Arquivo da tag: toxina botulinica

Toxina botulínica : A Evolução da odontologia atraves de biomateriais.

Toxina botulínica : A Evolução da odontologia atraves de biomateriais.

Ao desviar nosso olhar para as novidades, que não precisam ser inventadas, podem simplesmente ter novas indicações, muitas possibilidades surgem. É o caso da toxina botulínica tão comum para a medicina, agora na odontologia tem lugar garantido e merece destaque. Pensamos logo em estética, eliminar ruguinhas, ficar com a aparência suave e porque não? O dentista que não perceber que a saúde e a estética tem a mesma proporção para o paciente, precisa observar a sociedade competitiva que vivemos.

A toxina botulínica é um importante coadjuvante no tratamento das dores faciais, bruxismo e apertamento dentário, tão inconvenientes ao paciente quanto para o profissional que perde a faceta ou a coroa tão bem preparada para uma mordida com força incontrolada. Intervir nas dores e danos da DTM através de uma aplicação rápida e praticamente indolor da toxina a cada semestre, sem depender de placas e ter a musculatura equilibrada 24 horas, é uma solução muito interessante.
Sorriso gengival é estética? Deixaria o periodontista dizer, mas qualquer profissional conhece as doenças periodontais nos dentes anteriores causadas pela exposição gengival constante, e o tratamento é realizado em pontos específicos com uma quantidade tão pequena de toxina que nos faz pensar onde estava este biomaterial que não chegou antes.
Via Dental tribune

Toxina Botulínica e Mini-Implantes: A evolução da odontologia através de Biomateriais.

Toxina Botulínica e Mini-Implantes: A evolução da odontologia através de Biomateriais.

A toxina botulínica é um importante coadjuvante no tratamento das dores faciais, bruxismo e apertamento dentário.

Toxina Botulínica e Mini-Implantes: A evolução da odontologia através de Biomateriais.
Post a comment by Dr. Eliana Pesqueira, especialista em ortodontia e ortopedia facial

As inovações no mercado odontológico são bem-vindas, no entanto o que nós assistimos hoje são verdadeiras evoluções, que mudam todo o conceito de saúde e estética ao redor do mundo. Este é o resultado da parceria ciência e tecnologia, incluindo através de novos conceitos e muita pesquisa novos materiais e novas alternativas.

Reflexão por Dra. Eliana Pesqueira
Será que estamos preparados para distinguir tudo isso? Eu respondo, claro que sim. Ao desviar nosso olhar para as novidades, que não precisam ser inventadas, podem simplesmente ter novas indicações, muitas possibilidades surgem. É o caso da toxina botulínica tão comum para a medicina, agora na odontologia tem lugar garantido e merece destaque. Pensamos logo em estética, eliminar ruguinhas, ficar com a aparência suave e porque não? O dentista que não perceber que a saúde e a estética tem a mesma proporção para o paciente, precisa observar a sociedade competitiva que vivemos.

A toxina botulínica é um importante coadjuvante no tratamento das dores faciais, bruxismo e apertamento dentário, tão inconvenientes ao paciente quanto para o profissional que perde a faceta ou a coroa tão bem preparada para uma mordida com força incontrolada. Intervir nas dores e danos da DTM através de uma aplicação rápida e praticamente indolor da toxina a cada semestre, sem depender de placas e ter a musculatura equilibrada 24 horas, é uma solução muito interessante.

Sorriso gengival é estética? Deixaria o periodontista dizer, mas qualquer profissional conhece as doenças periodontais nos dentes anteriores causadas pela exposição gengival constante, e o tratamento é realizado em pontos específicos com uma quantidade tão pequena de toxina que nos faz pensar onde estava este biomaterial que não chegou antes. O reconhecimento do paciente é evidente e não precisamos nos preocupar muito com o marketing, é o próprio trabalho que refletirá através do “novo” sorriso a dedicação, o conhecimento e excelência do profissional.

O custo de alguns biomateriais é realmente alto, mas cabe a nós profissionais mostrarmos aos pacientes os benefícios reais e o que tem atrás daquela gota ou do pequeno mini-implante explicando suas vantagens.

Este dispositivo tão pequeno irá substituir muitas vezes o extraoral que deveria ser utilizado 16 horas. E a tranquilidade de ter em nossas mãos o controle do tratamento? Nos mini-implantes a tecnologia é evidente. O titânio recebe o alumínio e o vanádio para ter uma liga mais resistente permitindo a inserção destes pequenos dispositivos em espaços reduzidos de forma rápida e simples com uma anestesia local. Verticalizar ou distalizar um molar inferior antes era impossível e com o atendimento multidisciplinar instalar um implante onde antes seria uma ponte fixa por falta de espaço, assim ganhamos todos: pacientes e profissionais. O design deste que parece um parafuso é tão elaborado, que suas roscas, cabeça, conicidade são exemplos de tecnologia eficiente e eficaz.

O uso da toxina botulínica e preenchimento facial na Odontologia

O uso da toxina botulínica e preenchimento facial na Odontologia

O uso da toxina botulínica e preenchimento facial na Odontologia

A toxina botulínica, bastante conhecida por suas marcas comerciais (botox, dysport, prosigne, xeomin etc) inicialmente foi utilizada para tratamento de doenças musculares, mas depois foi constatado que ao tratar o estrabismo também atenuava as rugas ao redor dos olhos (pés de galinha). A partir daí passou a ser muito utilizada para eliminar as rugas, distonias, espasmos e hiperidrose (transpiração excessiva). A toxina botulínica é utilizada para tratamento do sorriso gengival ou assimétrico, cefaleia (dor de cabeça) tensional, disfunções temporomandibulares, apertamento dental, bruxismo (ranger dos dentes), hipertrofia do músculo masseter e correção de sequelas cirúrgicas, além de indicações em implantodontia, ortodontia e outras especialidades odontológicas.

O preenchimento facial é uma técnica que pode complementar tratamentos com próteses dentarias e ortodônticos, devolvendo volume dos lábios pode-se restabelecer sua sustentação evitando que as próteses dentarias sejam grossas e pesadas, como também ganho de volume papilar interdental e muitas outras indicações na odontologia.

Por
Dr. Luciano Artioli Moreira