Adolescência do bebê: você sabe o que é a fase do “terrible twos”?

A psicopedagoga e psicóloga Melina Blanco Amarins esclarece as principais dúvidas sobre a “terrível crise dos dois anos” infantil

Manha ou birra. Qual mãe ou pai nunca passou por uma situação dessas com o/a filho/a?  Mas você sabia que em crianças entre um ano e meio até três anos de idade isso pode ter relação com a “adolescência do bebê”?  A psicóloga e psicopedagoga Melina Blanco Amarins, da Materno-Infantil do Einstein esclarece algumas dúvidas sobre o tema, também conhecido como terrible twos.

O que é a adolescência do bebê?
É quando a criança apresenta comportamento opositor às solicitações dos pais. A criança percebe que consegue ter alguma autonomia e desejos diferentes dos pais e pode apresentar comportamentos de birra diante de tarefas que não quer fazer. Chamamos também como terrible twos.
O termo terrible twos tem ligação com o período no qual a criança pode apresentar o “fenômeno” – perto dos dois anos?
Sim.  Este período pode ocorrer entre um ano e meio até 3 anos.
Qual a importância desta fase?
É uma fase em que há muitas mudanças na criança e faz parte do desenvolvimento.  Bebês são muito dependentes, porém nesta idade (terrible twos) já conseguem fazer algumas tarefas sozinhas.
É neste momento que a criança consegue ter uma percepção melhor de seus desejos e realizar escolhas que muitas vezes são diferentes dos pais. Neste momento que os conflitos aparecem com comportamentos de birras, como jogar objetos no chão, gritar e chorar. Podemos considerar importante esta fase, pois é uma fase inerente ao seu desenvolvimento global infantil.
Como os pais podem ajudar/ lidar?
Esta fase não é fácil para os pais, pois precisam ter muita paciência com a criança. Bater ou gritar são atitudes disfuncionais e pioram o comportamento.  É importante que os pais tenham calma e mostrem para a criança que esse tipo de comportamento não tem benefícios.
Conversar com a criança é importante, porém não no momento da birra. Aguarde o momento em que todos estiverem calmos e possam dialogar. É importante lembrar que o papel dos pais é educar e é nesta fase que este processo se intensifica – na qual ensinam o que é certo e o que é errado.
Outro ponto importante é tentar manter uma rotina com a criança, pois as chances são menores de ficarem estressados com mudanças.  A criança nessa idade não tem maturidade cognitiva e emocional para entender todo esse processo sozinha e precisa de um adulto para molda-la e orienta-la.
É possível evita-la?
Não. O importante é não pensar em evitar, mas saber manejar determinadas situações e ajudar a criança a passar por essa fase.
Toda criança passa por essa fase?
Toda criança passa por essa fase do desenvolvimento, porém cada uma pode reagir de forma diferente e com intensidade diferente. Não há uma regra para que todas as crianças com dois anos tenham comportamentos opositores.
Fonte: Hospital Albert Einstein