Arquivo da tag: saúde bucal

Protetor bucal: O que dentistas e atletas precisam saber

 santos
Caio Capitani dos Santos

Caio Capitani dos Santos

Cirurgião-Dentista especialista em DTM e DOF (2010) UNISANTA; Ortodontia e Ortopedia Facial (2014) UNISANTA; Odontologia do Esporte (2016) UP (Curitiba /PR); Ciências do Esporte (conclusão 2017) UNIFESP / SP. Membro da Academia Brasileira de Odontologia do Esporte (ABROE).

Este ponto é cárie?

Esses pontos pretos são de Cárie, certo?! ERRADÍSSIMO!!!! Há vários motivos que levam os dentes de leite e permanentes a ficarem pigmentados. A cárie, ativa, em evolução, nunca será “preta” e “endurecida”. Comumente é acastanhada, amarelada e, principalmente amolecida. É resultado do esfarelamento do dente frente à tanto ácido produzido pelas bactérias (após consumirem carboidratos com alta frequência). Resumindo, esse dente não precisa de nenhum tratamento. Por isso, é importante que um especialista de confiança avalie os dentes do seu filho. Visite um odontopediatra!!!

carie

Fonte: Dr Gabriel Politano

5 fatos sobre acupuntura e cuidado da saúde bucal

Elas atravessaram os séculos, ganharam popularidade em todo o mundo e seguem contribuindo para o bem-estar humano. As terapias orientais fazem parte da Medicina Tradicional Chinesa, conjunto de práticas que tem como base a energia vital do corpo.

Uma das terapias mais conhecidas é a acupuntura, que “consiste em estimular pontos localizados em canais (meridianos) através de agulhas para recuperar o equilíbrio e bem-estar”, explica Godofredo Pignataro Neto, doutor em Odontologia pela Unicamp e especialista em acupuntura. A técnica é utilizada para prevenção e tratamento de diversas patologias, além de ser método analgésico em procedimentos clínicos e cirúrgicos.

Com as informações do especialista, listamos cinco fatos sobre a acupuntura e sua relação com a saúde bucal:

1. A acupuntura é uma especialidade odontológica

Em novembro de 2015, a técnica foi reconhecida como uma nova especialidade da odontologia pelo CFO (Conselho Federal de Odontologia). Ela pode ser aplicada como método para tratamento, prevenção e manutenção do estado geral da saúde do paciente odontológico.

2. Da ansiedade ao mau-hálito: ela ajuda a tratar diversos sintomas

Dor intensa na pele, mucosa ou dente, dores de cabeça, sinusites maxilares, artrose, herpes, aftas, mau hálito, xerostomia (“boca seca”): a acupuntura pode ajudar diretamente o tratamento de diversas patologias. “Ela também contribui ao proporcionar relaxamento e tranquilização do paciente, além da diminuição do reflexo de vômito durante moldagens e radiografias”, comenta Neto. Outra aplicação é na analgesia: ela pode ser utilizada em pacientes que possuem sensibilidade aos anestésicos convencionais.

3. Pode ser combinada com tratamentos tradicionais

Para Neto, a acupuntura complementa os chamados tratamentos tradicionais. “Em alguns casos, ela pode evitar o uso de medicamentos, como anti-inflamatórios e analgésicos, por exemplo. Pacientes que usam saliva artificial por possuírem xerostomia [boca seca] também podem se beneficiar ao recuperarem o fluxo salivar”, aponta.

4. Tem medo de agulhas? Fique tranquilo!

“Normalmente, a inserção das agulhas é praticamente indolor quando realizada por profissional habilitado. Uma leve sensação de peso, calor ou formigamento pode ser sentida devido ao estímulo gerado”, comenta o especialista. “Além das agulhas, o estímulo nos pontos de acupuntura pode ser feito com calor (moxabustão), ventosas, sementes ou até mesmo através de laser ou estimuladores elétricos conectados às agulhas”, acrescenta.

5. Como posso encontrar um especialista nessa área?

”Com a regularização da prática clínica da acupuntura, os profissionais habilitados começarão a divulgar a especialidade e o encaminhamento será feito pelos cirurgiões-dentistas, assim como no caso de outras especialidades odontológicas”, orienta Neto.

FONTE : Aqui Tem Sorriso

10 motivos para buscar e manter a saúde bucal.

A odontologia é a área da saúde que se ocupa da prevenção e do tratamento dos problemas dentários e dos demais tecidos bucais.

Dentro desse contexto a profissão é fundamental para o conceito de qualidade de vida e atua como parceira dos demais segmentos da saúde (caso da medicina, da fisioterapia, da nutrição, da psicologia, da fonoaudiologia, etc.), na resolução dos problemas que afetam o bem  estar das pessoas.

485435_566590750027721_2048327201_n

Muitas pessoas ainda desconhecem a importância de um sorriso saudável. Na sequência desse texto, listo dez razões que justificam o significado de se preservar os dentes, as gengivas e os tecidos bucais em ótimas condições.

1) Dentes e gengivas saudáveis são fundamentais para a saúde corporal.

Inúmeros estudos científicos mostram que as infecções bucais (destacando as que afetam as gengivas e o osso que revestem os dentes graças ao acumulo de bactérias sobre os elementos dentários), podem significar um risco além das perdas dentárias.

As infecções das gengivas (também conhecidas como doença periodontal) foram associadas com a maior ocorrência de partos prematuros e nascimentos de bebes de baixo peso, com as complicações do diabetes, com as doenças cardiovasculares, com as infecções respiratórias, com as doenças do aparelho digestivo e a outras doenças inflamatórias corporais . Caso das artrites, do aumento no PSA(antígeno prostático que regula o risco para o câncer de próstata) e outras situações inflamatórias ou degenerativas do corpo.

Fica claro que cuidar da boca é fundamental ao bom funcionamento do seu corpo e pode cooperar com a sua longevidade.

2) A boca é o seu principal órgão de interação com o mundo.

Talvez o coração seja o único órgão do corpo que trabalhe mais do que a sua boca. Apesar disso a boca é um órgão de interação com o mundo, muito mais intenso que o próprio músculo cardíaco. Repetidas vezes, ao longo do dia – você fala, come, bebe, cospe, saliva, beija, respira, morde, sorri… tudo isso graças a sua boca!

<3

Não dispor de toda a dentição e de saúde bucal é interagir de forma menos adequada com o mundo em que vivemos .A conseqüência de uma boca doente, com dentes infectados é que você não usufrui  do melhor que essa cavidade pode oferecer para a sua interação com o mundo.

3) O mal hálito é culpa da sua boca.

Pesquisas científicas mostram que, ao contrário da crença popular, não são os problemas de estomago e intestino os principais causadores do mal hálito. Na década de 90 , um famoso pesquisador belga de nome Daniel Van Steenberg evidenciou que apenas 1% dos casos desse sintoma  popularmente chamado de bafo relacionavam-se com distúrbios estomacais ou intestinais.

As doenças dos dentes e das gengivas justificaram 91% das ocorrências totais de mal- hálito avaliadas na pesquisa. Na visão desse pesquisador, o problema é que muitos pacientes ainda insistem em procurar o dentista, apenas nos momentos de dor ou desconforto, deixando de lado a prevenção das doenças bucais, ainda em fase assintomática. Essa é uma das situações mais associadas com a ocorrência desse sintoma desfavorável a imagem das pessoas.

4) Odontologia não é sinônimo de dor ou sofrimento.

A evolução das técnicas e das bases científicas que respaldam os tratamentos bucais, melhorou as possibilidades de reabilitação do sorriso, da mastigação e da preservação dos dentes e das gengivas em ótimo estado  ao longo de toda a vida.

Além deste aspecto técnico, outro fator importante é o relativo aos recursos e técnicas voltadas ao controle da dor e da ansiedade dos que temem os tratamentos bucais.

Novos produtos anestésicos, recursos para a sedação dos pacientes no consultório com óxido nitroso, medicações capazes de aliviar a dor e a inflamação e recursos que auxiliam a sensação de conforto dos pacientes como as técnicas de musicoterapia, as esteiras massageadoras acopladas a cadeira do dentista,a utilização de vídeos e imagens e óculos com imagens 3D  são ferramentas de apoio que tornam o ambiente do consultório dentário mais prazeroso e muito menos amedrontador para crianças e adultos de qualquer faixa etária.

Isso significa que o medo do dentista, não serve mais como justificativa para os que teimam em negligenciar as visitas de rotina aos profissionais do segmento.

5) As possibilidades de higiene bucal estão ao alcance de todos.

Independente do estado bucal, qualquer paciente dispõe de recursos de higiene dos dentes, da lingua e das gengivas absolutamente eficazes a sua necessidade de remover ? ao menos duas vezes ao dia ? o acumulo de bactérias que se estabelece nessa região.

Escovas de dentes com diversas finalidades, somam-se aos inúmeros modelos de fio dental, cremes dentais, bochechos e limpadores linguais  que atendem as expectativas de toda e qualquer pessoa verdadeiramente interessada em praticar os cuidados necessários a preservação do sorriso.

Um paciente disposto a cuidar da sua boca deve procurar um dentista e se informar sobre as melhores opções disponibilizadas para a cobertura da sua necessidade diária de higiene e de cuidados com a boca. À partir daí, basta praticar e garantir a maior sobrevida a essa jóia que adorna o seu sorriso  a sua dentição.

6) O alinhamento dentário correto é sinônimo de estética e boa mastigação.

As possibilidades de correção dos dentes tortos que comprometem a estética, que dificultam a mastigação e que limitam a higiene dentária – cresceram nos últimos anos.

Com o surgimento da ortodontia e da ortopedia funcional dos maxilares, as opções de realinhamento das arcadas dentárias melhoraram tanto, que crianças ou adultos podem redistribuir os seus dentes de forma mais harmônica com o tamanho da sua boca e o seu desenho de rosto.

Quem assistiu o filme A fantástica fábrica de Chocolate viu como a ortodontia do passado é diferente da praticada nos dias de hoje. Quem não se recorda das lembranças sofridas, do personagem Willie Wonka  o dono da Fábrica de Chocolates  apresentado na fábula como alguém que sofreu, uma barbaridade, com aparelhos dentários absolutamente obsoletos para os dias atuais.

Resultado de imagem para Willy Wonka e aparelhos

Atualmente os recursos e aparelhos de correção do alinhamento dos dentes são muito mais discretos e acessíveis a rotina de vida das pessoas. Além disso, o seu custo não é algo impeditivo para a sua prescrição como forma de tratamento.

Corrigir os dentes, mais do que devolver estética e boa mastigação  pode facilitar a eficiência de higiene de todas as áreas dos dentes atingidas pelas bactérias da boca  também conhecidas como placa bacteriana e que são responsáveis pelos estragos relacionados com os problemas bucais.

7) Dos tempos de Tiradentes para a época dos Implantes.

No passado muitas pessoas procuravam os dentistas ao primeiro sinal de existência de problemas com a dentição  para arrancar os dentes e substituir os elementos comprometidos por próteses variadas ou até mesmo pelas dentaduras.

Achavam que isso poderia prevenir dores, novos problemas com a boca e permitiriam seguir mais tranquilamente com uma rotina de vida relacionada com o abusivo consumo de doces e de outros alimentos nocivos a saúde da boca  caso do excesso de bebidas alcoólicas.

A evolução do conhecimento científico derrubou essas crenças populares e mostrou que o açúcar, o álcool e o cigarro não prejudicam apenas os dentes. Eles são nocivos a saúde geral das pessoas e cada vez mais são considerados vilões da obesidade, dos canceres, das cáries e de várias outras doenças que acometem a boca e o corpo.

Outro aspecto importante é que a ausência dos dentes prejudica o funcionamento das articulações e das musculaturas da face, que trazem inúmeros transtornos a imagem, a saúde e ao bem estar das pessoas.

O surgimento dos implantes foi mais uma revolução que veio para beneficiar a recuperação da dentição dos que  de fato  perderam a chance de dispor da sua dentição original. Eles oferecem uma possibilidade de recuperação da mastigação bastante próxima do original e são mais uma dentre as opções de tratamento bucal aos desdentados. .

8) Ausência de dentes e de saúde bucal é fator de limitação social.

Pessoas com mal hálito, dentes esburacados pelas cáries, gengivas vermelhas e sangrantes e desprovidas de dentes são mais introspectivas ou deixadas de lado nas rodas de convívio social.

Recentemente um importante diário jornalístico noticiou que a prefeitura de um grande município brasileiro exigia no concurso público para a vaga de Gari, que o candidato dispusesse a menos  de 8 bons dentes.

Após os protestos da coletividade, esse órgão público teve de rever a exigência, o que não excluiu a percepção da comunidade sobre a importância da dentição para a credibilidade da imagem associada com os nossos relacionamentos profissionais e/ou sociais.

9) O aumento do risco de câncer de boca é maior em pacientes que descuidam do sorriso e da mastigação.

O câncer de boca é um dos mais observados em homens e mulheres que negligenciam os bons tratos com a saúde bucal especialmente por fumarem muito, abusarem muito de bebidas alcoolicas e descuidarem da higiene da boca.

De acordo com o INCA ( Instittuto Nacional do Câncer) o câncer de cabeça e pescoço é um dos que mais mutila e restringe a qualidade de vida das pessoas. Prevenir é o melhor remédio.

10) A digestão começa pela boca.

Não dispor de dentes e gengivas saudáveis, dificulta o inicio do processo digestivo pela ausência de mastigação correta e restringe o aproveitamento de todos os nutrientes contidos nos alimentos.

Os nutrientes disponíveis nos alimentos começam a ser liberados ao organismo através da maceração e incisão gerada pelos dentes, acompanhada da enzima amilase salivar que ajuda no inicio da quebra molecular desses alimentos.

Se isso não ocorre na boca, o bolo alimentar encaminhado ao estomago e intestino apresenta mais resíduos não digeridos que agridem as estruturas internas e levam ao sub aproveitamento dos alimentos e a uma menor sensação de saciedade ao comer.

Dentes saudáveis e bem cuidados melhoram a vida dos que apreciam degustar alimentos frescos e consistentes  como carnes, frutas e legumes. A condição para uma boa nutrição, também é tema de interesse da saúde bucal.

Prof. Rodrigo Guerreiro Bueno de Moraes
Cirurgião-Dentista | Mestre em Odontologia pela Universidade Paulista | Membro da Sociedade Brasileira de Periodontia e da American Academy of Periodontology

Saúde bucal da gestante: mitos e verdades

 

Saúde bucal da gestante: mitos e verdades

Muitos mitos e tabus estão presentes no momento da gestação.

Fazendo um ligeiro apanhado das principais dúvidas das futuras mamães é necessário esclarecer que:

* A mulher perde cálcio durante a gestação. MITO! O cálcio necessário para a formação dos dentes do bebê provém da alimentação da gestante, os seus dentes não participam do processo de captação e nem sofrem qualquer dano.

* A gestação traz consigo cárie e perda de dentes. MITO! A cárie e consequente perda de dentes é provocada pela alimentação desregulada, rica em carboidratos e falta de higiene bucal. Sendo assim, mulheres gestantes ou não gestantes podem ser acometidas de cárie caso não haja uma correta escovação, com uso de fio dental e creme dental com flúor, e visitas regulares ao dentista.

* A gestante não pode fazer raio-X. VERDADE! Os exames radiográficos devem ser feitos com uso de avental de proteção em qualquer paciente, porém deve ser evitado no primeiro trimestre de gestação, e apenas em situações de extrema necessidade.

* É proibido o uso de anestésico em gestantes. MITO! O uso de anestesia nas gestantes é permitido, desde que a substância anestésica usada não contenha vasoconstritores, e por isso o cirurgião-dentista deve ser informado para que possa tomar esse cuidado.

* A periodontite (processo inflamatório de todos os tecidos localizados ao redor dos dentes e que também são responsáveis pela sua fiação) pode causar parto prematuro. VERDADE! Os microorganismos presentes na placa bacteriana percorrem a corrente sanguínea e estimulam a produção da prostaglandina, que é substância hormonal, provocando contrações do útero e acelerando o trabalho de parto.

Por esses motivos recomendamos o pré-natal odontológico com vistas à promoção da saúde bucal da gestante e à prevenção da saúde geral do bebê. A boca é a porta de entrada de muitas doenças, e, em hipótese alguma, deve ser tratada desassociada da saúde geral. É importante que hábitos saudáveis de higiene bucal e uma boa alimentação sejam adotados desde a gravidez pois o nível de saúde bucal da mãe tem relação com a saúde bucal da criança,para isso o açúcar adicional deve ser evitado já que o açúcar natural dos alimentos é o suficiente.

Se a mãe apresentar cárie nesse período o fato está relacionado à mudança da dieta e não à gestação em si.

Para as mulheres em idade fértil e que desejem engravidar é primordial que façam um check-up odontológico.

Além disso, estudos científicos mostram que crianças cujas mães apresentem alta concentração de Streptococcus mutans ( a bactéria causadora da cárie) na saliva, passam a adquirir essa bactéria mais cedo e em maior número, aumentando o risco de cáries nos dentes de leite.

Prevenir é melhor que remediar!

*Fonte: RD News

O que é uma boa higiene bucal?

Hálito puro e sorriso saudável são o resultado de uma boa higiene bucal. Isso significa que, com uma higiene bucal adequada:

  • Seus dentes ficam limpos e livres de resíduos alimentares;
  • A gengiva não sangra nem dói durante a escovação e o uso do fio dental;
  • O mau hálito de origem bucal deixa de ser um problema permanente.

Consulte o seu dentista caso sua gengiva doa ou sangre quando você escova os dentes ou usa fio dental, e também se estiver passando por um problema de mau hálito , para poder resolvê-lo caso seja de origem bucal. Essas manifestações podem ser a indicação da existência de um problema mais grave.

Seu dentista pode ensiná-lo a usar técnicas corretas de higiene bucal e indicar as áreas que exigem atenção extra durante a escovação e o uso do fio dental.

Como garantir uma boa higiene bucal?
Uma boa higiene bucal é uma das medidas mais importantes que você pode adotar para manter seus dentes e gengiva em ordem. Dentes saudáveis não só contribuem para que você tenha uma boa aparência, mas são também importantes para que você possa falar bem e mastigar corretamente os alimentos. Manter uma boca saudável é importante para o bem-estar geral das pessoas. Os cuidados diários preventivos, tais como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a evitar que os problemas dentários se tornem mais graves. Devemos ter em mente que a prevenção é a maneira mais econômica, menos dolorida e menos preocupante de se cuidar da saúde bucal e que ao se fazer prevenção estamos evitando o tratamento de problemas que se tornariam graves. Existem algumas medidas muito simples que cada um de nós pode tomar para diminuir significativamente o risco do desenvolvimento de cárie, gengivite e outros problemas bucais.

  • Escovar bem os dentes e usar o fio dental diariamente.Usar limpador/raspador de língua
  • Ingerir alimentos balanceados e evitar comer entre as principais refeições.
  • Usar produtos de higiene bucal, inclusive creme dental, que contenham flúor.
  • Usar enxagüante bucal com flúor, caso seu dentista recomende.
  • Verificar a necessidade de crianças abaixo de 12 anos tomarem água potável fluoretada ou suplementos de flúor, se habitarem regiões onde não haja flúor na água.
Técnicas corretas de escovação:
O que é uma boa higiene bucal O que é uma boa higiene bucal O que é uma boa higiene bucal
Coloque a escova em um ângulo de 45 graus em relação à gengiva. Movimente a escova, afastando-a da gengiva. Escove delicadamente as partes internas, externas e de mastigação de cada dente com movimentos curtos de trás para frente. Com cuidado, escove a língua para remover bactérias e purificar o hálito.
Uso correto do fio dental:
Uso correto do fio dental Uso correto do fio dental Uso correto do fio dental
Use aproxima- damente 40 centímetros de fio, deixando um pedaço livre entre os dedos. Siga, com cuidado, as curvas dos dentes. Assegure-se de limpar além da linha da gengiva, mas não force demasiado o fio contra a gengiva.

Alimentos benéficos para a saúde bucal

Separamos alimentos que são aliados da saúde bucal. Mantê-los na dieta pode render um ótimo resultado e evita que problemas provenientes de outros alimentos possam se agravar.

 

Chá: é um forte aliado contra a acidez que encontramos em doces, refrigerantes, cafés ou bebidas alcoólicas. Os chás verde e preto são considerados as melhores opções e fazem parte de um grupo que produz um efeito antioxidante sobre os dentes, preservando o esmalte e a beleza do sorriso.

Prova disso é uma estudo conduzido no Japão que mostra os benefícios do chá verde para a boa saúde periodontal. Pesquisadores analisaram a saúde periodontal de 940 pessoas do sexo masculino, com idade entre 49 e 59 anos, para determinar que efeito a ingestão regular de chá verde teria na saúde periodontal desses indivíduos em comparação com indivíduos que consumiam menor quantidade da bebida. Foram examinados três indicadores da doença periodontal: a profundidade da bolsa periodontal, perda de inserção do tecido gengival e sangramento durante a exploração dos tecidos gengivais. Notaram que cada xícara de chá verde consumida por dia, resultava na diminuição dos três indicadores.

Cálcio: proporcionam força aos dentes. Doenças periodontais, por exemplo, são consequência da falta de minerais no organismo. Além disso, alguns alimentos que possuem cálcio (como o queijo) podem ajudar a neutralizar o PH. Alimentos que provém de leite ou derivados são os mais ricos em cálcio. O cálcio é acumulado no organismo até os 35 anos (auge), depois disso, a tendência é perdê-lo com maior facilidade.

Fibras: alimentos ricos em fibras auxiliam na higiene bucal. Isso se dá, pois eles exigem um esforço maior de nossa arcada dentária para fragmentá-los e enquanto isso acontece, as impurezas vão sendo arrastadas. Frutas no geral são fonte de fibra, assim como vegetais.

Vitamina C: elemento fundamental para uma gengiva saudável por participar da formação de colágeno, além de aumentar a imunidade e combater os radicais livres que estão envolvidos em várias doenças bucais. Ela está presente em frutas como: goiaba, acerola e limão.

Os alimentos detergentes são aqueles que auxiliam na remoção de resíduos, gorduras e bactérias dos dentes. Eles aumentam a produção de saliva, diminuindo a acidez da boca, são ricos em fibras e possuem menos açúcar. Bons exemplos são a maçã, pera, kiwi, melancia, brócolis, acelga, pepino e mamão.

Alimentos ricos em minério, como o leite e seus derivados, garantem dentes mais fortes e ajudam na reconstrução do esmalte dental.

A vitamina C mantém as gengivas saudáveis, ajuda na formação de colágeno (presente na gengiva) e ainda auxilia na cicatrização de pequenos cortes como os causados por fio dental, por exemplo.

Sem excessos de doces! A  Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo de chocolate no limite de 50g por dia, ou seja, um tablete pequeno. Essa é a quantidade ideal para aproveitar os benefícios do alimento sem prejudicar a saúde bucal.

A prevenção de problemas bucais está associada à alimentação saudável e boas práticas de higiene bucal, conforme enfatiza a Academy of Nutrition and Dietetics “Os esforços colaborativos entre profissionais da nutrição, odontologia, medicina e aliados na pesquisa são necessários para garantir a assistência à saúde da população”

Cuidados simples como esses, aliados à boa prática de higienização bucal e visita regular ao dentista, que podem prevenir tantos problemas corriqueiros que possuem grande chance de se agravarem.

Fontes: ABO, Terra, G1, Colgate, Blog Dr. Veit, IG, Mundo Educação,Dental Cremer, Oral B

A saúde começa pela boca

A saúde começa pela boca

O organismo humano funciona como uma orquestra: cada órgão cumpre o papel de um instrumento. E, quando um desafina, o corpo todo pode ser afetado. Quando a saúde bucal não está em harmonia, as bactérias e os fungos naturais dessa região podem se proliferar e atingir outros órgãos.

A saúde começa pela bocaCuidar dos dentes não é apenas questão de estética, e sim de saúde. De acordo com a American Dental Association (ADA), problemas bucais, como doença crônica gengival (periodontite), podem acarretar inclusive males no coração e nos pulmões.

Diversas doenças sistêmicas – aquelas que eventualmente afetam todo o organismo – podem ter origem em infecções orais. “Um exemplo é a endocardite bacteriana, infecção grave das válvulas cardíacas ou das superfícies do coração, cuja bactéria que causa o problema pode ser proveniente de falta de cuidados com a higiene oral, como não escovar os dentes, e de doenças bucais existentes”, explica a dra. Letícia Bezinelli da unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Um caso sério

Entre os problemas bucais mais comuns na população brasileira está a gengivite

Entre os problemas bucais mais comuns na população brasileira está a gengivite, que, quando não tratada, pode evoluir para a periodontite. Conforme a Associação Brasileira de Odontologia, menos de 22% de adultos e 8% dos idosos têm as gengivas totalmente saudáveis.

As complicações surgem quando a placa bacteriana não é removida e, assim, inicia-se a inflamação da gengiva. Suas características mais conhecidas são a vermelhidão, inchaço e o sangramento.

Quando acumulada por um período maior, a placa começa a endurecer pela deposição de sais minerais da saliva e dá origem ao cálculo dental – o tártaro – o qual fica firmemente aderido ao dente. “A escovação já não é capaz de removê-lo e, se o cirurgião-dentista não atuar, inicia-se uma destruição progressiva e irreversível das estruturas que sustentam os dentes: osso alveolar e ligamento periodontal”.

Assim, um simples problema bucal se transforma em um caso mais sério, a periodontite. Essa inflamação resulta em sangramento, sensibilidade, retração da gengiva, mau hálito, mobilidade e pode acabar com a perda dental. “O grande problema da doença periodontal é que, na maioria das vezes, se comporta de forma silenciosa e assintomática e, quando o paciente percebe, já existe um comprometimento severo da estrutura dentária”.

Cárie dentária

Os problemas bucais não param por aí. Segundo a Associação Brasileira de Odontologia, 60% das crianças têm cárie, muito comum nessa fase da vida. É uma doença infectocontagiosa, ou seja, trasmissível. A cárie surge a partir de resíduos alimentares que permanecem em contato com os dentes e são utilizados pelas bactérias presentes na boca. Assim, surge a placa bacteriana e, a partir dessa interação, há produção de ácidos que podem destruir as estruturas dentais.

Se não for diagnosticado rapidamente, esse processo evolui e pode levar à morte da polpa – nervo responsável pela vitalidade do dente – e até à formação de um abscesso, coleção de pus com a presença de bactérias. Nesses casos, a preocupação é grande, pois existe o risco de uma infecção local se disseminar para outras partes do organismo.

Conforme a Associação Brasileira de Odontologia, menos de 22% de adultos e 8% dos idosos têm as gengivas totalmente saudáveis

Entre os motivos que levam ao problema estão sobretudo a má alimentação, o que inclui a alta ingestão de açúcar, e a falta de higiene. As orientações para evitar cáries na infância devem começar com as mães ainda gestantes, pois alguns fatores podem interferir no desenvolvimento dos dentes do bebê. Determinados antibióticos, como a tetraciclina,  administrados em gestantes ou lactantes podem causar descoloração ou manchas.

Outros problemas bucais

Apesar de a cárie e a doença periodontal serem os principais e mais comuns problemas bucais, existem outras complicações que merecem destaque e alerta.

Câncer bucal (Câncer de Boca)

Mais frequente no lábio inferior, é um tumor que pode afetar todas as estruturas da cavidade oral. A incidência é alta no Brasil, com mais de 10 mil novos casos por ano, levando ao óbito cerca de 3.500 pessoas. No início, surge uma ferida na boca que não provoca dor, mas não cicatriza. Os principais fatores de risco são:

  • idade superior a 40 anos
  • fumo de cachimbos e cigarros
  • consumo de álcool em excesso
  • má higiene bucal
  • uso de próteses dentárias mal-ajustadas

O diagnóstico precoce é fundamental para a cura. Se houver qualquer alteração de cor e volume na boca, é necessário procurar o cirurgião-dentista.

Herpes

Costuma aparecer depois de situações que provocam baixa resistência imunológica, como estresse. Na fase inicial, o paciente pode apresentar ardor, coceira e a região fica mais avermelhada. A partir daí aparecem as vesículas, fase considerada contagiosa. Nesse período, é necessário atenção para evitar o uso conjunto de talheres, copos, entre outros objetos.

Mau hálito

Ocorre por diversos fatores e hoje já há como descobrir as causas. Pode ser mais evidente no período matutino, devido à menor produção de saliva durante a noite, o que contribui para a deterioração dos ácidos e de outras substâncias no interior da boca.

Aftas

São ferimentos na mucosa, de coloração branca e avermelhadas ao redor. Nao existe uma causa específica para seu aparecimento e podem ser consideradas uma alteração no sistema imunológico. Duram de uma a duas semanas.

Cuidados essenciais

Outro fator importante é que a saúde da boca é necessária para a pessoa desempenhar de forma adequada a mastigação e a deglutição. Além disso,  colabora com a aceitação social e melhora da autoestima, pois um sorriso harmônico significa não só saúde, mas também bem-estar.

Todos esses problemas podem ser tratados, porém os odontólogos alertam os pacientes sobre a importância da prevenção e de diagnósticos prematuros. Para tanto é preciso visitar periodicamente o dentista. Outro conselho é alimentação saudável, com pouca ingestão de açúcares, esse é o primeiro passo para a saúde bucal. Há ainda outros fatores essenciais que devem ser levados em conta: higiene oral  correta, por meio de escovação dos dentes e da língua, uso de fio dental, para alcançar regiões que a escova não alcança, e uso de enxaguatório bucal.

Atendimento diferenciado

A defesa do organismo fica comprometida quando a pessoa apresenta algum problema de saúde, como câncer. A quantidade de leucócitos e plaquetas se reduz quando o paciente passa por tratamento quimioterápico. Isso pode aumentar o risco de infecção sistêmica, que pode ter origem em infecções presentes na cavidade oral. 

O tratamento e acompanhamento odontológico são importantes

Um exemplo do que pode ocorrer é a mucosite oral – uma das principais complicações do transplante de medula óssea –, processo inflamatório da mucosa oral que causa dor, dificulta a alimentação e a fala, além de aumentar as chances de o paciente desenvolver infecções. A doença pode ser tratada e até prevenida pelo cirurgião-dentista em conjunto com a equipe médica.

 

Via Hospital Albert Einstein

“Assaltar a geladeira” à noite ou de madrugada pode ser prejudicial à saúde bucal

 

Imagem

 

Pessoas que tendem a comer um quarto ou mais das calorias diárias após o jantar fazendo um lanche à noite diversas vezes por semana podem não apenas estar expandindo a cintura, mas também prejudicando a saúde dental, de acordo com pesquisadores dinamarqueses. Um estudo das fichas de mais de 2,2 mil adultos, com idades entre 30 e 60 anos, que participaram de um estudo médico dinamarquês, avaliou dois momentos num período de seis anos (1987-88 e 1993-94). Apenas 8% dos participantes, 173 no total, foram diagnosticados como pessoas que consomem pelo menos um quarto das calorias de cada dia após a refeição ao anoitecer e relataram acordar no meio da noite para fazer um lanche pelo menos duas vezes por semana.

Analisando as fichas dos participantes, os pesquisadores observaram que essas pessoas perderam mais dentes no período de seis anos, mesmo levando em conta as idades dos participantes, estado de diabetes e tabagismo, índice de massa corporal e consumo de açúcares e carboidratos. Aqueles que não estavam neste grupo, não diabéticos e não fumantes apresentaram perda de dentes significativamente menor. Os pesquisadores teorizam que, uma vez que as pessoas produzem menos saliva durante a noite, quem come neste período não têm saliva suficiente para remover os resíduos de alimentos da boca. Recomendam que dentistas e pacientes discutam os comportamentos de alimentação no período da noite e que os pacientes escovem os dentes todas as noites depois de comer para ajudar a preservar os dentes.

A Associação Dental Americana em seu site ADA.org oferece um guia abrangente de dieta e saúde dental, incluindo informações sobre como os alimentos podem causar cárie dentária, como escolher alimentos de maneira inteligente e dicas para uma saúde dental melhor. A página da internet também oferece informações sobre a limpeza dos dentes e da gengiva, incluindo dicas sobre a maneira adequada de escovar os dentes e usar o fio dental. Converse com seu dentista sobre as estratégias de cuidados bucais se você achar que possui um comportamento alimentar prejudicial à sua saúde bucal. Uma página de informação ao paciente, “Eating habits that can harm teeth”, também está disponível no site da ADA.

Fonte: Associação Dental Americana