge uma grande audiência, nas suas entrevistas e bate – papos pelo rádio. 

ADORO SORRIR: Dra Gisela, na sua opinião é possível conciliar a alimentação saudável com o prazer em comer bem?

Dra Gisela:Não tenho dúvidas que sim. Especialmente se não nos tornarmos reféns das armadilhas de alguns alimentos e padrões inadequados. O alimento deve ser fonte de energia, conforto e bem  estar .Esse é o seu verdadeiro benefício.

ADORO SORRIR: A Odontologia vem unindo esforços com o segmento da nutrição e avaliando os efeitos benéficos de alguns ingredientes e alimentos para a saúde bucal e geral. Neste sentido o leite tornou-se uma grande dúvida para os profissionais do segmento. Apesar de parecer uma fonte vital à reposição de cálcio, nesta forma pasteurizada, ele funciona como um alimento adequado?Quais seriam as outras alternativas?

Dra Gisela: como nutricionista funcional, não sou a favor do consumo de leite de vaca pelos seres humanos, afinal somos os únicos mamíferos que continuam mamando depois de ter dentes… E ainda por cima, consumimos leite de outra espécie. O leite que devemos consumir é apenas o materno e mesmo assim por um período determinado. O cálcio que tanto preocupa a população, principalmente feminina, pode vir de várias outras fontes, pois não basta ingerir cálcio. Precisamos consumi-lo junto com magnésio na proporção de 2:1, vitamina D e mais 23 nutrientes para que ele seja adequadamente utilizado no nosso corpo. Outro dado importante é não criar situações de perda desse cálcio como uso abusivo de cafeína e refrigerantes ou também consumo excessivo de proteínas de origem animal. Uma excelente forma de consumir cálcio e magnésio na proporção adequada é o utilizando folhas verdes escuras. Afinal de onde a vaca consegue o cálcio que ela depois disponibiliza no leite?

ADORO SORRIR: Alguns alimentos ricos em antioxidantes estão fazendo sucesso no nosso segmento. Um estudo publicado pelo Journal of Periodontology (Link para acesso: http://www.joponline.org/doi/abs/10.1902/jop.2009.080510 ), sugere que o chá – verde pode atuar como um agente de apoio a prevenção das doenças periodontais (ou das gengivas e do osso que reveste a nossa dentição). Qual a sua opinião sobre este alimento?

Dra Gisela: As catequinas presentes no chá verde (Camelia Sinensis) e que lhe conferem o gosto caracteristicos são execelentes antioxidantes e de fato tem vários trabalhos mostrando os benefícios para saúde bucal. Isso me faz lembrar o velho hábito oriental de bochechar o chá verde logo após as refeições. Único detalhe que devemos observar é que o chá verde acaba tingindo os dentes.

Uma solução é o consumo dele em temperatura ambiente usando um canudinho. Ou então, fazer uso do chá branco que possui até mais antioxidantes que o chá verde, mas é mais caro.

ADORO SORRIR: Um dos graves problemas na orientação odontológica ocorre quando nos deparamos com pacientes submetidos a uma situação de “secura bucal”. Atualmente mais de 1800 medicamentos (listados pela ANVISA) podem provocar este sintoma e, ao mesmo tempo, serem indispensáveis a rotina de vida de alguns pacientes. Quais as orientações nutricionais que podem auxiliar este quadro e cooperar para o bem estar destes pacientes?

Dra Gisela: De uma forma geral as pessoas se hidratam de forma inadequada.Cheguei a conclusão nesses anos de prática clínica que o melhor é o próprio paciente monitorar a cor da sua urina, ao invés de insistir para que ele tome mais água. A secura bucal prejudica muito as papilas gustativas que são responsáveis pelo reconhecimento dos sabores. Muitas vezes os pacientes que fazem uso de medicamentos são hipertensos ou diabéticos e essa secura bucal prejudica ainda mais o paciente que precisa fazer restrição de sal e açúcar. Uma das recomendações é fazer bochechos para aqueles que tem restrição hídrica, ou chupar gelo que peço para fazer com folhas de hortelã, pois a menta ajuda bastante.

ADORO SORRIR: Em seu livro Tudo Posso, mas nem tudo me convém – da Edições Loyola- a Dra. aborda, entre outros temas, a questão da nutrição subclínica. Gostariamos que explicasse melhor, aos nossos seguidores, o que isso significa e que reflexos pode trazer a saúde do corpo. Existe algum relato ou sintoma bucal perceptível nestes casos – que permita ao dentista colaborar com o encaminhamento desses pacientes?

Dra Gisela: Excelente pergunta. Na anamnese de uma consulta os sinais e sintomas são muito importantes, pois são através deles que notamos as carências nutricionais, ou até os excessos, pois em ambos os casos são prejudiciais para saúde. Hoje as pessoas não estão mais se alimentando de forma adequada. Comem alimentos que parecem comida, tem gosto de comida, mas na realidade são alimentos industrializados praticamente isentos de nutrientes, porém lotados de corantes, conservantes e inúmeras substâncias que para serem eliminadas do organismo vão depletar ainda mais nutrientes. Hoje ninguém mais janta. Toma-se lanche! Resultado de tudo isso são pessoas mal nutridas apresentando sobrepeso e obesidade. Gengivas que sangram, mal hálito e o aspecto da língua podem ser grandes indícios de falta de nutrientes importantes.

ADORO SORRIR: Quantas vezes ao dia as pessoas devem usufruir da alimentação? Qual a sua opinião sobre o açúcar refinado? Como entende as alternativas a ele? Gostaríamos de saber se “os adoçantes são nossos amigos”?

Dra Gisela: O ideal é não ficar mais de duas horas e meia, máximo três horas sem comer. Mais tempo em jejum faz nosso organismo entrar em estresse e produzir cortisol que vai resultar em perda de massa muscular para manter seu organismo funcionando adequadamente. O açúcar é o grande vilão da nossa civilização. Qualquer tipo de açúcar. Atualmente o único adoçante que recomendo é a base de estevia. Mas temos que lembrar que não enganamos nosso corpo. Hoje sabemos que nossa lingua tem receptores sofisticadissimos que se comunicam não apenas com o cérebro mas com o intestino também. Toda vez que você sente o gosto doce, seu corpo fica esperando a glicose para ser absorvida no intestino e se ela não aparece, pois você consumiu refrigerante lotado de adoçante, não se preocupe, pois seu intestino vai dar um jeito de abrir mais comportas para absorver mais glicose. Por isso que há algum tempo apareceu o comentário na mídia que adoçante engordava. Lembra?

Stevia Adoçante Natural

ADORO SORRIR: Quais as dicas para despertarmos hábitos alimentares saudáveis nas crianças? Quais os alimentos que nunca podem faltar a nossa mesa?

Dra Gisela: As crianças tem como modelo seus pais. De nada adianta falar para criança comer frutas e verduras se os pais não comem. O exemplo é a melhor referência. E a grande dica é voltarmos a comer como no tempo da vovó… Muito legume, frutas e verduras, ovos, arroz, feijão, enfim COMIDA de verdade. E não trocar refeição por lanches.

ADORO SORRIR: Para finalizar quando devemos recorrer ao profissional da nutrição?

Dra Gisela: Sempre! Se doente, para uma melhor recuperação e restauração. Se saudável para continuar com saúde e qualidade de vida. Gosto de lembrar que somos credores ou devedores de nós mesmos no futuro e a alimentação é uma grande oportunidade para colocar saúde ou não, pelo menos três vezes ao dia no seu corpo. Lembre-se que genética conta 20% e que estilo de vida 80%. E aqui você é quem comanda. É o famoso livre-arbítrio.

A Saúde oral e a nutrição

kiwi, strawberries and orange

O cálcio e a vitamina C promovem a saúde oral

O fato de comer diversos alimentos nutritivos é bom para a saúde geral, inclusive para a saúde oral. Algumas vitaminas em particular demonstraram os benefícios na construção de dentes saudáveis, ou seja o cálcio e a vitamina C, por isso assegure-se de incluir alimentos ricos nestes nutrientes em sua dieta.

Foi demonstrado que a vitamina C é um poderoso antioxidante que também tem um papel importante na síntese do colágeno, por isso mantêm gengivas saudáveis.

  • Cálcio: os produtos lácteos, inclusive o leite, o iogurte e os queijos, são boas fontes de cálcio. Muitos médicos recomendam 1.200 a 1.500 miligramas diários de cálcio para a maioria dos adultos, por isso você deveria considerar um suplemento de cálcio, especialmente se os produtos lácteos não são uma parte normal de sua dieta. Além disso, prove trocar as variedades de iogurte com baixo conteúdo ou nada de açúcar, dado que o açúcar (e as bactérias) podem favorecer as cáries dentais.
  • Vitamina C: Muitas frutas e verduras, inclusive vagens, laranjas e melões, bem como vegetais verdes como brócolis e espinafre, são excelentes fontes de vitamina C.

Sem dúvida, além de alimentar-se bem, é importante seguir uma rotina constante de cuidado dental com escovação de dentes três vezes por dia e uso diário de fio dental, para promover a saúde oral. E assegure-se de consultar seu cirurgião dentista regularmente.

two slices of an orange

A falta de vitamina C pode favorecer a gengivite

As condições patológicas do tecido das gengivas podem ter muitas causas, mas não esqueça levar em consideração a má nutrição. A quantidade inadequada de vitamina C pode promover gengivas sangrantes que, se não forem tratadas, podem evoluir a uma gengivite. A vitamina C também ajuda que o organismo faça a manutenção e a reparação dos ossos, os dentes e as cartilagens, além de ajudar na cicatrização das feridas.

Se você sofre de gengivas sangrantes e seu dentista descarta uma higiene dental inadequada, reavalie sua dieta. Assegure-se de consumir abundantes alimentos ricos em vitamina C. Não são difíceis de achar. As laranjas, as cenouras, as batatas-doces e os pimentões vermelhos são especialmente ricos em vitamina C. Trate de obter vitamina C de frutas e vegetais frescos, em lugar de sucos de fruta e vegetais. Além de ter alto conteúdo de açúcar, a maioria dos sucos de fruta são muito ácidos, e podem facilitar a erosão do esmalte dental. Os sucos de fruta são bons em pequenas quantidades, mas beba-os com as comidas, ou na medida do possível use um sorvete, para minimizar o contato do suco com os dentes.

A vitamina C é hidrossolúvel, o que significa que o organismo não a armazena por períodos prolongados e é necessário consumi-la todos os dias. Os suplementos multivitamínicos ou de vitamina C podem ajudar a obter o suficiente, especialmente se você estiver doente ou segue uma dieta restritiva, e tem problemas para comer variedade de frutas e vegetais. Muitas fórmulas multivitamínicas contêm vitamina C, ou ela pode ser achada em um suplemento individual. O Instituto de Medicina recomenda 90 miligramas por dia para homens maiores de 18 anos e 75 miligramas por dia para mulheres maiores de 18 anos.

Via oral B